Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Comparativo: EcoSport enfrenta Kicks, Captur e Creta

Kicks, Captur e Creta recebem o renovado EcoSport 2018 e promovem um pega pra capar entre os SUVs automáticos abaixo dos R$ 90.000. Com qual você fica?

Por Péricles Malheiros Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 6 dez 2017, 16h01 - Publicado em 29 ago 2017, 17h54
Kicks x Captur x EcoSport x Creta
Nissan Kicks, Renault Captur, Ford EcoSport e Hyundai Creta (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Pai dos SUVs compactos, o EcoSport fez escola. Desde 2003, quando a primeira geração estreou, todas as marcas rivais copiaram a receita.

Assim, com o passar dos anos, SUVs montados sobre plataformas de hatches pipocaram por todos os lados. O sucesso foi tão grande que a moda se espalhou por todo o planeta, levando a um efeito migratório de clientes de hatches médios, minivans e SUVs.

Com a segunda geração, de 2013, o Eco ficou muito mais bonito. Aliás, bonito a ponto de manter as mesmas linhas básicas na reestilização que acaba de ganhar, com a chegada da linha 2018.

A Ford aproveitou também para sanear o acabamento e a oferta de equipamentos, dois dos pontos mais criticados pelos antigos proprietários.

No cofre, instalou um novo motor, 1.5 de três cilindros, prometendo maior eficiência do que a do 1.6 quatro cilindros que se aposenta. Com tantas novidades, não podíamos deixar de receber o Eco sem um belo comparativo com os principais SUVs compactos automáticos do mercado.

Kicks, Creta e Captur, de portas abertas, recebem o precursor do segmento, todos abaixo dos R$ 90.000. Chevrolet Tracker LT e Honda HR-V LX ficaram de fora por conta da desprezível participação no mix de vendas, bem abaixo de 10%. Na prática, são meras versões-fantasma para atrair gente para as lojas.

Continua após a publicidade

4° EcoSport Freestyle 1.5 – R$ 89.990

O EcoSport é o mais agradável de dirigir, mas é o menor em espaço e porta-malas
O EcoSport é o mais agradável de dirigir, mas é o menor em espaço e porta-malas (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Não há o que questionar: ninguém bate o EcoSport 2018 em conteúdo. A versão FreeStyle, aqui considerada, tem sete airbags, central multimídia, ar-condicionado digital, indicador de pressão de pneus e DRL (led de uso diurno), apenas para citar os mais importantes ou exclusivos.

Mas, nesse mundo criado pelo próprio EcoSport, nem tudo é conteúdo – e, com o passar do tempo, logo ele parece não ter notado isso.

Pequena, a carroceria do Eco tem 410 cm de comprimento, ou seja, é 23 cm menor que a do Renault Captur – uma diferença bem maior do que os 17 cm que separam, por exemplo, as carrocerias de cinco e sete lugares do Citroën C4 Picasso.

Ainda que se defenda (com certa dificuldade) em espaço na cabine, o Eco continuará tendo no porta-malas o epicentro de suas críticas. Para começar, o estepe na tampa (com abertura lateral) obriga o motorista a achar uma vaga grande, caso precise guardar bagagem.

Porta-malas é muito pequeno: apenas 356 litros
Porta-malas é muito pequeno: apenas 356 litros (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Depois, o formato (muito curto) dificulta a acomodação de objetos mais avantajados. Por fim, o volume de 356 litros (75 menos que o do Creta, o segundo menor do comparativo) limita demais o uso familiar.

Continua após a publicidade

Ao fazer a segunda geração do Eco, a Ford não anteviu as necessidades dos clientes vindos de carros maiores. Hoje, o que se vê é um Eco excelente de dirigir, bem acabado e com bons itens de tecnologia e segurança, mas que tropeça em um ponto supervalorizado por quem compra um SUV: espaço.

Interior refinado, com materiais e montagem de qualidade e painel sóbrio
Interior refinado, com materiais e montagem de qualidade (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A linha 2018 trouxe ainda o novo motor 1.5 (três cilindros), que aposenta o 1.6 (quatro cilindros) no Eco. Pena que a evolução não se traduziu em números.

