Clique e assine por apenas 8,90/mês

Comparativo: Mercedes-Benz Vito enfrenta Citroën Jumpy

Compactas e modernas, as novas vans de entrada unem praticidade da Kombi com o bom rendimento do turbodiesel. Mas quem leva a melhor com e sem carga?

Por Henrique Rodriguez - Atualizado em 11 ago 2018, 13h55 - Publicado em 10 ago 2018, 14h00
Vito x Jumpy
A semelhança entre Vito e Jumpy vai além do visual espartano Christian Castanho/Quatro Rodas

Nem tão pequena quanto um Fiat Fiorino nem tão grande quanto um Renault Master. A Volkswagen Kombi pode ser dirigida por qualquer motorista e entra e sai de qualquer estacionamento sem dificuldades. Só tem um problema: ela deixou de ser produzida em 2013.

A solução é recorrer ao Mercedes-Benz Vito ou aos gêmeos Citroën Jumpy e Peugeot Expert. Parecem e são um pouco maiores. Mas também são mais modernos, versáteis e, de certa forma, mais eficientes.

Tentamos descobrir qual desses furgões é mais fiel aos princípios do pão de fôrma ambulante da Volkswagen.

Mercedes Vito
Vito tem caine mais baixa e próxima dos carros de passeio Christian Castanho/Quatro Rodas

O Citroën Jumpy representa o lado francês. Com exceção da frente e dos logotipos, é exatamente igual ao Peugeot Expert. Têm, inclusive, os mesmos custos de aquisição e manutenção.

Repetem a redundância que já existiu entre o Jumper e o Boxer para estar presente em cidades onde só uma das marcas tem loja.

Citroën Jumpy
Jumpy é baseado na mesma plataforma EMP2 do C4 Picasso Christian Castanho/Quatro Rodas

Tanto o Jumpy como o Expert são montados no Uruguai pela Nordex – que também monta o Kia Bongo. O Citroën ainda tem versão de passageiros, com 11 lugares – contra oito da versão familiar do Vito.

Continua após a publicidade

O motor é sempre um 1.6 turbodiesel de 115 cv e 30 mkgf a 1.750 rpm, com câmbio manual de seis marchas e tração dianteira.

Citroën Jumpy
Motor 1.6 turbodiesel do Jumpy tem 115 cv e 30 mkgf, ou 1 cv e 2,5 mkgf a mais que o Vito. Mas a força máxima vem a 1.750 rpm contra 1.500 rpm Christian Castanho/Quatro Rodas

O Mercedes Vito tem mais tempo de Brasil. Chega da Argentina em duas configurações desde 2015: a 119 Tourer, de passageiros, com motor 2.0 turbo flex de 184 cv e tração traseira, e a 111 Furgão, com motor 1.6 turbodiesel de 114 cv e 27,5 mkgf a 1.500 rpm, câmbio manual de seis marchas e tração dianteira.

Mercedes Vito
Motor do Vito não é o mais potente nem o mais eficiente. Mas perdeu menos desempenho que o do Jumpy quando testado com lastro de 500 kg Christian Castanho/Quatro Rodas

Não os subestime. Vito e Jumpy têm carroceria monobloco, como a Kombi. É uma arquitetura mais leve que a de carroceria sobre chassi, usada em vans grandes, como Mercedes Sprinter e Fiat Ducato.

O conjunto independente com braço semiarrastado usado nas vans menores garante melhor dinâmica e rodar mais confortável que o eixo rígido das maiores. Elas estão mais próximas dos carros de passeio do que parece.

Mercedes Vito
Vito usa o comando de seta e a chave de faróis do Mercedes Classe C. O assoalho não é plano como o do Citroën Jumpy Christian Castanho/Quatro Rodas

A van franco-uruguaia é baseada na plataforma modular EMP2, mesma dos Citroën C4 Picasso e Peugeot 3008. Mas não espere encontrar semelhanças entre eles ao volante.

O motorista não senta tão relaxado, dirige com as pernas a 90o e diante de um volante sensivelmente deslocado para a direita, assim como os pedais.

