Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Este motorhome 4×4 tem base de Unimog, energia solar e capta água da chuva

Ao volante de um veículo de expedição, como este Unimog, a sensação é de que não existem limites para viajar e explorar novos lugares no planeta

Por Paulo Campo Grande Atualizado em 27 out 2021, 15h44 - Publicado em 21 out 2021, 16h55

Motorhomes são para quem tem espírito aventureiro. Mas, dependendo do quão aventureiro, não é qualquer motorhome que vai satisfazer a vontade de viajar e explorar lugares novos que até hoje poucos visitaram. Para esse tipo de desafio é necessário o que os especialistas chamam de “veículo de expedição”, como o Unimog mostrado aqui. Confira o vídeo:

Como é costume nesse mercado, quem quer um motorhome ou um veículo de expedição compra o carro e o entrega para uma empresa responsável por instalar a casa e os implementos.

Assine a Quatro Rodas a partir de R$ 12,90

Foi assim com este Unimog, escolhido pelo feliz proprietário por conta das características de robustez. O Unimog nasceu como veículo multiúso, como alternativa a tratores para trabalhos no campo. Seu nome é a abreviação de Universal-Motor-Gerät, em alemão.

UNIMOG Estrella-Mobil
O ângulo de ataque é de 46o, o de saída é de 57o e o vão livre mede 49,5 cm Fernando Pires/Quatro Rodas

Ou Máquina Motorizada Universal, em português. Mas, em função de sua desenvoltura em terrenos acidentados, ele passou a servir em outras áreas como a militar e a construção civil, além das expedições.

Seu projeto e primeira geração, de 1946, foi feito pela alemã Boehringer Bros., adquirida pela Daimler-Benz, que, desde o início, em 1950, lhe fornecia os motores.

A unidade mostrada aqui é um modelo U 1750 1984, que o proprietário comprou de uma empresa especializada em Unimog usados, da Austrália. A placa conservada no lado esquerdo do capô foi sua licença original.

UNIMOG Estrella-Mobil
A casa tem todas as facilidades para um casal acostumado a viver em espaços pequenos, sem desperdícios Fernando Pires/Quatro Rodas
UNIMOG Estrella-Mobil
Fernando Pires/Quatro Rodas

Como são relativamente baratos, quase indestrutíveis e de fácil manutenção (porque seus motores são mais simples que os dos atuais), os Unimog usados têm comércio sempre aquecido, encontrando compradores em qualquer parte do mundo.

Este exemplar das fotos custou R$ 150.000, segundo o dono, enquanto um 0-km, versão U 5023 básico, não sai por menos de US$ 250.000, cerca de R$ 1.300.000. O preço de um veículo de expedição pode variar em razão do modelo em que é montado e dos equipamentos instalados.

Considerando que uma transformação básica custa cerca de R$ 450.000, um Unimog como o das fotos parte de R$ 600.000, segundo Julio Lemos, que é o responsável do projeto feito pela fabricante de motor-homes Estrella-Mobil.

unimog estrella-mobil
A reserva de energia, nas baterias de íons de lítio, e de água, na caixa de 360 litros, pode ser monitorada por um painel Fernando Pires/Quatro Rodas

Falando ainda do U 1750, seu motor é o Mercedes OM352A, de seis cilindros diesel turbo, com preparação que, segundo o proprietário, gera 200 cv de potência e 52 kgfm de torque. O câmbio tem 16 marchas, 8 para a frente e 8 para trás. Para inverter o sentido, existe um seletor localizado próximo à alavanca de mudanças

. E a tração 4×4 conta com três diferenciais, dianteiro, traseiro e central, que podem ser bloqueados por meio de um contole no painel. Os eixos (do tipo portal) possuem engrenagens nas pontas para fazer a ligação com as rodas, de modo que possam ser deslocados para cima, afastando o diferencial do piso.

Continua após a publicidade

Assim, o vão livre do veículo chega a 49,5 cm de altura. O ângulo de ataque é de 46 graus e o de saída, 57 graus. O chassi, que também é característico dos Unimog, é de torção, o que permite que os eixos se adaptem ao relevo, enquanto a casa montada sobre trapézios permanece nivelada.

unimog estrella-mobil
No teto há painéis solares e captação de água da chuva Fernando Pires/Quatro Rodas

As intervenções feitas pela Estrella–Mobil começam já no para-choque dianteiro, onde foi instalado um guincho hidráulico com capacidade para 15 toneladas. No alto da cabine, há dois grupos de leds e mais acima ainda, um rack onde fica o estepe, que é retirado com a ajuda de um braço mecânico.