Enquanto o 1.6 com câmbio PowerShift (dupla embreagem) ia de 0 a 100 km/h em 12,6 s e consumia 11,1 km/l de gasolina na cidade e 14,2 na estrada, o Eco 2018 com caixa automática 6F15 (de conversor de torque) cravou 12,6 s, 10,6 km/l e 14,6 km/l. 

O layout do painel é agradável e sóbrio
O layout do painel é agradável e sóbrio (Christian Castanho/Quatro Rodas)

De todos aqui, o Eco é o mais agradável de dirigir, obediente e com pronta resposta a acelerador e volante, mas é o menor em espaço e porta-malas e o único com design que não parece realmente novo. Além de ser o modelo mais caro do comparativo.

Teste de pista (com gasolina)

  • Aceleração de 0 a 100 km/h:  12,6 s
  • Aceleração de 0 a 1.000 (segundos/km/h): 34,6 s/145,6
  • Retomada de 40 a 80 km/h (em D): 5,7 s
  • Retomada de 60 a 100 km/h (em D): 7,3 s
  • Retomada de 80 a 120 km/h (em D): 10,3 s
  • Frenagens de 60 / 80 / 120 km/h a 0: 17,1 / 28,6 / 66 m
  • Consumo urbano: 10,6 km/l
  • Consumo rodoviário: 14,6 km/l
  • Ruído PM/1° em máx.: 41,9/64,9 dB
  • Ruído a 80 km/h/120 km/h: 63,2/69,2 dB

Ficha técnica

  • Preço: R$ 89.990
  • Motor: flex, dianteiro, transversal, 3 cilindros em linha, 1.497 cm³, 12V, 84 x 90 mm, 12:1, 137/130 cv a 6.500 rpm, 16,2/15,6 mkgf a 4.500 rpm
  • Câmbio: automático, 6 marchas, tração dianteira
  • Suspensão: McPherson (diant.), eixo de torção (tras.)
  • Freios: discos ventilados (diant.), tambor (tras.)
  • Direção: elétrica, 2,5 voltas entre batentes; diâmetro de giro, 10,8 m
  • Pneus: 205/60 R16
  • Dimensões: comprimento, 426,9 cm (409,6 cm sem estepe), largura, 176,5 cm; altura, 169,3 cm; entre-eixos, 251,9 cm. Porta-malas, 356 l; tanque de comb., 52 l; peso, 1.272 kg; peso/potência, 9,28/9,78 kg/cv; peso/torque, 78,52/81,54 kg/mkgf
  • Garantia/assistência 24h: 3 anos/3 anos
  • Revisões (três primeiras): R$ 4.076

3° Captur Zen 1.6 – R$ 86.450

O Captur teve o pior desempenho nas provas de aceleração e consumo
O Captur teve o pior desempenho nas provas de aceleração e consumo (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Para o bem e para o mal, o Captur parece ser o oposto do EcoSport. Na verdade, um Duster com traje de gala, ele está anos-luz atrás do Ford no que se refere à qualidade percebida na cabine: só de olhar um e outro, perceberá – pelo brilho excessivo e rebarbas de alguns plásticos – que o Renault é inferior nesse quesito.

Continua após a publicidade

Volante sem ajuste de profundidade e teclas sem iluminação reforçam ainda mais tal impressão. Mas, há muito mais o que se observar para ranquear um comparativo tão acirrado.

A cabine deixa a desejar com plásticos com brilho excessivo e rebarbas em alguns
A cabine deixa a desejar com plásticos com brilho excessivo e rebarbas em alguns (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Se no acabamento o Eco leva ampla vantagem, por fora o Captur dá o troco. A carroceria com volumes sinuosos e dianteira elevada confere um aspecto robusto, de SUV de verdade.

O longo entre-eixos (267,3 cm, o maior deste confronto) ganha ainda mais destaque por conta da suspensão elevada. Difícil imaginar um obstáculo capaz de raspar os para-choques ou o assoalho do Captur.

Mas, de novo, foi a maior oferta de espaço para pessoas e bagagens que deixou o Captur (pouco, bem pouco) à frente do Eco, no cômputo final.

