Clique e assine por apenas 8,90/mês

Airbags possuem prazo de validade?

Não existe consenso entre os fabricantes; algumas dizem que seus airbags jamais precisam ser substituidos ou passar por revisão

Por Henrique Rodriguez - Atualizado em 7 jun 2017, 16h34 - Publicado em 7 jun 2017, 16h21
Bolsas de ar podem ter que ser substituídas Divulgação/Hyundai

“O airbag tem prazo de validade? Como saber se ainda está operante ou válido?” – Guilherme Guedes, Ribeirão Preto (SP).

Apesar de serem poucos os fornecedores de airbags para a indústria automotiva (muitas vezes, um mesmo fabricante atende a diversas marcas, como no caso da Takata), não existe um consenso entre as montadoras de automóveis, nem normas que definam a vida útil de airbags. No passado, os americanos falam em 15 anos, já os europeus em dez anos.

Isso estaria associado ao combustível sólido que reage com eletricidade para que o airbag detone e em como ele mantém suas características ao longo do tempo. Mas testes feitos nos Estados Unidos com veículos de 20 anos revelaram que os dispositivos funcionaram como novos. 

Perguntamos à Toyota, Chevrolet e Peugeot sobre como os proprietários de seus carros devem lidar com as bolsas de ar de seus carros.  

Chevrolet e Toyota afirmam que seus airbags não têm validade. A Toyota diz que seus dispositivos não precisam passar por qualquer revisão periódica. Mas a Chevrolet diz que o cliente deverá levar o veículo para verificação em concessionária caso a luz espia do airbag permaneça acesa no painel.

Continua após a publicidade

Explica-se: toda vez que é dada a partida em carros com airbags, o carro faz uma verificação em todos os dispositivos ligados aos airbags, como sensores e as próprias bolsas de ar. Se algo estiver errado, mesmo que seja apenas mal contato, a luz espia ficará acesa.

A Peugeot tem recomendações diferentes. “Nosso air bag tem vida útil de 10 anos. Após esse período, sugerimos que seja substituído”, disse a precavida marca, seguindo o padrão da maior parte das montadoras europeias.

Vale lembrar que o maior recall da história, protagonizado pelos airbags defeituosos da Takata (e que já envolve mais de 40 milhões de veículos no planeta) está relacionado à presença de nitrato de amônio, que quando exposto ao calor e clima úmido pode explodir – o problema não tem relação com prazos de validade dos airbags.

Publicidade