Clique e assine por apenas 8,90/mês

Top Ten: Trabalhos manuais

Dez exemplos de mecanismo do passado que provam que dirigir já exigiu bem mais esforço

Por Redação - Atualizado em 9 nov 2016, 14h44 - Publicado em 11 nov 2015, 18h03

1 – Espelho, espelho meu

639_ten_06.jpeg

No Brasil, o espelho retrovisor passou a ser obrigatório do lado esquerdo em 1982 e no direito em 1998. Antes, porém, as marcas que precisavam cortar custos não pensavam duas vezes e abriam mão do equipamento. É o caso do Fusca Pé de Boi (foto). Nele, o motorista só tinha o espelho interno.

2 – Avanço digital

639_ten_01.jpeg

Quer algo mais atrasado que o avanço de distribuidor manual? Houve um tempo em que o “ponto”, momento em que ocorre a centelha na câmara, era ajustado “no dedo” por meio de uma haste em forma de orelha.

3 – Força no berro

639_ten_02.jpeg

Buzinar é a forma mais objetiva de alertar os demais motoristas e pedestres. Até os anos 10, esse recurso era manual, semelhante ao que usavam os palhaços de circo. A buzina passou a ser elétrica, como conhecemos hoje, após a chegada das baterias.

4 – Braço duro

639_ten_03.jpeg

Antes das tradicionais luzes piscantes, sinalizar no braço já era recurso dos antigos para avisar a intenção de mudar a direção. Sinal de evolução, as “bananinhas” cumpriam a tarefa ao se destacar da coluna do carro.

5 – Nem sombra

639_ten_04.jpeg

Para ligar os faróis de um carro, hoje, basta fazer um movimento simples. Na era das trevas, dispositivos de acetileno exigiam esforço muito maior. Era preciso encher o reservatório com a quantidade exata de fluido, caso contrário, o sistema não funcionava.

6 – Partidão

639_ten_05.jpeg

Até a década de 10, dar a partida em um carro era procedimento de risco, feito por meio de uma manivela que acionava o motor. Em 1912, a Cadillac implantou um sistema elétrico que utilizava um motor de partida, aposentando a perigosa manivela.

Continua após a publicidade

7 – Dente quebrado

639_ten_07.jpeg

Houve tempos em que a primeira só podia ser engrenada com o carro parado, nas chamadas caixas secas, pois essa marcha não era sincronizada. Caso contrário, ouvia-se aquele arranhão das engrenagens seguido de um pouco elogioso “barbeiro!”

8 – Varredura

639_ten_08.jpeg

Inventados por Mary Anderson em 1903, os limpadores de para-brisa foram criados para remover a neve do para-brisa no inverno. O funcionamento foi manual até a década de 20, quando uma versão elétrica passou a ser usada no mundo inteiro.

9 – Olha o nível

639_ten_09.jpeg

O marcador de combustível era opcional em alguns modelos até a década de 60. Como medida de segurança, passou a ser de série. Na Kombi, surgiu em 1961. Até lá, o nível era medido com uma varinha mergulhada no tanque.

10 – Bons fluidos

639_ten_10.jpeg

O sistema de freios de um carro é composto de um conjunto hidráulico, que distribui um fluido e atua nas rodas. Até essa invenção, eles eram menos eficazes e seguros, acionados por um sistema de cabos, semelhante ao do freio de estacionamento.

LEIA MAIS

– Seis incríveis modernidades do passado

– Dez painéis automotivos idênticos a personagens de TV

– As chaves de carro mais luxuosas e surpreendentes

Continua após a publicidade
Publicidade