Clique e assine por apenas 8,90/mês

Raio X: manter um Honda Fit pode não ser tão barato quanto parece

Monovolume tem peças de reposição relativamente baratas, mas custo das revisões podem surpreender

Por Henrique Rodriguez - Atualizado em 6 fev 2020, 08h13 - Publicado em 6 fev 2020, 07h00
Espaçoso e versátil, o Fit consegue atender aos mais diversos perfis de consumidores Divulgação/Honda

O Honda Fit é um carro curinga: seu espaço interno e de porta-malas atende os mais diversos perfis de compradores.

E periga todos eles se sentirem satisfeitos com o motor 1.5 de 116 cv e com o câmbio CVT que simula sete marchas.

Tabelada em R$ 85.400, a versão EXL está bem longe se ser considerada barata, mas já tem faróis full-led (que não são caros), controles de estabilidade e tração, ar-condicionado automático, seis airbags e central multimídia.

O grande pecado do Fit é o custo das revisões com preços fixos, novidade entre os Honda. Embora as duas primeiras tenham mão de obra gratuita, exige regulagem das válvulas do motor e substituição do óleo do câmbio CVT a cada 40.000 km: R$ 977,68 de revisão e R$ 1.031 de mão de obra, resultando em um serviço de R$ 2.009.

Continua após a publicidade

Já a revisão de 60.000 km, que contempla troca das velas do motor, custa R$ 1.495.

Quanto custa para manter?

Revisões até 60.000 km: R$ 5.372
Seguro: R$ 2.838
Rede de concessionárias: 219
Desvalorização: 6,4%
Arte/Quatro Rodas
Publicidade