Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O mapa dos clássicos

Um guia rápido sobre o que esperar e o que não perder para quem for visitar o Salão Internacional de Veículos Antigos neste fim de semana

Por Fabiano Pereira Atualizado em 9 nov 2016, 12h09 - Publicado em 24 nov 2012, 13h51
classicos

O melhor de um evento como o Salão Internacional de Veículos Antigos, que acontece até domingo (25) no Pavilhão de Exposições Anhembi, é poder conferir algumas das peças mais raras e valiosas das mais nobres e exclusivas garagens de colecionadores brasileiros entre as cerca de 280 expostas. Embora o elenco de carros ali reunido também contemple clássicos nacionais e estrangeiros vistos regularmente em encontros de carros antigos pelo país afora, é nos pouco ou nunca visto que reside o encanto de uma exibição organizada como o apoio da Federação Brasileira dos Veículos Antigos.

>> Veja a primeira parte da galeria de raridades do Salão de Veículos Antigos

>> Confira a segunda parte da galeria de clássicos do Salão de Veículos Antigos

Os anos 20 e 30 estão bem representados por marcas americanas como Cadillac, Ford e Dodge, mas também pelas extintas De Soto, Pierce-Arrow, Graham-Paige, Hupmobile e Erskine. Um Talbot DC 10 1923 francês e um Fiat 509 A são excentricidades européias contemporâneas, assim como o roadster American Austin levado ao estande da fabricante de baterias Diamante.

Um dos grupos mais raros e interessantes são os de Rolls-Royce e Cadillac que vão do início do século XX aos anos 40, mas que ficou sem identificações… Ainda dos anos 40, pode-se conferir carros da Ford e Mercury, um raro Lincoln Cosmopolitan, um MG TC, mas surpreende mesmo o imponente Rolls-Royce Silver Wraith 1949 desse grupo, onde também está exposto um Cadillac 1906, o carro mais antigo do evento.

Continua após a publicidade

Dos anos 50 e 60 é a maioria dos clássicos importados presentes. Além dos sempre populares Chevrolet Bel-Air, Corvette e a picape 3100 “Boca-de-Sapo”, Ford Thunderbird, Fairlane e Ranchero, Cadillac Coupe de Ville e Buick Special, estão lá modelos europeus admirados da década de 50, como Alfa Romeo Giulietta Sprint, Mercedes-Benz 300S cupê e 300 ‘Adenauer’, MG TD e A e Renault 4CV “Rabo-Quente”.

Não faltaram excentricidades como o argentino Kaiser Carabela 1958 e Isetta 300 1959, parente próximo do nosso Romi-Isetta. Forte candidato a maior destaque do evento é o elegante Alfa Romeo 6C 2500 1950, com carroceria feita pela encarroçadora Boneschi, prática que era um símbolo de status comum em modelos de alto luxo antes da Segunda Guerra Mundial.

241112_antigo2.jpg

Os clássicos dos anos 60 representam a parte mais expressiva da frota estacionada no pavilhão. Jaguar E-Type e S-Type, Triumph Spitfire, Mercedes 250 SE e SL ‘Pagoda’, BMW 2000 CS, Chevrolet Impala e Corvette, um Dodge Charger R/T como o celebrizado pelo filme Bullitt e vários Ford Mustang. Vale gastar mais tempo observando a esporádica visão dos esportivos italianos Iso Grifo e Alfa Giulia SS. Chama atenção o sóbrio sedã Rover 100 inglês e duas Ferrari não identificadas (logo elas..) da mesma década.

Esportivos dos anos 70 é o que não falta, como um Ferrari 365 GTB 4 ‘Daytona’, 308 GTB e Dino 308 GT4, um Lamborghini Espada e um Urraco, Porsche 911 Turbo Carrera, MG B, Alfa Romeo Monstreal, DeTomaso Longchamp, além de um raro Datsun 280 ZX japonês, sucesso no mercado americano. Dos anos 60 e 70 também são os principais destaques brasileiros do evento.

Como a importação de carros era extremamente restrita na época, o segmento fora-de-série cresceu com marcas com a Puma, presente com um GT com motor DKW e outro da fase Volkswagen. Um Uirapuru e um Santa Matilde conversíveis marcam presença como raridades, papel que um Karmann Ghia também se teto também cumpre bem. Vale conferir o Fúria GT, exemplar único, o Lorena GT, o Emme 422 T com seu motor Lotus e o elétrico Gurgel Itaipu, este sem restauro.

Vários clássicos da nossa indústria estão presentes, como VW Fusca, SP-2 e 1600 Sedan “Zé-do-Caixão”, Chevrolet Opala e 3100 Brasil, Ford Galaxie, F-100 e Corcel, Dodge Charger e Dart, Simca Chambord, Aero-Willys, FNM 2000 e Alfa Romeo 2300. Exemplares raros dignos das melhores coleções são o VW Pé-de-Boi 1965 e a Brasília 1980 com quatro portas, assim como a primeira e última série do Opala, de 1969 e 1992, respectivamente. Carros para todos os gostos e idades.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.


a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo de QUATRO RODAS. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês