Clique e assine por apenas 8,90/mês

Top Ten: dez carros que não seguiram a tradição de suas marcas

Nem sempre as fábricas respeitam o que dizem seus próprios manuais

Por Redação - Atualizado em 1 set 2020, 23h32 - Publicado em 2 set 2020, 08h00

Adeus, tradição

Acervo/Quatro Rodas

A Ferrari FF (Ferrari Four) é um superesportivo com carroceria hatch e quatro lugares, produzido entre 2011 e 2016 com motor 6.3 V12 (660 cv). Até aí tudo bem. Mas tração 4×4 foi demais! Os conservadores torceram o nariz. Mas lembrem-se: em 2022 virá um SUV!

O avesso do avesso trocadas

Acervo/Quatro Rodas

Todo mundo sabe que a partida dos Porsche fica do lado esquerdo do volante, herança das provas de Le Mans. Mas não neste 928, além dos “populares” VW Porsche 914, 924, 944 e 968, que contrariam a regra.

Gafe britânica

Acervo/Quatro Rodas

Sinônimo de luxo e esportividade, a Aston Martin derrapou ao lançar o subcompacto Cygnet 1.3, em 2011, pensando em reduzir a média das emissões de sua linha de modelos. Saiu de linha dois anos depois.

Racionalismo alemão

Acervo/Quatro Rodas

O duplo rim é marca registrada da BMW, só que o pequeno 700 (1959-1965) saiu sem grade dianteira porque seu motor fica na traseira. Ironicamente, o 700 vendeu muito bem e tirou a empresa de uma crise.

Estrela sem brilho

Acervo/Quatro Rodas

Mercedes é sinônimo de luxo. Mas, em 1997, a marca lançou um monovolume compacto: o Classe A. Não deu certo. Teve problemas de rejeição. Na terceira geração, de 2013, ficou só o nome: virou um hatch de luxo.

Continua após a publicidade

Barrado no baile

Acervo/Quatro Rodas

A tradução de Volkswagen é “carro do povo”. Em 2020, porém, a fábrica decidiu entrar no segmento de alto luxo, com o sedã Phaeton. Tinha plataforma de Bentley e motores V6, V8 e W12. Mas não convenceu o mercado.

Sem paralelo na história

Acervo/Quatro Rodas

Com a mesma linha básica desde 1963, o Porsche 911 trouxe uma mudança em 1997 (996): trocou os faróis redondos por um de formas orgânicas. Na geração seguinte, 997, de 2004, os faróis redondos voltaram.

Mudado por conveniência

Acervo/Quatro Rodas

Todo esportivo com mais de 1.500 cm³ da Subaru possui motor boxer à frente do eixo dianteiro, menos o BRZ, fruto do desenvolvimento conjunto com a Toyota (o GT86 é seu irmão gêmeo).

Contramão Inglesa!

Acervo/Quatro Rodas

A Jaguar sempre fez sedãs e esportivos de grande porte. Mas, sob gestão da Ford, a marca quebrou o protocolo ao lançar o “compacto” X-Type (2001) – usando a base do Mondeo –, que ainda teve uma versão SW.

Esportivo sem alma

Acervo/Quatro Rodas

Lançada em 1968, a Ferrari Dino homenageava o filho de Enzo Ferrari, contudo lhe faltava a alma dos V12. Tinha um “modesto V6” e mais tarde um V8. Conclusão: não foi bem-aceito.

Continua após a publicidade
Publicidade