Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Hyundai Santa Fe 3.3

A chegada do renovado SUV aposenta a antiga geração e também o irmão maior

Por Péricles Malheiros | Fotos Christian Castanho Atualizado em 9 nov 2016, 01h23 - Publicado em 12 ago 2013, 23h58
testes

Em mercados como o brasileiro e o europeu, os SUVs da Hyundai têm importância estratégica – nos Estados Unidos, são os seus sedãs que fazem muito sucesso. Agora a Hyundai está reformulando sua linha de utilitários, composta por aqui por Tucson, ix35, Santa Fe e Veracruz. Com a nova geração, a Hyundai vai substituir de uma só vez não somente o atual Santa Fe, mas também o grandalhão Veracruz.

De acordo com o Grupo Caoa, responsável pela comercialização dos Hyundai importados no Brasil, será adotado o mesmo padrão de vendas do mercado sul-coreano, com duas versões. A primeira, mais simples, terá cinco lugares, e a segunda, sete lugares e um pacote mais completo de equipamentos. Construído sobre a mesma plataforma do Sonata, nos Estados Unidos o Santa Fe de cinco lugares tem 2,70 metros de entre-eixos e o de sete, 2,80 metros. Por lá, muda também a zona de balanço, a área de carroceria além dos eixos dianteiro e traseiro. Aqui, teremos somente a carroceria curta. Solicitamos um Santa Fe à Caoa, que, apesar de reconhecer o início da pré-venda e até a entrega de carros do primeiro lote, disse não ter um exemplar para avaliação da imprensa. Com a ajuda do repórter visual Eduardo Campilongo, localizamos um Santa Fe de cinco lugares na loja paulistana M10 Multimarcas, que, diferentemente do importador, topou o empréstimo.

Pista liberada

Em nosso campo de provas, em Limeira (SP), realizamos um teste expresso, com um número menor de passagens em cada avaliação – a pedido da M10, o teste não poderia exceder 30 km. Ainda assim, os resultados foram parecidos com os dados divulgados no site internacional da marca. Em 2011, a Hyundai trocou o V6 2.7 por um 3.5, promovendo um salto de potência de 200 para 285 cv. Agora o V6 encolheu no tamanho (de 3.5 para 3.3) e na potência (de 285 para 270 cv). Não imagine, porém, que o regime tirou fôlego da nova geração do Santa Fe. Para acelerar de 0 a 100 km/h, por exemplo, o SUV não precisou de mais do que 8,9 segundos. Seu concorrente da Chevrolet, o Trailblazer V6, cumpriu a prova em 10 segundos. A vantagem se manteve nas provas de retomada (40 a 80, 60 a 100 e 80 a 120 km/h): 3,6/4,7/5,9 segundos o Hyundai e 4,6/5,6/7,8 segundos o GM. Apenas nas provas de consumo há algum equilíbrio: o Santa Fe com 7 km/l na cidade e 11,4 km/l na estrada e o Trailblazer com, respectivamente, 7,3 e 9,7 km/l.

Com baixo índice de vibração, motor e câmbio mostram requintes de construção. O V6 tem variador de fase nos comandos das válvulas de admissão e escape e a transmissão conta com sistema auxiliar de aquecimento do lubrificante. Segundo a marca, o controle preciso da temperatura do óleo favorece a diminuição do consumo de combustível, sobretudo na fase fria. A função Active ECO tem a mesma proposta: basta pressionar a tecla no painel à esquerda do volante para ativar os mapas eletrônicos mais “mansos” de controle do motor e do câmbio. A tração integral é do tipo automática: ao motorista, basta colocar o Santa Fe numa situação de baixa aderência para sentir um envio de torque para as rodas com maior contato com o solo. O sistema, dotado de uma embreagem multidiscos acionada eletro-hidraulicamente, se mostra útil não apenas no uso off-road, mas também no contorno de curvas de grande raio, quando atua em conjunto com o controle de estabilidade.