Na traseira há outro guincho, este de 10 toneladas, e uma plataforma elevatória hidráulica para uma moto. Todos os demais equipamentos fazem parte da casa.

Do lado esquerdo há compartimentos onde ficam um gerador elétrico, tanques de combustível para o gerador e uma área de acesso aos dispositivos hidráulicos da casa (chuveiro e reservatórios de água limpa e suja). O lado direito é o mais funcional.

unimog estrella-mobil
Gerador garante energia Fernando Pires/Quatro Rodas

É nele que ficam as entradas de água e luz, quando o veículo é estacionado em um camping, um conjunto de pia e fogão externo, um toldo elétrico e também a área de acesso aos dispositivos elétricos (ar–condicionado, aquecedor, baterias, conversor de tensão etc.).

Por dentro, a casa foi pensada para acomodar duas pessoas acostumadas a viver em espaços reduzidos, como o casal de proprietários que já viajou o mundo em um veleiro. A estrutura oferece conforto sem desperdício de recursos, economia necessária principalmente em lugares ermos, quando não existe infraestrutura de apoio.

Por isso, toda energia é racionada. As paredes, assim como as janelas, têm isolamento térmico, para evitar o uso de ar-condicionado. Existe uma claraboia para aproveitar a iluminação natural e, no banheiro, as fezes são incineradas, para economizar água.

unimog estrella-mobil
Transmissão 4×4 tem três diferenciais que podem ser bloqueados. Eixos são do tipo portal. Motor turbo diesel tem seis cilindros Fernando Pires/Quatro Rodas

De acordo com o dono do motorhome, com o tanque de 360 litros de água limpa o casal consegue passar 20 dias. Sobre o teto da casa, há placas eletrovoltáicas e dutos de captação de água da chuva. A bordo, não faltam fogão elétrico, geladeira, máquina de lavar roupa, pia com água quente e fria, ar-condicionado, TV e armários.

Dirigir este Unimog é como dirigir um caminhão raiz dos anos de 1980, como de fato ele é. A direção é pesada. A embreagem exige esforço. E a alavanca do câmbio precisa ser conduzida.

Mas seu motor tem muita força e a impressão é de que nada pode deter o motorista enquanto houver algum tipo de piso sob as rodas. Essa sensação compensa todo o incômodo inicial. O interior da cabine é típico dos caminhões Mercedes. É fácil reconhecer pelo grafismo dos instrumentos.

unimog estrella-mobil
Desde 1950, os Unimog são produzidos pela Daimler, dona da Mercedes-Benz Fernando Pires/Quatro Rodas

Os únicos comandos estranhos são os dos equipamentos que surgiram na adaptação para as expedições. Há dois botões on/off para lâmpadas led, instaladas na dianteira e na traseira, um rádio de comunicação e uma moderna central multimídia no painel.

Nosso test-drive ocorreu nas imediações da fábrica da Estrella-Mobil, que fica em Santa Branca (SP), com direito a trechos urbanos, estrada de asfalto e de terra. Nos trechos urbanos, o Unimog ficou pouco à vontade, por conta das dimensões. A visibilidade para a lateral é limitada. Mas, na estrada, ele entra em seu habitat.

O desempenho é modesto porque o Unimog demora a converter sua força em velocidade. Nada além do esperado. Quem faz longas expedições, normalmente, não tem pressa e acha tão importante a jornada quanto a chegada.

unimog estrella-mobil
Plataforma traseira leva moto ou scooter Fernando Pires/Quatro Rodas

Veredicto

Pronto para qualquer terreno, com autonomia de água e luz, o Unimog Estrella- -Mobil tem o tamanho ideal para um casal.

Ficha técnica UNIMOG Estrella-Mobil

Motor: diesel, dianteiro, longitudinal, 6 cilindros, turbo, 1.995 cm3; 200 cv e 52 kgfm
Câmbio: manual de 16 marchas (8 para a frente e 8 para ré), tração 4×4, com três diferenciais blocantes
Direção: hidráulica
Suspensão: eixos rígidos
Freios: disco sólido
Pneus: 12 R22,5
Dimensões: compr., 510 cm; largura, 217 cm; altura, 265 cm; entre-eixos, 325 cm; peso, n/d; tanque, 90 l; ataque, 46o; saída, 57o; vão livre, 49,5 cm

Continua após a publicidade

Publicidade