País proíbe a circulação de carros pretos

Governo do Turcomenistão obriga os proprietários a pintar seus carros de branco ou prata

rua do turcomenistão Carros pretos em circulação no Turcomenistão deverão ser repintados

Carros pretos em circulação no Turcomenistão deverão ser repintados (Reprodução/Youtube)

É raro ver algo sobre o Turcomenistão no noticiário. Ex-república soviética, o país está situado na Ásia Central – faz fronteira com Afeganistão e o Irã –, tem pouco mais de 5 milhões de habitantes e um dos governos mais repressores do mundo.

A última de seu presidente vitalício Gurbanguly Berdimuhammedow é a proibição da circulação de carros pretos no país.

Isso mesmo.

De acordo com o Chronicles of Turkmenistan, um site de oposição, carros pretos estão banidos das ruas do país a partir deste mês.

A rádio local Azatlyk disse que não houve um anúncio oficial, mas cidadãos relataram terem sido obrigados a pintar seus carros. Outros, tiveram seus carros rebocados pelo governo. Só serão devolvidos após a assinatura de um documento se comprometendo a pintar os veículos de branco ou prata.

turcomenistão Ex-república soviética, Turcomenistão ainda tem muitos Lada nas ruas

Ex-república soviética, Turcomenistão ainda tem muitos Lada nas ruas (Panoramio/Internet)

O branco está associado à boa sorte na cultura local e Berdimuhammedow leva isso a sério. Não à toa, centenas de edifícios da capital do país, Ashgabat, são revestidos de mármore branco. A de proibição da circulação de carros pretos vem dessa predileção pela cor branca.

Mas há antecedentes: a película escurecedora nos vidros (importante em um país onde a temperatura chega a 50° no verão) foi proibido em 2014 e a importação de carros pretos está proibida desde 2015.

É claro que as oficinas de pintura ficaram sobrecarregadas. Uma fonte da Azatlyk disse que cobraram o equivalente a R$ 8.000 pela repintura de seu carro, mas o preço poderia subir para R$ 11.700 se ele esperasse uma semana para aprovar o serviço. Mas seu salário é de R$ 1.100.

O Turcomenistão vive uma profunda crise econômica. O país é rico em recursos naturais (tem a quarta maior reserva de gás do mundo, por exemplo), mas a inflação está disparada e sua população tem difícil acesso a alimentos básicos, como farinha de trigo, óleo e açúcar. Além disso, caixas automáticos de bancos não são mais abastecidos e turcomenos que vivem no exterior tem limite de 50 dólares por dia para saque.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Hilton Leonel dos Reis

    Out a dictator enters another!

  2. Julio Rodrigues Neto

    Se a moda pega, o próximo País a exigir isto, será o Brasil. Vide aí os ” Quebra-Molas”. Centenas, milhares, bilhões, trilhões, espalhado em todo País.