Clique e assine por apenas 8,90/mês

Peugeot 3008 1.6 THP Griffe: tradução completa

Nova geração do 3008 tem visual bonito, interior confortável, um generoso pacote de equipamentos e desempenho superior

Por Paulo Campo Grande - Atualizado em 11 set 2017, 16h05 - Publicado em 9 set 2017, 11h09
O novo 3008 perdeu um pouco do ar de minivan e assumiu de vez o estilo SUV
O novo 3008 perdeu um pouco do ar de minivan e assumiu de vez o estilo SUV Leo Sposito/Quatro Rodas

Tomados pelo desejo e pela necessidade de sucesso, funcionários das fábricas costumam pesar a mão ao falar dos atributos dos carros.

Jornalistas que sabem disso, por sua vez, cuidam de pegar leve em relação ao que ouvem. No caso do novo Peugeot 3008 não foi diferente.

Mas, no primeiro contato que tive com o carro, à medida que ia observando suas características, eu me lembrava das palavras do pessoal da Peugeot e era forçado a concordar com eles.

Os executivos falavam em “estilo impactante” e, de fato, o visual do 3008 impressiona ao vivo.

As lanternas divididas em três seções, duas delas na tampa
As lanternas divididas em três seções, duas delas na tampa Leo Sposito/Quatro Rodas

Externamente, ele é bem trabalhado, com vários elementos, mas ao mesmo tempo compacto e sem exageros que agridem o olhar, como ombros largos demais. Por dentro, o design é mais impactante.

Continua após a publicidade
Cabine i-Cockpit (que envolve o motorista)
Cabine i-Cockpit (que envolve o motorista) Leo Sposito/Quatro Rodas

Antes de dar a partida, gastei longos minutos só observando painel, banco, porta e experimentando os dispositivos a bordo. Tateei o friso que ladeia o console e senti a superfície fria (sinal de que é alumínio mesmo), ao contrário dos demais frisos, como nas saídas de ar, que estavam na temperatura ambiente (indicando que são de plástico).

Usando tato e olfato, atestei que os bancos são revestidos de couro legítimo, coisa cada vez mais rara no segmento do 3008, e que no painel há uma faixa de tecido, na cor cinza, de bom gosto e agradável ao toque.

Bancos de couro vêm com massageador
Bancos de couro vêm com massageador Leo Sposito/Quatro Rodas

Atrás, cabem três adultos com conforto. Os assentos têm altura adequada, os encostos têm inclinação correta, o espaço para as pernas é suficiente para pessoas de estatura mediana e há recursos com iluminação e saídas de ar-condicionado.

Há cinto de três pontos para todos
Há cinto de três pontos para todos Leo Sposito/Quatro Rodas

O porta-malas é amplo: leva 521 litros, sem rebater o banco traseiro bipartido.

Porta-malas tem piso que se nivela com rebatimento dos bancos
Porta-malas tem piso que se nivela com rebatimento dos bancos Leo Sposito/Quatro Rodas

O 3008 será oferecido somente na Griffe, a R$ 139.990. Será mais caro que rivais como Jeep Compass 2.0 Limited (R$ 129.990) e Hyundai New Tucson (R$ 138.900).

Continua após a publicidade

No lançamento, porém, ele terá preço promocional de R$ 135.990 (no período que vai de 20 de junho a 30 de julho). Entre os itens de série, o painel de instrumentos digital rouba a cena com sua tela de 12,3 polegadas.

Mas, em concordância com o discurso dos executivos que anunciaram um carro “recheado de equipamentos”, o Peugeot tem mais para mostrar.

Indo diretamente para a lista de equipamentos de série, o 3008 vem com central multimídia (compatível com os sistemas Apple e Android), recarga de celular por indução, ar-condicionado dual zone, bancos dianteiros elétricos com massageador e teto solar panorâmico, entre os itens de conforto.

Conta-giros tem varredura no sentido anti-horário
Conta-giros tem varredura no sentido anti-horário Leo Sposito/Quatro Rodas

No que diz respeito à segurança, a lista segue com seis airbags, ESP, assistente de partidas em rampas e faróis full led.

Depois de conferir o conteúdo, saí com o SUV e ele continuou a fazer boa figura. Ainda no estacionamento, a alavanca de câmbio em forma de joystick causa um certo estranhamento, mas é simples de usar: fixa na base, é só incliná-la para a frente e para trás.