Porta-malas com bons 437 litros
Porta-malas com bons 437 litros (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Ainda que o Captur tenha sido lançado em março deste ano, ele desperta muito mais curiosidade na rua do que o Eco 2018. Em equipamentos, a versão Captur Zen se defende bem – mas lembre-se, ninguém supera o EcoSport. Há airbags laterais, controles de estabilidade e tração e chave presencial.

Continua após a publicidade

Mas a central multimídia (com câmera de ré) é vendida à parte, por R$ 2.500. Pechinche, pois uma pesquisa no início de julho mostrou que a rede Renault entregava o Captur já equipado com a central por quase o preço do básico, R$ 85.000.

Ao volante, a posição de dirigir ultraelevada do Captur é outro ponto que comprova a sintonia fina da Renault com esse público – especialmente o feminino, admirador confesso de SUVs em boa parte pela vista panorâmica do trânsito propiciada a partir do banco do motorista.

O painel de instrumentos tem boa leitura
O painel de instrumentos tem boa leitura (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Na pista, o corpanzil e o powertrain menos moderno fez do Captur o pior SUV nas provas de aceleração (eternos 14,4 s) e consumo (altos 10,1 e 13,2 km/l) – veja ficha na página 59.

Teste de pista (com gasolina)

  • Aceleração de 0 a 100 km/h:  14,4 s
  • Aceleração de 0 a 1.000 (segundos/km/h): 35,9 s/144,3
  • Velocidade máxima: 169 km/h
  • Retomada de 40 a 80 km/h (em D): 6 s
  • Retomada de 60 a 100 km/h (em D): 6,3 s
  • Retomada de 80 a 120 km/h (em D): 11,6 s
  • Frenagens de 60 / 80 / 120 km/h a 0: 15,7 / 26,9 / 63,9 m
  • Consumo urbano: 10,1 km/l
  • Consumo rodoviário: 13,2 km/l
  • Ruído PM/1° em máx.: 40,8/71,8 dB
  • Ruído a 80 km/h/120 km/h: 62,8/67,9 dB

Ficha técnica

  • Preço: R$ 86.450
  • Motor: flex, dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, 1.597 cm³, 16V, 78 x 83,6 mm, 10,7:1, 120/118 cv a 5.500 rpm, 16,2/16,2 mkgf a 4.000 rpm
  • Câmbio: automático, CVT, 6 marchas, tração dianteira
  • Suspensão: McPherson (diant.), eixo de torção (tras.)
  • Freios: discos ventilado (diant.), tambor (tras.)
  • Direção: eletro-hidráulica; 3,2 voltas entre batentes; diâmetro de giro, 10,7 m
  • Pneus: 215/60 R17
  • Dimensões: comprimento, 432,9 cm, largura, 181,3 cm; alt., 161,9 cm; entre-eixos, 267,3 cm. Porta-malas, 437 l; tanque de combustível, 50 l; peso, 1.286 kg; peso/potência, 10,72/10,90 kg/cv; peso/torque, 79,38/79,38 kg/mkgf
  • Garantia/assistência 24h: 5 anos/2 anos
  • Revisões (três primeiras): R$ 3.011
  • Seguro: R$ 3.795

2° Creta Pulse 1.6 – R$ 86.740

Airbags laterais não estão disponíveis nem como opcionais
Airbags laterais não estão disponíveis nem como opcionais (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Enquanto EcoSport e Captur se engalfinhavam pela conquista da terceira posição, Creta e Kicks faziam o mesmo na disputa pelo topo.

Mas, diferentemente do que rolou no andar inferior – onde os rivais mostravam armas absolutamente distintas -, aqui o que se viu foram dois carros gêmeos em quase tudo.

Continua após a publicidade

Apenas R$ 250 separam o preço de tabela do Creta Pulse (R$ 86.740) do Kicks SV (R$ 86.990). Por fora, ambos são quase idênticos às suas respectivas versões mais caras (Prestige, no Creta e SL no Kicks).

No pacote de equipamentos, novo empate técnico. Os dois têm sistemas eletrônicos de auxílio de direção, com controle de estabilidade e tração e de partida em rampa.