Continua após a publicidade

O Mercedes Vito tem motivo para ficar mais próximo dos automóveis. Alguns componentes vêm dos Classe A e C, caso dos comandos de vidros, de faróis e de setas, e o do ar-condicionado, emprestado das versões básicas vendidas na Europa.

Citroën Jumpy
Jumpy tem volante e pedais deslocados para direita Christian Castanho/Quatro Rodas

Além disso, o motorista fica em posição mais baixa, perto dos carros, e pedais e volante estão centralizados. Por fim, o câmbio manual de seis marchas do Vito é mais preciso e tem manuseio mais confortável que o do Citroën.

Será que entrega?

A função dos dois modelos é transportar carga. Os projetos modernos garantem boa capacidade de carga: são 1.500 kg no Citroën e 1.225 kg no Mercedes.

As dimensões do compartimento de carga do Jumpy são pouco maiores que as do Vito, com exceção para o vão entre as caixas de roda, 12 cm maior no Mercedes.

Mercedes Vito
Tampa tem abertura vertical, que necessita de mais espaço para ser aberta Christian Castanho/Quatro Rodas
Mercedes Vito
Assoalho do Vito é revestido de fibra, que evita arranhões e permite arrastar a carga. Christian Castanho/Quatro Rodas

Enquanto o Vito tem um pequeno vão que avança sob os bancos, o Jumpy tem um alçapão sob o banco do carona que permite invadir o piso da frente.

Assim, é possível carregar objetos com até 4 metros, solução criativa típica dos franceses. 

Continua após a publicidade
Citroën Jumpy
Há um alçapão sob o assento do carona que dá acesso ao compartimento de carga atrás. Assim, leva-se objetos com comprimento de até 4 metros no Citroën Christian Castanho/Quatro Rodas

A prova de 0 a 100 km/h não tem tanto peso para veículos comerciais, mas a forma como eles reagem quando carregados importa. Por isso, testamos Vito e Jumpy duas vezes: primeiro sem carga e depois com lastro de 500 kg. É aí que os pequenos 1.6 turbodiesel mostraram seu valor. 

O Jumpy obteve números melhores que os do Vito em todas as provas, o que pode ter relação com o câmbio mais curto nas primeiras três marchas.

O Vito até sentiu menos o impacto do lastro, mas continuou perdendo para o Citroën quando carregado.

Citroën Jumpy
Além de portas que abrem para os lados, Citroën Jumpy tem espaço de carga mais amplo Christian Castanho/Quatro Rodas

No consumo, mais vantagem para o Jumpy: 12,6/16,1 km/l (cidade/estrada) contra 10,5/15,6 km/l, vazios. Com lastro, a diferença diminuiu, mas o Vito ainda é pior.

O mesmo ocorreu na frenagem: de 60 km/h a 0, o francês precisou de 20 cm a menos, como se vê nas tabelas ao lado. 

O choque de realidade acontece na hora de checar os equipamentos. O Citroën Jumpy básico custa R$ 86.090 e tem airbags dianteiros, freios ABS, vidros elétricos, volante com ajuste de altura e profundidade, controles de estabilidade e tração e rádio com USB.

Continua após a publicidade
Citroën Jumpy
Jumpy tem assoalho de metal que fica exposto e pode ser arranhado pela carga Christian Castanho/Quatro Rodas

A versão Pack, como o carro das fotos, sai por R$ 94.290 e traz a mais retrovisores elétricos, faróis de neblina, alçapão sob o banco do carona para colocação e cargas compridas e o providencial ar-condicionado.

Citroën Jumpy
Alavanca de câmbio do Jumpy fica mais próxima do motorista Christian Castanho/Quatro Rodas

No Vito a situação não é muito diferente. A versão 111 CDI, de R$ 105.000, tem os mesmos equipamentos do Jumpy básico, além do rádio com USB e Bluetooth integrado ao painel, do monitor de cansaço do motorista e da forração de fibra na área de carga.

Mercedes Vito
Mercedes traz rádio com Bluetooth integrado ao painel. Comando de ar-condicionado é o mesmo dos Mercedes mais básicos Christian Castanho/Quatro Rodas
Mercedes Vito
Entrada USB do Vito é embutida no porta-objetos Christian Castanho/Quatro Rodas

Mas ar-condicionado é um opcional de R$ 5.000, enquanto os retrovisores elétricos elevam a conta final em R$ 740. Um carro como o das fotos sai por R$ 110.740.

