Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Contas da carochinha

Por Redação 25 nov 2010, 15h13

50543 km

Na última edição, falamos que a revisão de 50 000 km do i30 prometia ser cara. Em vez de levá-lo outra vez à rede Caoa, que predomina na cidade de São Paulo, escolhemos a Dapevel, em Santos (SP). Por telefone, recebemos uma estimativa inicial de 1 863 reais pela revisão – sem incluir a troca dos pneus. Pedimos para incluí-los no pacote, imaginando que, ao preço médio de 500 reais, acrescentariam 2 000 reais. Foi uma surpresa receber o orçamento de 7 084 reais. Pela tabela Fipe, i30 tem hoje preço de mercado de 58 451 reais. Assim, a revisão custaria cerca de 12% do seu valor.

A clássica empurroterapia (líquido de limpeza de bicos e higienização do ar-condicionado) ajudou, mas o que turbinou o orçamento foram outros itens: só de pneus, 980 reais cada um. Detectaram também a necessidade de troca das pastilhas de freio. As dianteiras, por 481 reais; as traseiras, por 290 reais. Somando a mão de obra, de 190 reais, ficaríamos em 961 reais só com os freios. Antes de fecharmos o serviço, pesquisamos os preços das pastilhas em lojas e concessionárias (Caoa, inclusive) e encontramos as peças por 350 e 207 reais, respectivamente. Informada da situação, a Dapevel reviu seus preços e nos cobrou 350 e 295 reais. Não sem antes tentar fechar o pacote de serviços por 6 376 reais. Ainda era caro. Por comodidade, fechamos o serviço com a revenda santista, pedindo para eliminar a troca de pneus, a limpeza de bico e a higienização de ar-condicionado. O valor final da revisão, pelos nossos cálculos, ficaria em 2 590 reais devido às peças e à mão de obra, que seria de 911 reais (190 pelos freios e 721 pela revisão em si).

Pegamos gosto pela pesquisa de preços e achamos os pneus originais do i30 por 539 reais cada um na Dakar, no bairro do Limão, em São Paulo. Como o carro já tinha uma missão programada, tivemos pressa em retirá-lo da revenda. Na retirada, a primeira surpresa desagradável: o carro fora adesivado com o emblema da Dapevel sem nossa autorização. Na loja de pneus Dakar, descobriram um problema mais sério: o i30 voltou sem uma das porcas na roda dianteira esquerda e com uma delas espanada na dianteira direita. Na Dapevel, disseram que os defeitos já existiam ao aceitarem o carro, mas, como não tinham nada que comprovasse isso, assumiriam o conserto. A questão era o prazo: eles não tinham as porcas nem o prisioneiro da roda dianteira direita para trocar. Só poderiam sanar o problema uma semana depois.

Continua após a publicidade

Propusemos a solução: repor as porcas e trocar o prisioneiro em alguma revenda de São Paulo. A Dapevel assumiria a conta. Tudo correu bem e o i30 partiu em mais uma missão rumo ao norte do Brasil, viagem que deve deixá-lo quase pronto para o desmonte.

Quando recebemos a fatura da revisão, verificamos que a mão de obra não custava 721, mas 603 reais. Os 118 reais de diferença ficaram por conta do kit Dapevel (40 reais), que inclui detergente para a água do limpador de para-brisa, lubrificante nas dobradiças das portas e o saquinho de lixo preso ao câmbio, limpeza de bico (60 reais) e uma segunda correia poli-V (42 reais), não mencionada no primeiro orçamento, mas efetivamente trocada. Isso daria 142 reais que não constavam do orçamento original, mas o valor caiu porque as pastilhas de freio saíram por menos do que haviam nos dito: 335 reais, as dianteiras, e 286, as traseiras. Seriam 24 reais de desconto, não fosse outro detalhe: quando recebemos as peças, as pastilhas trocadas pareciam novas. Aguentariam ao menos mais 5 000 km. Foi uma substituição preventiva, mas vendida como necessária quando seria apenas recomendável.

Consumo

No mês (15,1% na cidade): Gasolina – 10,3 km/l

Desde dez/09 (25,7% na cidade): Gasolina – 9,9 km/l

Continua após a publicidade

Publicidade