Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Renovado, Cruze já vendeu mais que Civic e Jetta em julho

Em seu primeiro mês de vendas completo, nova geração do Cruze se isolou como segundo colocado entre os sedãs médios

Por Guilherme Fontana Atualizado em 23 nov 2016, 21h30 - Publicado em 12 ago 2016, 20h36
Chevrolet Cruze LTZ
Largura é quase a mesma, mas as novas linhas ajudam a alargar o desenho

Desbancar o Toyota Corolla da liderança dos sedãs médios (é o 6° carro mais vendido de 2016 até agora e foi o 7° em julho, com 5.919 unidades, mais do que o registrado no mês anterior) parece ser uma missão quase impossível.

Mas se a disputa é pelo segundo lugar, a nova geração do Chevrolet Cruze começou bem. Lançado no final de maio, o modelo teve suas vendas iniciadas em junho, convivendo com as últimas unidades da geração anterior. Seu primeiro mês cheio, portanto, foi julho, quando teve 1.128 unidades vendidas. 

LEIA MAIS:

>> Vendas em julho: Mobi ultrapassa Up!; Etios dispara

Continua após a publicidade

>>Teste: novo Cruze ficou mais rápido e econômico

>> Novo Cruze hatch será apresentado no Salão do Automóvel de SP

>> Ranking de retomadas para sedãs e hatches médios

Ainda que tenha vendido menos que um quinto do Corolla, o Cruze assumiu a vice liderança do segmento no mês. O Ford Focus Sedan surpreendeu, aparecendo em terceiro com 691 unidades. Coladinhos ficaram Honda Civic (683), que já começou a ser substituído pela nova geração, e Volkswagen Jetta (666). O NIssan Sentra, recentemente renovado, não registrou mudanças no posicionamento, estacionando na sexta posição (442).

Sedãs médios – emplacamentos em julho
1 – Toyota Corolla 5.919
2 – Chevrolet Cruze 1.128
3 – Ford Focus sedã 691
4 – Honda Civic 683
5 – Volkswagen Jetta 666
6 – Nissan Sentra 442
7 – Mitsubishi Lancer 379
8 – Citroën C4 Lounge 278
9 – Kia Cerato 156
10 – Renault Fluence 123

Comparando o desempenho do novo Cruze com antigo, no mesmo mês do ano passado, quando emplacou 654 exemplares, o crescimento foi de consideráveis 72,5%. Já em relação à média mensal de 2012 (ano de lançamento da primeira geração no Brasil), os 1.128 exemplares representam 65,8% a menos (a média mensal, em 2012, era de 3.298). Mas, convenhamos: eram outros tempos. 

Continua após a publicidade

Publicidade