Na hora de manter, porém, o Vito é menos dispendioso. Com revisões a cada 20.000 km, custa R$ 2.293 para ficar em dia até os 60.000 km. Para o Citroën, as três revisões que cobrem os 60.000 km somam R$ 2.554.

Mercedes Vito
Rodas da Mercedes são de aço Christian Castanho/Quatro Rodas

A Citroën ainda promete fazer as revisões em um dia ou o próximo serviço será gratuito. A rede de concessionárias, porém, é menor: 109 estabelecimentos contra 180 para os veículos comerciais da Mercedes.

O Jumpy ainda tem o custo do Arla32, solução de ureia injetada no duto de escape para reduzir quimicamente as emissões. O tanque de 22,4 litros dura de 15.000 e 20.000 km.

Continua após a publicidade

Mas não é um produto caro: com o litro a R$ 2,50, encher o tanque custa R$ 56.

Citroën Jumpy
Assim como a Mercedes, rodas do Citroën são de aço Christian Castanho/Quatro Rodas

Apesar da manutenção um pouco mais cara, o Jumpy leva pelo custo de aquisição sensivelmente menor, melhor desempenho e consumo e por ser mais equipado e prático – o Vito só ganha em conforto e rede autorizada maior. Esse é o raro momento em que um Citroën vence um Mercedes.

Teste de Pista – Vans Vazias

Mercedes Vito (Vazio) Mercedes Vito (Carregado) Citroën Jumpy (Vazio) Citroën Jumpy (Carregado)
Aceleração de 0 a 100 km/h 15,7 s 19 s s 14,1 s 17 s
Aceleração de 0 a 1.000 m 36,6 s 38,9 s 36 s 37,7 s
Velocidade máxima (dados de fábrica) 170 km/h n/d 160 km/h n/d
Retomada de 40 a 80 km/h (em 3°) 6,2 s 7,7 s 5,5 s 7,3 s
Retomada de 60 a 100 km/h (em 4°) 9,9 s 11,9 s 8 s 10,3 s
Retomada de 80 a 120 km/h (em 5°) 16,3 s 18,3 s 12,2 s 15,4 s
Frenagem de 60/80/120 km/h a 0 m 19/32,8/75,9 m 18,8/33,2/76,2 m 16,8/30/68,2 m 17,5/31,1/72,8 m
Consumo urbano (teste com diesel S10) 10,5 km/l 10,1 km/l 12,6 km/l 11,6 km/l
Consumo rodoviário (teste com diesel S10) 15,6 km/l 15,2 km/l 16,1 km/l 15,3 km/l

Ficha técnica

Mercedes Vito 111 CDI Citroën Jumpy Pack
Preço R$ 105.000 R$ 94.290
Motor turbodiesel, diant., transv., 4 cil. em linha, 1.598 cm3, 16V, 80 x 79,5 mm, 15,4:1, 114 cv a 3.800 rpm, 27,5 mkgf a 1.500 rpm turbodiesel, diant., transv., 4 cil. em linha, 1.560 cm3, 8V, 75 x 88,3 mm, 16:1, 115 cv a 3.500 rpm, 30 mkgf a 1.750 rpm
Câmbio manual, 6 marchas, tração dianteira manual, 6 marchas, tração dianteira
Direção elétrica eletro-hidráulica
Suspensão McPherson(diant.), ind. braço arrastado (tras.) McPherson(diant.), ind. braço arrastado (tras.)
Freios disco ventilado (diant.), disco sólido (tras.) disco ventilado (diant.), disco sólido (tras.)
Rodas e pneus 225/40 R18 215/65 R16
Dimensões comp., 514 cm; largura, 192,8 cm; altura, 191 cm; entre-eixos, 320 cm; peso, 1.825 kg; tanque, 70 l; capacidade de carga, 1.225 kg; volume útil: 6 m² comp., 530,9 cm; largura, 192 cm; altura,193,5 cm; entre-eixos, 327,5 cm; peso, 1.700 kg; tanque, 69 l; capacidade de carga, 1.500 kg; volume útil: 6,6 m²
Publicidade