Conheça as tecnologias que prometem deixar freios do carro mais eficientes

Resíduos e ruídos gerados pelo desgaste das peças tornaram-se alvo da indústria na busca de carros mais limpos

 (Otavio Silveira/Quatro Rodas)

Com os motores cada vez mais limpos e silenciosos, os outros sistemas dos automóveis passaram a receber maior atenção das fábricas na pesquisa de modelos mais amigáveis ao meio ambiente.

No caso dos freios, estima-se que, nos veículos equipados com motores a combustão interna, eles sejam responsáveis por cerca de 20% de todo o material particulado emitido.

Nos modelos elétricos, a avaliação é de que a participação desses componentes nas emissões chegue a 80%.

O material resultante do desgaste de discos e pastilhas são partículas microscópicas (da ordem de 2,5 micrômetros) capazes de passar pelas vias respiratórias do ser humano e causar  diversos tipos de doenças.

Aqui, apresentamos três tecnologias que prometem melhorar a atual situação. São dois tipos de disco e um de pastilha que conseguem manter a eficiência nas frenagens produzindo menos emissões e ruídos.  

Atrito

A ZF recorreu ao tratamento superficial das pastilhas para reduzir o atrito durante as frenagens.

De acordo com a empresa, as pastilhas TRW Cotec contam com a aplicação de silicato ao material de fricção que permite o melhor assentamento da pastilha ao disco, reduzindo o nível de ruído.

A pastilha pode ser instalada como peça de reposição comum, sem a necessidade de adaptações no sistema original do carro.

Peso 

A canadense Nucap Industries desenvolveu um disco de freio 40% mais leve que um convencional (um disco sólido comum de um hatch compacto, por exemplo, pesa cerca de 8 kg).

Diminuir o peso dos carros é uma forma de combater as emissões por aliviar o esforço do motor, reduzindo o consumo de combustível.

O disco da Nucap consiste de duas faces de aço unidas por material compósito leve, enquanto os discos tradicionais são feitos de aço maciço.

Desgaste

O iDisc, da Bosch, emite 90% menos material particulado que um disco convencional, segundo a fábrica. O segredo está no tratamento com carboneto de tungstênio, material que deixa a superfície do disco mais dura.

Esse revestimento não compromete a eficiência do sistema. Ao contrário: de acordo com a Bosch, ele ainda contribui para o aumento da eficiência das frenagens e reduz a ocorrência de fadiga.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s