Clique e assine por apenas 5,90/mês

Segredo: Toyota Yaris nacional ganhará uma pitada (mas só uma) do europeu

Registro de patente do hatch reestilizado na Argentina antecipa como deve ficar o visual. Mudanças serão sutis e concentradas na dianteira

Por Renan Bandeira - 19 Maio 2020, 16h59
Inpi Argentina/Reprodução

O Toyota Yaris chegou ao Brasil em 2018 e, ao que parece, receberá sua primeira reestilização em breve. Mais precisamente no primeiro semestre de 2021.

O portal argentino “Parabrisas” publicou desenhos industriais do que seria o primeiro facelift do modelo, que é produzido no Brasil – mais precisamente em Sorocaba (SP) -, mas já teria sido registrado no país vizinho.

Inpi Argentina/Reprodução

Como pode ser visto nas imagens, em relação ao hatch atualmente comercializado na América do Sul não há mudanças aparentes na traseira do veículo e nem em suas laterais.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

As rodas apresentadas no desenho industrial também são as mesmas de liga leve que equipam o veículo por aqui, na versão XL.

Inpi Argentina/Reprodução

Dessa forma, a mudança do modelo ficou totalmente concentrada em seu balanço dianteiro.

Continua após a publicidade

Os faróis mantiveram o formato, mas agora possuem uma nova composição interna na qual a luz de condução diurna fica na extremidade inferior.

Inpi Argentina/Reprodução

No entanto, a principal mudança está no pára-choque frontal do dois-volumes, que agora é inspirado no Yaris japonês e europeu.

Este, aparentemente, será o único elo entre os dois carros além do nome, visto que, enquanto o Yaris gringo é construído sobre a plataforma TNGA-B, o projeto do brasileiro vem da Tailândia usa a mesma base do Etios.

Nova geração do Yaris foi apresentada no Japão Divulgação/Toyota

Segundo os registros de patente argentinos, nosso Yaris também ganhará um novo desenho no alojamento dos faróis de neblina e na grade frontal, que vai da base inferior do pára-choque até a linha dos faróis.

Os conjuntos mecânicos não devem mudar: 1.3 de 101 cv e 13,2 kgfm ou 1.5 de 110 cv e 15,2 kgfm, ambos quatro-cilindros flex com comando variável de válvulas e gerenciados por câmbio manual ou CVT.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da edição de maio da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Fernando Pires/Quatro Rodas
Continua após a publicidade
Publicidade