Sistema de som do futuro não terá alto-falantes

Continental exibe tecnologia que utiliza o painel e partes da cabine para emitir áudio

(Continental/Divulgação)

A Continental é conhecida no Brasil como fabricante de pneus. Porém, a empresa alemã tem divisões de atuação em outras áreas. Uma delas está trabalhando no desenvolvimento de um sistema de áudio automotivo que não necessita de caixas de som.

Essa tecnologia utiliza o painel, colunas, forro do teto e até o encosto dos bancos para irradiar as ondas sonoras.

Apesar de dar poucos detalhes de como o truque é feito, a sistemista afirma utilizou atuadores elétricos para excitar os materiais internos da cabine – o princípio de funcionamento é parecido com o dos alto-falantes.

Porém, com o equipamento da Continental, os componentes internos do veículo passam a ter um comportamento acústico equivalente ao das caixas tradicionais.

Ainda protótipo, o sistema Ac2ated Sound instalado em um Mercedes Classe S (Ulisses Cavalcante/Quatro Rodas)

O som é produzido por meio da excitação de superfícies. Elas geram ondas em frequências distintas – e audíveis ao ouvido humano – e essas podem ser obtidas pelo uso de qualquer objeto.

A coluna A, por exemplo, é adequada para altas frequências. Os painéis de porta, por sua vez, médias. O teto e o encostos dos assentos são bons para as frequências baixas.

Chamada de Ac2ated Sound, a tecnologia será apresentada durante o Salão de Frankfurt, em setembro. Mas ainda não há informações sobre quando será oferecida comercialmente.

Para demonstrar o sistema, a Continental instalou seus equipamentos em um Mercedes-Benz Classe S. Você pode ouvir a demonstração no vídeo abaixo.

Porém, os engenheiros da empresa afirmam que qualquer veículo pode receber o equipamento, inclusive os modelos básicos.

Perguntados sobre a qualidade sonora do sistema em veículos simples, os engenheiros da Continental afirmaram que o áudio poderia ser até melhor que os oferecidos atualmente.

A razão para isso é simples: ao utilizar toda a cabine para emitir som, a qualidade do áudio não ficaria limitada à qualidade do alto-falante em si. Além disso, teria de haver um tratamento acústico das superfícies. E isso traria redução de ruído de outros componentes, como a vibração do motor.

Há outras duas vantagens relevantes: redução de peso e melhor aproveitamento de espaço. Um sistema premium pode ter mais de 20 alto-falantes. Ou seja, cerca de 15 quilos, com volume de mais de 30 litros dentro da cabine.

Ao eliminar os alto-falantes, a Continental promete substituir toda essa traquitana ultrapassada por um equipamento de um quilo que ocupa apenas um litro de todo o interior.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Ricardo Soares

    A parada é tão evoluída que eu não consigo nem imaginar como é que conseguiram esse feito kkkkkkk. Parabéns a Continental!

  2. gustavo vieira lermen

    Isto não é novidade. A Trailblazer da GM já utiliza atuadores acusticos no forro do teto. Este sistema não reproduz todas as freqüências, mas algumas delas já são produzidas via atuador acustico. Nós da Bomber produzimos os demais alto-falantes do sistema.