Grandes Brasileiros: Fiat Tempra Stile

O excelente Tempra turbinado foi vítima de abuso pelos donos. Isso quase lhe custou a fama

Turbo exclusivo no Brasil, à altura do Lancia Dedra e Alfa Romeo 155

Turbo exclusivo no Brasil, à altura do Lancia Dedra e Alfa Romeo 155 (Xico Buny/Quatro Rodas)

Até o final dos anos 80, um estigma pairava sobre os Fiat fabricados no Brasil. Modelos como o 147 e o Uno eram lembrados pelo câmbio de engates duros.

E por exigirem conhecimentos específicos na manutenção, problemas que renderam uma injusta percepção. A imagem da casa de Turim mudaria completamente em 1995, com a chegada do Tempra Stile.

Apresentado em 1991, o Tempra foi o primeiro modelo ítalo-mineiro a sepultar a má fama da transmissão, com engates macios e precisos.

Compartilhado com a Lancia desde 1966, o motor Bialbero Lampredi trazia duplo comando de válvulas, evidenciando o degrau entre o Tempra e projetos defasados como o do Monza, Santana e Versailles.

Àquele bloco só faltava desempenho, pois o quatro-cilindros de 2 litros era limitado a 99 cv e 16,4 mkgf. Em 1993, veio o cabeçote com quatro válvulas por cilindro, primazia nacional. Os 127 cv o levavam aos 191,5 km/h e o 0 a 100 km/h era feito em 10,54 s.

O quatro-cilindros era uma evolução do motor dos anos 60

O quatro-cilindros era uma evolução do motor dos anos 60 (Xico Buny/Quatro Rodas)

O Fiat tinha freios a disco nas quatro rodas e rivalizava com o Omega CD 3.0 pelo posto de carro nacional mais moderno e completo.

O Stile mudou a imagem da Fiat ao garantir a supremacia do Tempra. O Bialbero Lampredi de oito válvulas passou a ser sobrealimentado com um turbo Garrett T3, com resfriador de ar e injeção eletrônica.

Seu desenvolvimento levou cerca de 18 meses e contou com a ajuda de engenheiros italianos para adequá-lo à qualidade da gasolina brasileira.

Comparado ao Tempra 16V, o Stile tinha freios readequados aos novos números de torque e potência. E só: a eletrônica se resumia ao ABS (opcional) e não havia nem sombra dos controles de tração e estabilidade, exigindo certa habilidade para domá-lo logo que o ponteiro do manômetro de pressão do turbo chegava à escala vermelha.

O Stile mudou a imagem da Fiat ao garantir a supremacia do Tempra

O Stile mudou a imagem da Fiat ao garantir a supremacia do Tempra (Xico Buny/Quatro Rodas)

A suspensão era readequada ao desempenho: molas e amortecedores com maior carga, barras estabilizadoras mais grossas e cambagem negativa das rodas dianteiras para conter a fúria do turbocompressor.

Seu comportamento era típico dos turbinados: pacato em baixas rotações e explosivo a partir das 3.000 rpm. O câmbio ficava ainda melhor com a substituição do comando a varão por cabos de aço e embreagem de acionamento hidráulico – um sinal evidente de modernidade.

Apesar do atraso na resposta, o assobio característico da turbina soprando a 0,8 kg/cm2 era o prenúncio dos repentinos 26,5 mkgf de torque. Com 165 cv, ele perdia apenas para o irmão Tempra Turbo em números absolutos.

Rodas de 14" deram lugar ao aro 15 em 1997

Rodas de 14″ deram lugar ao aro 15 em 1997 (Xico Buny/Quatro Rodas)

Enquanto o cupê ia a 212,8 km/h e acelerava de 0 a 100 km/h em 8,23 s, o Stile apresentava um desempenho ligeiramente mais discreto: 210,9 km/h de velocidade máxima e 9,0 s na prova de aceleração.

Mas era o suficiente para que os proprietários provocassem os Audi, Mercedes, BMW e outros importados pelas estradas. Outra vantagem da sobrealimentação eram as excelentes médias de consumo: o alto desempenho vinha acompanhado de um consumo médio de 8,9 km/l na cidade e 12,6 km/l na estrada.

Era mais econômico que o Tempra 8V (8,7 km/l na cidade e 10,7 km/l na estrada) e que o Tempra 16V (8,5 e 11,61 km/l em ambos os regimes de trabalho).

Completo, o painel monitorava a pressão e a temperatura do óleo lubrificante, trazendo ainda check control e computador de bordo. Entre os opcionais, estavam o sistema de ar-condicionado (digital), bancos dianteiros elétricos, toca-CD e revestimento de couro nos bancos e aro do volante.

Interior desenhado por Franco Mantegazza. O quatro-cilindros era uma evolução de motor dos anos 60

Interior desenhado por Franco Mantegazza. O quatro-cilindros era uma evolução de motor dos anos 60 (Xico Buny/Quatro Rodas)

Nas fotos está o Stile 1995 do paulistano Victor Souza: “É um dos poucos que restaram com a injeção original Bosch, que não tem peças de reposição”. A opinião é compartilhada por Luiz Fernando Rodrigues, fundador do Tempra Clube: “Era um prazer comprar peças que vinham em embalagens da Lancia”.

Mas Rodrigues faz uma ressalva sobre os donos: “O carro não dava manutenção, mas muitos aumentavam a pressão do turbo para queimar etanol. Por isso os Stile foram quase extintos”.

O Stile 1996 recebeu faróis com duplo refletor e novas lanternas traseiras. Em 1997, ele foi rebatizado Turbo Stile, com rodas aro 15, pneus 195/55 e bancos de couro bege.

Saiu de linha sem receber as atualizações do Tempra 1998, mas foi sucedido pelo Marea Turbo em 1999. Desde então, a Fiat deixou de ser sinônimo de carrinhos pequenos com transmissão dura.

Ficha técnica – Tempra Stile 1995

  • Motor: transv., 4 cil. em linha, 1.995 cm3, comando de válvulas duplo, inj. eletrônica, 165 cv a 5.250 rpm, 26,5 mkgf a 3.000 rpm
  • Câmbio: manual de 5 marchas, tração dianteira
  • Dimensões: comprimento, 435 cm; largura, 169 cm; altura, 145 cm; entre-eixos, 254 cm; peso, 1.275 kg
Veja também
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Costumo ver estas porcarias abandonados em ruas