Longa Duração: o desmonte precoce do Fiat Mobi

Mal chegou aos 50.000 km e o Mobi quer pular direto para o desmonte: quebradas, várias peças plásticas de acabamento tiveram de ser trocadas

Mobi: peças repostas às vésperas da quinta revisão

Mobi: peças repostas às vésperas da quinta revisão (Alexandre Battibugli/Quatro Rodas)

Raras foram as vezes em que um carro de Longa Duração apresentou tantos problemas de acabamento em um intervalo de tempo tão curto quanto o Mobi: tampa de acesso ao plugue de diagnose (no lado esquerdo do painel), capas de acabamento dos passantes dos cintos de segurança dianteiros, tampão traseiro e respectivo suporte lateral. Tudo quebrado, um verdadeiro desmonte antecipado.

Pouco antes da revisão dos 50.000 km, entramos em contato com a concessionária Impéria, de Limeira (SP), e ouvimos: “Pode vir, todos os itens chegaram”, disse o rapaz do balcão de peças. Na Impéria, porém, descobrimos que o suporte lateral do tampão do porta-malas estava errado: enviaram o do lado direito.

Tampa do painel quebrada foi trocada

Tampa do painel quebrada foi trocada (Alexandre Battibugli/Quatro Rodas)

Capa do cinto teve que ser substituída

Capa do cinto teve que ser substituída (Alexandre Battibugli/Quatro Rodas)

O tampão também é novo, mas o seu suporte segue quebrado

O tampão também é novo, mas o seu suporte segue quebrado (Alexandre Battibugli/Quatro Rodas)

Mas tivemos uma compensação: na verdade, uma gentileza acertada ainda antes de descobrirmos o equívoco na encomenda. “A gente instala tudo rapidinho. Nem vou cobrar a mão de obra”, disse o rapaz que nos fez a venda.

Típica de cidades interioranas, essa gentileza cativa o consumidor da cidade grande. Só não agendamos a revisão dos 50.000 km ali mesmo, na própria Impéria, porque no Longa Duração evitamos fazer duas visitas a uma mesma concessionária. Na boca do caixa, pagamos a conta de R$ 212.

Fiat Mobi – 49.005 km

Consumo

  • No mês: 8,5 km/l com 61,2% de rodagem na cidade
  • Desde jul/16: 10 km/l com 23,5% de rodagem na cidade
  • Combustível: etanol

Gastos no mês

  • Combustível: R$ 371
  • Tampão traseiro: R$ 189
  • Tampa do painel: R$ 33
  • Capa dos cintos: R$ 12

Ficha técnica

  • Versão: Like On 1.0 Flex
  • Motor: 4 cilindros, dianteiro, transv,. 999 cm³, 8 V, flex, 75/73 cv a 6.250 rpm, 9,9/9,5 mkgf a 3.850 rpm
  • Câmbio: manual, 5 marchas
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Carlos Minkap

    Eles colocam estas porcarias plásticas e pior que vai uns como a QR e compra as peças. Deveriam ter exigido a garantia por usar material de péssima qualidade.

  2. roberley caetano correa

    desse jeito vai chegar so com volante na mao

  3. Imagina uma batida do Mobi, nem vai precisar de um reboque, basta uma caçamba para juntar os pedaços.

  4. E depois falam mal do carro chines , se for para comprar um 1.0 sub compacto , com certeza o new qq, por r$ 10.000.00 a menos com trio elétrico completo e ainda com um usb ..
    E depois falam mal do carro chines , custando r$10.000.00 a menos e com trio elétrico completo e usb , vou de new qq..

  5. andre sampaio

    Tinha que melhorar a qualidade do material com o mercado competitivo lançar carro com acabamento ruim nao dá ainda mais com preço alto carissimo por isso que Honda e Toyota lideram…

  6. Zigfrietz Tazogh

    Enquanto 4R fica contando mentiras a respeito do carro, ele se torna o sub-compacto mais vendido do Brasil, da Argentina e do México.

  7. Marco Antonio Cardoso Andrade

    Tá aí um carro que não me interessa. Apertado, design esquisito, acabamento de segunda e caro.

  8. Alex Moreira

    Depois o brasileiro, que se diz esperto, fala mal dos carros chineses, franceses, koreano. Nem carro 100% nacional o Brasil tem, para nós só vendem tranqueira.

  9. Paulo Sanches

    Acredito que seria “importante” a QR suspender realmente o teste do MOBI, pois o próprio nome do teste já diz tudo: LONGA DURAÇÃO , e o Mobi já falhou neste quesito, a suspensão daria Ainda MAIS Credibilidade ao teste da QR. E mais a QR deve “bater”com força no Ônix que teve um resultado pior que muito carro Chinês nos testes da LatinCap.