Top Ten: dez carros globais que receberam um belo toque brasileiro

Conheça 10 projetos de carros que tiveram de se adequar ao paladar do nosso consumidor

Vale tudo

 (Acervo/Quatro Rodas)

Como os carros importados só vieram a partir de 1990, antes a criatividade rolava solta no mercado para gerar opções diferentes das que eram oferecidas pelas quatro montadoras (VW, Fiat, Chevrolet e Ford). Dominavam então os esportivos fora de série como a Puma (foto) e as picapes transformadas pela Sulam e Souza Ramos.

Portas para o mercado

 (Divulgação/Fiat)

Até meados dos anos 90, modelos de quatro portas não eram queridinhos como hoje. Por isso, projetos originais estrangeiros de sedãs como VW Santana, Chevrolet Monza e Fiat Tempra foram redesenhados e perderam duas portas só para agradar ao brasileiro.

Pensando grande

 (Acervo/Quatro Rodas)

O VW Up! nasceu europeu, mas teve de se adaptar aqui: 6,5 cm maior para receber o tanque maior (50 em vez de 30 litros), ganhou estepe, cresceu o porta-malas (285 contra 221 litros) e trocou tampa de vidro por metal para baixar custo de produção e do seguro.

Mas que diabos!

 (Acervo/Quatro Rodas)

Peugeot 308 e Citroën C4 tinham em seus catálogos de cores um vermelho metálico batizado lá fora de Rouge Lucifer (vermelho Lúcifer). Mas alguns cristãos criticaram o nome profano por aqui e o grupo PSA acabou alterando no Brasil para vermelho Luc.

Bebendo Álcool

Em 2018, a Toyota lançou a 12ª geração do Corolla e com ela a versão híbrida, que roda com motores elétrico e a gasolina. Para se adequar ao mercado brasileiro, a Toyota teve de desenvolver o híbrido flex, o primeiro no mundo a trazer essa tecnologia.

Variações populares

 (Divulgação/Volkswagen)

O conceito do carro popular ganhou força nos anos 90 com o motor 1.0. A receita deu tão certo que as marcas inventaram de tudo para dar um gás nessa motorização: Fiat Siena com o câmbio de seis marchas, VW Gol com o turbo e Ford EcoSport com o supercharger.

Estica e puxa

 (Divulgação/Fiat)

Picape compacta derivada de hatches é coisa nossa: nasceu com a Fiat lá em 1978, no lançamento da 147 Pick-up. As cabines estendida (1999) e dupla (2009) vieram depois, com a estreia da Strada, seguida mais tarde pela VW Saveiro em 2009 e 2014.

Pneu no motor

 (Acervo/Quatro Rodas)

Os Fiat Uno italiano e brasileiro só diferem no desenho pelo recorte do capô. É que a suspensão do europeu não aguentaria nosso piso e teve de adotar o conjunto do Fiat 147. Como era impossível manter o estepe no porta-malas, ele foi parar no cofre do motor.

Até tu, Brutus?

 (Divulgação/BMW)

Motor flex não é novidade para nós. Presente desde 2003 no simples Gol, até os sedãs premium tiveram de entrar nessa onda. O pioneiro foi BMW 320i, em 2013. Batizada de ActiveFlex, a versão é feita em Araquari (SC) e foi o primeiro turbo a adotar a tecnologia.

Tapinha no visual

 (Divulgação/Fiat)

Criado pelo centro de design da Fiat na Itália, o Marea mal foi lançado por aqui, em 1998, e suas linhas traseiras já receberam críticas. O jeito foi alterá-la em 2001 só para adequar ao gosto brasileiro, recorrendo ao mesmo desenho das lanternas do Lancia Lybra.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s