Continua após a publicidade
câmbio joystick traz modernidade ao interior
câmbio joystick traz modernidade ao interior Leo Sposito/Quatro Rodas

O volante pequeno e achatado na base e no alto do aro logo se mostrou rápido e fácil de manusear. Rodando pela cidade, notei que a direção elétrica fica mais firme com o aumento da velocidade, enquanto a suspensão proporciona um rodar macio e silencioso (desde que o motorista se mantenha longe dos buracos).

Os engenheiros calibraram o 3008 para que se comportasse como um automóvel e não como um SUV típico. Apesar das rodas grandes (aro 19), o motorista não se sente montado sobre os quatro pneus, como acontece em um SUV convencional.

Ao volante do 3008, não fosse a posição de dirigir elevada, ficaria fácil confundir sua tocada com a de um cupê. A calibração da direção me lembrou a do Fiat Toro, com sua relação direta.

E a da suspensão me pareceu a do Audi RSQ3, com curso bastante curto para um SUV. Faltou só um pouco mais de rigidez torcional à carroceria para que o 3008 se aproximasse ainda mais de um SUV esportivo, como é o caso do RSQ3.

O 3008 traz o motor 1.6 THP, com turbo, injeção direta de gasolina e 165 cv de potência (na versão flex que equipa o sedã 408, esse motor rende 166 cv com gasolina e 173 cv com etanol). O câmbio automático de seis marchas tem opção de trocas no modo manual no volante.

Continua após a publicidade

Na pista de testes, o 3008 correspondeu às expectativas criadas sobre seu comportamento, com boas marcas nas provas de desempenho. Foi de 0 a 100 km/h em 9,8 s e retomou de 60 a 100 km/h em 5,4 s – é melhor que o Compass 2.0 (166/159 cv), que fez 12,3 s e 6,8 s, respectivamente.

E conseguiu isso sem fazer feio no consumo, com médias de 10,2 km/l na cidade, e 13,8 na estrada (ante 8,0 e 11,0 do Jeep). Na hora de frear, vindo a 80 km/h, precisou de 28,0 m para parar (o Compass fez 29,5 m).

Apesar de tantas virtudes, o Peugeot não é perfeito. Por um problema de aerodinâmica, a água da chuva corre pelos vidros laterais e dificulta a visibilidade dos retrovisores.

Na cabine, a parte inferior do painel à esquerda do volante é de plástico duro, contrastando com o material emborrachado do restante.

Comandos por teclas dão tom futuristas
Comandos por teclas dão tom futurista. No fundo do console, sistema de carregamento de celular por indução Leo Sposito/Quatro Rodas

E, na unidade avaliada, havia peças desalinhadas, como o friso de alumínio do console (que formava um pequeno degrau na junção com a parte de plástico), e o friso cromado acima do porta-luvas não encontra com a sua continuação na porta.

Continua após a publicidade

No lançamento, o 3008 terá uma oferta especial: os 30 primeiros compradores ganharão um patinete elétrico da marca. Porém, todos eles já foram vendidos. A Peugeot diz que o brinde mostra o compromisso com as formas alternativas de transporte individual para o futuro.

Veredicto

O 3008 é bonito por fora e por dentro, anda bem, gasta pouco e tem preço interessante no segmento.

Teste (com gasolina)

Aceleração de 0 a 100 km/h: 9,8 s
Aceleração de 0 a 1.000 m: 31 s – 168,6 km/h
Velocidade máxima: 206 km/h*
Retomada de 40 a 80 km/h: 4,3 s (em D)
Retomada de 60 a 100 km/h: 5,4 s (em D)
Retomada de 80 a 120 km/h: 6,9 s (em D)
Consumo urbano: 10,2 km/l
Consumo rodoviário: 13,8 km/l

Ficha técnica – Peugeot 3008 THP Griffe

Preço: R$ 135.990
Motor: gas., diant., long., 4 cil., 16V, turbo, injeção direta, 1.598 cm3; 165 cv a 6.000 rpm, 24,5 mkgf 1.400 rpm
Câmbio: automático, 6 marchas, tração dianteira
Suspensão: McPherson(dianteira) / eixo de torção (traseira)
Freios: discos ventilado (dianteira) e sólido (traseira)
Direção: elétrica
Rodas e pneus: liga leve, 235/50 R19
Dimensões: comprimento, 444,7 cm; largura, 190,6 cm; altura, 162,5 cm; entre-eixos, 267,5 cm; peso, 1.567 kg; tanque, 53 l

Publicidade