Bem montado, o Creta tem volante multifuncional, mas fica devendo central multimídia
Bem montado, o Creta tem volante multifuncional, mas fica devendo central multimídia (Christian Castanho/Quatro Rodas)

E acredite: esses dois são parecidos até nos deslizes: nenhum deles oferece airbags suplementares (laterais e do tipo cortina).

As similaridades continuam. Tanto as dimensões externas como internas são bastante próximas. No porta-malas, por exemplo, o Creta (com 431 litros) leva o equivalente a uma caixinha de leite a menos que o Kicks (com 432). Até o estilo do para–choque traseiro desses dois é parecido.

Painel tem boa leitura
Painel tem boa leitura (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Mas chega de falar dos pontos de contato. Vamos às diferenças. O câmbio do Creta é baseado em uma caixa automática com conversor de torque e seis marchas com opção de troca por meio da alavanca.

No Kicks, a Nissan coloca a caixa Xtronic, com relação continuamente variável, que se diferencia da CVT do Captur apenas pelo fato de não possibilitar a seleção manual das marchas.

No uso, o Creta pede um tempo de adaptação à calibragem arisca do acelerador, embora o solavanco na saída seja bem menos incômodo do que o notado na versão com motor 2.0.

São 431 litros de volume para bagagem
São 431 litros de volume para bagagem (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Ainda que pequenas, as principais diferenças surgiram na pista, onde o Kicks se valeu do peso menor do que o do Creta (1.359 kg ante 1.132 kg) para entregar performance e consumo ligeiramente melhores, mesmo com um motor com menos torque e potência.

Teste de pista (com gasolina)

  • Aceleração de 0 a 100 km/h:  12,6 s
  • Aceleração de 0 a 1.000 (segundos/km/h): 34,2 s/148,9
  • Velocidade máxima: 172 km/h
  • Retomada de 40 a 80 km/h (em D): 5,5 s
  • Retomada de 60 a 100 km/h (em D): 6,9 s
  • Retomada de 80 a 120 km/h (em D): 9,5 s
  • Frenagens de 60 / 80 / 120 km/h a 0: 16,4 / 28,2 / 64,6 m
  • Consumo urbano: 10,3 km/l
  • Consumo rodoviário: 13,7 km/l
  • Ruído PM/1° em máx.: 38,2/64,4 dB
  • Ruído a 80 km/h/120 km/h: 65,2/70 dB

Ficha técnica

  • Preço: R$ 86.740
  • Motor: flex, dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, 1.591 cm³, 16V, 77 x 85,4 mm, 11:1, 130/123 cv a 6.000 rpm, 16,5/16 mkgf a 4.500 rpm
  • Câmbio: automático, 6 marchas, tração dianteira
  • Suspensão: McPherson (diant.), eixo de torção (tras.)
  • Freios: discos ventilado (diant.), tambor (tras.)
  • Direção: elétrica, 2,7 voltas entre batentes; diâmetro de giro, 10,6 m
  • Pneus: 215/60 R17
  • Dimensões: comprimento, 427 cm, largura, 178 cm; alt., 163,5 cm; entre-eixos, 259 cm. Porta-malas, 431 l; tanque decombustível, 55 l; peso, 1.359 kg; peso/potência, 10,45 /11,05 kg/cv; peso/torque, 82,36/84,94 kg/mkgf
  • Garantia/assistência 24h: 5 anos/1 ano
  • Revisões (três primeiras): R$ 2.977
  • Seguro: R$ 3.061

1° Kicks SV 1.6 – R$ 86.990

O Kicks SV tem como opcional bancos e laterais de porta de couro e airbags laterais do tipo cortina
O Kicks SV tem como opcional bancos e laterais de porta de couro e airbags laterais do tipo cortina (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Pela nossa análise, o Kicks está um fio de cabelo à frente do Creta, mas essa diferença é tão pequena que dá para recomendar: se ficou na dúvida entre ambos, pode deixar o lado emocional decidir, pois gosto pessoal ainda é um ponto importante para despertar aquela agradável sensação de ter feito o melhor negócio – ainda que você queira que ele seja o mais racional possível.

