Start-stop desliga o motor a cada parada: ajuda ou atrapalha?

Sistema desativa o propulsor para economizar combustível, mas nem todo mundo gosta. O editor de testes da QUATRO RODAS fala sobre o equipamento

O Uno foi o primeiro modelo nacional a contar com a tecnologia start-stop O Uno foi o primeiro modelo nacional a contar com a tecnologia start-stop

O Uno foi o primeiro modelo nacional a contar com a tecnologia start-stop (divulgação/Fiat)

Juro. Juro que eu tento usar sempre o sistema start-stop, aquele que desliga o motor toda vez que o trânsito para ou o semáforo fecha – que, por isso, deveria se chamar stop-start, acabando de vez com a confusão com aquele outro sistema de partida por botão. Confira o nosso teste que mostra problemas no funcionamento do sistema no Fiat Argo.

Eu tento usar o sistema porque é o correto para quem se preocupa em economizar combustível e reduzir emissões. Mas algumas vezes fica difícil depender desse sistema para reduzir a minha pegada ambiental.

Não sei se é problema de algoritmo ou simplesmente pouca capacidade de processamento, mas o fato é que o funcionamento desse dispositivo pode atrapalhar bastante a viagem.

Algumas vezes, o acionamento desastrado pode comprometer a segurança. No Jeep Renegade, por exemplo, mais de uma vez já fiquei em dificuldades quando o motor apagou na hora em eu ia iniciar uma manobra como a de entrar em uma avenida.

Além da segurança, há também o problema do conforto. Em algumas situações de trânsito pesado o motor desliga tantas vezes que o ar-condicionado não consegue manter a temperatura na cabine.

Já me disseram que nos carros de alto luxo isso não ocorre porque o ar-condicionado é alimentado por um motor elétrico e não depende do motor do carro para funcionar.

Mas isso é a exceção das exceções. Conversando com um engenheiro da Audi, ele me contou que nos carros da marca o assunto é resolvido com o monitoramento da temperatura na cabine por meio de sensores colocados em pontos estratégicos que conseguem avaliar não só a temperatura do ambiente como a dos ocupantes do veículo.

O sensor à esquerda (no alto) do display do ar-condicionado do Audi A4 confere se o start-stop deve desligar o motor naquele momento ou não O sensor à esquerda (no alto) do display do ar-condicionado do Audi A4 confere se o start-stop deve desligar o motor naquele momento ou não

O sensor à esquerda (no alto) do display do ar-condicionado do Audi A4 confere se o start-stop deve desligar o motor naquele momento ou não (Divulgação/Audi)

O pior caso nesse aspecto de conforto são os dos carros da Chevrolet, como Cruze, Tracker e Equinox.

Esses modelos não permitem que o motorista desabilite a função start-stop, como é possível fazer nos modelos das outras marcas.

Os Chevrolet não possuem a tecla para isso (com o símbolo de um A circulado por uma flecha) e também não dispõem de atalhos quando se entra no computador do carro no menu de configurações.

Start-stop pode ser desativado por um botão No Fiat Argo, start-stop pode ser desativado por botão

No Fiat Argo, start-stop pode ser desativado por botão (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Já perguntei mais de uma vez aos executivos da fábrica qual a razão disso e eles nunca me responderam claramente.

Seria para ganhar pontos nos programas de controle ambiental dos governos, não só instalando o recurso mas obrigando o motorista a usá-lo? Não. Basta oferecer o equipamento para ganhar a benção oficial.

Um engenheiro da GM se justificou dizendo que o sistema se encarregaria de conciliar a economia de combustível com o conforto desejado pelo motorista, religando o motor assim que a temperatura interna da cabine começasse a subir.

Mas, na prática, não é isso o que ocorre. Em um dia de sol com trânsito travado o motorista passa calor.

Quando estou ao volante de um Chevrolet nessas condições de clima e de trânsito, a solução que encontrei para manter o ar-condicionado funcionando foi deslocar a alavanca de câmbio para a posição de trocas manuais porque, dessa forma, o motor não apaga.

Fazendo isso, eu perco a comodidade das trocas automáticas – e tenho de ficar atento para não esquecer a alavanca travada na primeira marcha, o que, além do ruído e das vibrações incômodos ainda contribui para o aumento do consumo: justamente o contrário do que se pretende com um sistema Start/Stop.

Um amigo que mora na Alemanha me diz que usa permanentemente o sistema Start/Stop, que já se acostumou com ele e que não tem queixas. Mas, na Alemanha, o clima e o trânsito são bem diferentes dos do Brasil.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. tenho uma Hilux 2001 e resolvi instalar um botão start stop no Mercado livre , para me livrar do problema de desgaste mecânico do tambor das chaves de ignição. Mas depois de instalar percebi que havia ofuscamento através do LED azul do botão. Tentei buscar Normas para saber o nível de intensidade luminosa através de luximêtro. Afim de buscar a informação para uma solução ,pois sou Engenheiro. gostaria de saber com vocês especialistas no seguimento automotivo quais os valores máximos por Norma que uma luz de indicação no painel pode ter em Lumens. E se possível ocorra uma matéria para investigar os prejuízos na visão do motorista com uso destes dispositivos no painel.