A grande família

O valor que separa o Hyundai Santa Fe de cinco lugares do de sete é quase o de um carro popular: 20 000 reais, sendo 142 000 e 162 000 reais, respectivamente. Além dos dois bancos extras, o pacote inclui airbags laterais e do tipo cortina, bancos com revestimento de couro, teto solar elétrico, faróis de xenônio direcionais, faróis e lanternas com led e banco do passageiro com ajuste elétrico – o do motorista é de série inclusive no de cinco lugares. O gerente de uma grande concessionária Caoa paulistana diz: “No início, o efeito novidade permitirá um bom número de vendas do modelo topo de linha, mas em pouco tempo o Santa Fe de cinco lugares deverá assumir pelo menos 75% do mix”. A mesma fonte antecipa outra novidade na família: “Até o fim do ano chegará o Grand Santa Fe, apenas com sete lugares e carroceria e entre-eixos maiores. Esse, sim, tem porte para substituir o Veracruz”.

De série, o novo SUV oferece airbag duplo, ABS com controle de freio em curva (CBC) e em descida (DBC), controles de estabilidade (ESP) e tração (TCS), ar-condicionado digital, sistema multimídia (CD, MP3, GPS, DVD, Bluetooth e câmera de ré) com oito alto-falantes, um subwoofer e dois tweeters e chave presencial.

Avaliado no teste do Euro NCAP na versão de cinco lugares – mas com os itens de segurança complementares que por aqui só estão disponíveis no de sete -, o Santa Fe obteve nota máxima (cinco estrelas). Se a ausência dos bancos extras tira parte da versatilidade do modelo de cinco lugares, por outro lado se destaca a vastidão do porta-malas: são 585 litros de volume, ante pífios 178 litros do Santa Fe com os sete lugares armados.

GENTE OU BAGAGEM Em seus lugares

A utilização simultânea de todos os assentos do Santa Fe leva a uma redução drástica do porta-malas, com o volume disponível caindo de 585 litros (cinco lugares armados) para apenas 178 litros. A questão deve se resolver com a chegada do Santa Fe “alongado”, que mesmo com os bancos extras armados reserva 382 litros de espaço para a bagagem da família.

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO

Apoiada sobre um conjunto de suspensão bem acertado, a carroceria balança menos que a do Trailblazer e é mais confortável que a da Hilux SW4.

★★★★

MOTOR E CÂMBIO

Se a ideia é blindar, o motorista sentirá falta de um motor maior e com mais torque. Na estrada, o baixo consumo é o destaque.

★★★★

CARROCERIA

A nova geração sacode a poeira do Santa Fe, mas a dica para quem sai do grandalhão Veracruz é esperar pela versão alongada.

Continua após a publicidade

★★★★

VIDA A BORDO

Materiais de boa qualidade tátil e visual, montagem esmerada, layout bonito e ergonômico e um bom pacote de equipamentos de série tornam a cabine do Santa Fe um bom lugar para reunir a família.

★★★★

SEGURANÇA

Aprovado no Euro NCAP, o SUV se mostra extremamente seguro. Pena que por aqui os airbags laterais e do tipo cortina sejam opcionais.

★★★★☆

SEU BOLSO

Se valer a tradição dos Hyundai importados, o Santa Fe deve sofrer uma redução de preço em poucos meses. Ou seja, a compra no calor do lançamento é desaconselhada.

★★★

OS RIVAIS Trailblazer

645_santafe_10.jpeg

Custa menos: 133 000 reais. É tocado por um V6 3.6 de 239 cv e um câmbio automático de seis marchas.

Hilux SW4

645_santafe_11.jpeg

O toyota tem opções que vão de 110960 reais (2.7 flex de 163 cv manual) a 182820 (3.0 diesel de 171 cv automático).

VEREDICTO

A geração antiga do Santa Fe era bem mais barata. Despediu-se custando 97000 e 109000 reais, de cinco e sete lugares, respectivamente. Muito mais caro, o novo só é bom negócio para quem faz questão de novidade.

Continua após a publicidade

Publicidade