Ligeiramente mais eficiente, ou seja, com uma boa relação entre performance, dinâmica e consumo, o Kicks, claro, não é perfeito. Para quem está constantemente na estrada, alguns pontos incomodam: faltam apoio de braço entre os bancos dianteiros e piloto automático.

O tanque com capacidade para apenas 41 litros de combustível restringe demais a autonomia, obrigando a paradas mais constantes. Considerando os resultados dos nossos testes de consumo rodoviário com gasolina, o Kicks é o único com autonomia inferior a 600 km, mesmo tendo registrado bons 14,4 km/l na estrada.

No pacote de equipamentos, o Kicks SV tem como destaque chave presencial para portas e partida do motor, sistema de auxílio de estacionamento com sensores e câmera traseira e sistema de navegação por GPS, itens mais atraentes no dia a dia do que o start-stop que o Creta tem e o Kicks não.

Câmbio CVT do Kicks é o mesmo do Captur
Câmbio CVT do Kicks é o mesmo do Captur (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Uma pena o painel digital ter ficado restrito à versão SL, top de linha, de R$ 95.990. Seria um belo diferencial até diante do completo EcoSport FreeStyle.

O painel digital só está disponível na versão topo de linha SL
O painel digital só está disponível na versão topo de linha SL (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O Kicks SV tem um único pacote opcional, o Pack Plus, que inclui revestimento dos bancos e laterais de porta de couro e airbags laterais e do tipo cortina. Se o orçamento permitir, invista os R$ 3.000 pedidos por ele. No Creta, os mesmos itens só são ofertados na versão top de linha, Prestige 2.0, de R$ 100.990.

Porta-malas comporta 432 litros
Porta-malas comporta 432 litros (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Sem desgarrar da concorrência em nenhum dos itens analisados, o Kicks leva a melhor no comparativo justamente pela regularidade e equilíbrio, repetindo a vitória obtida ano passado, logo em sua estreia no mercado.

Teste de pista (com gasolina)

  • Aceleração de 0 a 100 km/h:  11,9 s
  • Aceleração de 0 a 1.000 (segundos/km/h): 34,1 s/150,7
  • Velocidade máxima: 175 km/h
  • Retomada de 40 a 80 km/h (em D): 5 s
  • Retomada de 60 a 100 km/h (em D): 7,1 s
  • Retomada de 80 a 120 km/h (em D): 9 s
  • Frenagens de 60 / 80 / 120 km/h a 0: 15,5 / 28,7 / 63,5 m
  • Consumo urbano: 10,9 km/l
  • Consumo rodoviário: 14,4 km/l
  • Ruído PM/1° em máx.: 39,8/74,3 dB
  • Ruído a 80 km/h/120 km/h: 63,1/68,7 dB

Ficha técnica

  • Preço: R$ 86.990
  • Motor: flex, dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, 1.598 cm³, 16V, 78 x 83,6 mm, 10,7:1, 114/114 cv a 5.600 rpm, 15,5/15,5 mkgf a 4.000 rpm
  • Câmbio: automático, CVT, tração dianteira
  • Suspensão: McPherson (diant.), eixo de torção (tras.)
  • Freios: discos ventilado (diant.), tambor (tras.)
  • Direção: elétrica, 3,2 voltas entre batentes; diâmetro de giro, 10,2 m
  • Pneus: 205/55 R17
  • Dimensões: comprimento, 429,5 cm, largura, 176 cm; alt., 159 cm; entre-eixos, 261 cm. Porta-malas, 432 l; tanque de combustível, 41 l; peso, 1.132 kg; peso/potência, 9,93/9,93 kg/cv; peso/torque, 73,03/73,03 kg/mkgf
  • Garantia/assistência 24h: 3 anos/2 anos
  • Revisões (três primeiras): R$ 2.925
  • Seguro: R$ 3.954

Veredicto

A Ford errou ao manter o Eco pequeno na segunda geração. Enquanto isso, a concorrência notou que consumidores de outros segmentos (como sedãs) migrariam para os SUVs com suas necessidades. Ao Captur, cabe evoluir em acabamento e motor. Creta e Kicks, se cuidarem melhor dos itens desegurança, serão produtos ainda mais competentes.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.