Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Jeep Commander vai trocar motor 1.3 turbo por novo 2.0 com mais de 240 cv

Commander ainda terá motor 2.0 turbodiesel trocado por um 2.2 para ir bem além de 200 cv e 40 kgfm

Por Eduardo Passos Atualizado em 31 jul 2022, 17h26 - Publicado em 6 jul 2022, 04h00

Em até dois anos a Stellantis terá carros com motores 1.0 e 1.3 GSE eletrificados. O grupo terá sete carros híbridos à venda no Brasil até 2025, mas o Jeep Commander não será um deles.

Isso porque o Jeep de sete lugares abandonará o motor 1.3 de 185 cv, que seguirá no Compass e no Renegade. O SUV de sete lugares, que não apresentou desempenho satisfatório com o atual quatro-cilindros, usará o mesmo 2.0 turbo flex da nova picape média da Ram, com cerca de 240 cv e 40 kgfm. A mecânica mais potente estreia entre 2023 e 2024.

Jeep Commander Overland TD4x4
No entendimento interno da Jeep, o Commander ficou grande demais para o motor 1.3 flex Divulgação/Quatro Rodas

Para quem não abre mão do óleo diesel, a boa notícia é que o Commander 2.0 turbodiesel também mudará, assim como todos os carros das duas marcas que ainda usam o atual motor a diesel da Fiat e Jeep. Esse modelo de propulsor dará lugar ao 2.2 Multijet II, principalmente para atender as normas ambientais que seguirão se restringindo.

Compartilhe essa matéria via:

Mesmo assim, é provável que Commander, Compass, Toro e a nova picape da Ram fiquem mais ágeis, com cerca de 200 cv e 45 kgfm, já que, para equiparar a nova picape média da Stellantis à concorrência, será preciso ir além dos números atuais.

Continua após a publicidade

Jeep Commander Overland TD4x4

Outra possibilidade levantada é a de que, tanto o motor 2.0 a gasolina quanto o 2.2 a diesel tenham diferentes níveis de potência e torque, como ocorre no uso desses propulsores por marcas como Alfa Romeo e até Maserati no mercado europeu.

Sobretudo, um trunfo para roubar ainda mais clientes do Toyota SW4, bem mais caro e mais potente, com 204 cv a diesel.

Como fica o Jeep Compass?

Jeep Compass Diesel
Única diferença na traseira está no emblema TD350 4×4 Fernando Pires/Quatro Rodas

No caso do Compass, o motor 1.3 flex será mantido, podendo ser eletrificado, dado os 100 kg a menos de peso e 140 kg a menos de carga útil do SUV de cinco lugares.

O motor diesel, entretanto, também será o 2.2 Multijet II. Há rumores de que o SUV possa receber versões mais fracas (e baratas) do propulsor.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.


a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo de QUATRO RODAS. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês