Longa Duração: rede cobra revisão do Kicks, mas não executa

Autorizada Nissan cobra por peças não trocadas e ainda se nega a corrigir a falha. Resultado: manutenção do Kicks teve de ser refeita

Revisão em Minas Gerais foi um fiasco

Revisão em Minas Gerais foi um fiasco. Na foto, o Kicks à caminho de Varginha, cidade mineira em que a revisão foi realizada (Silvio Gioia/Quatro Rodas)

Negligenciar a manutenção, deixando de realizar as revisões, implicam a perda da garantia de qualquer automóvel. Com o Nissan Kicks, claro, não é diferente.

Mas foi esse o risco que corremos ao fazer a revisão de 20.000 km na concessionária Oriente, de Varginha (MG). A parada programada saiu pelos sugeridos R$ 579, além de outros R$ 90 cobrados por alinhamento, balanceamento e rodízio.

Em São Paulo, nossa inspeção pós-revisão detectou que, apesar de terem sido cobrados, os filtros de cabine e de ar do motor permaneciam com a nossa marcação antifraude. Ou seja, não haviam sido substituídos.

“O cárter e o filtro de óleo estavam sujos de lubrificante, o filtro de combustível estava mal fixado e o rodízio de pneus executado com erro de posicionamento. Duvido que esse seja o padrão que a Nissan, ou qualquer outra marca, espera ao treinar a sua rede”, diz Fabio Fukuda, consultor de QUATRO RODAS.

Sempre preservando a informação de que o SUV pertence à revista e alegando que a área de controle de frota tinha provas de que a manutenção não tinha sido feita a contento, sugerimos à técnica da Oriente uma consulta em seu sistema para descobrir um eventual erro na emissão da nota fiscal. “Não preciso fazer essa consulta. Tenho certeza de que entregamos tudo o que foi cobrado”, disse.

Diante da dispensa da oportunidade de reparar a manutenção falha, esquecemos a Oriente e fomos até a Carrera, em São Paulo. Lá, todos os serviços da revisão de 20.000 km foram refeitos. Ao ver que o livreto de garantia já tinha o carimbo da Oriente, o técnico da Carrera nos alertou: “A segunda revisão já foi feita”.

Explicamos o ocorrido e, como cortesia, deixamos de pagar a mão de obra. As peças saíram por R$ 371, mas a conta foi engordada pelos R$ 67 de uma lâmpada do farol de neblina (que havia queimado) e pelos R$ 160 dos serviços de alinhamento.

De volta à ativa, o Kicks acompanhou o Fabio Fukuda nas férias de fim de ano. “Gostei do Kicks. Bancos confortáveis, ar-condicionado eficiente e freio equilibrado são os destaques positivos”, disse o nosso consultor, após uma semana com o SUV.

Nissan Kicks – 21.279 km

Consumo

  • No mês: 8,3 km/l com 17,3% de rodagem na cidade
  • Desde out/16: 8,2 km/l com 22,5% de rodagem na cidade
  • Combustível: etanol

Gastos no mês

  • Combustível: R$ 1.932
  • Revisão: R$ 950
  • Alinhamento: R$ 250
  • Lâmpada: R$ 67

Ficha técnica

  • Versão: SL 1.6 16V
  • Motor: 4 cil., diant., transv., 1.598 cm3, 16V, flex, 114 cv a 5.600 rpm, 15,5 mkgf a 4.000 rpm
  • Câmbio: automático, CVT
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Juiz de Fora fica a mais de 300 km de Varginha… Antes de ler a matéria, pensei que fosse a concessionária de Juiz de Fora.

  2. Alex Bellíssimo Pimenta

    Eu relí a materia e nao consegui entender uma coisa: A QR pagou novamente a outra css pelo serviço e não pleiteou ” o roubo” da outra css? Nem fez BO?

  3. José Francisco Algarve

    Leio Quatro-Rodas digital e compro todas as revistas na banca quando falta cerca de um ano para trocar de carro. Trocarei de carro provavelmente em julho. Quanto a falta de manutenção adequada do Kicks, penso que Quatro-Rodas deveria rodar com o carro da maneira que fora entregue na revisão, pois assim estaria simulando realmente a manutenção feita por usuário que não dispõe do Fábio Fukuda. Anotar, mas rodar com a manutenção realizada, a menos que a falha seja grosseira e possível ser observada por qualquer usuário. Assim Quatro-Rodas estria realmente contribuindo para a correta avaliação. Não basta ter um carro confiável se a manutenção é ruim.

  4. Carlos Minkap

    Será que precisaremos contratar um FABIO FUKUDA para nos proteger até mesmo das autorizadas ?
    Será que isto não é uma pratica comum em várias montadoras ? Não sei..agora realmente fiquei em duvida.
    Quatro Rodas com qual tinta se faz estas marcações ? Pretendo adorar este sistema ?

  5. arthur luiz melo bezerra

    O presidente da empresa (o tal do CEO) deveria vir a público pedir desculpas. E de joelhos no milho.