Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Novo Tesla Model S tem volante de F1 e advinha onde o motorista quer ir

Sedã elétrico não tem comando físico para troca de marchas e fabricante diz que o carro terá a capacidade de adivinhar para onde o motorista quer ir

Por Henrique Rodriguez 29 jan 2021, 19h44
Tesla Model S 2021
Divulgação/Tesla

As coisas realmente são muito diferentes na Tesla. Após oito anos, tempo de uma geração para modelos “normais”, o sedã elétrico ganhou uma profunda atualização. E algumas das novidades fogem à regra do que é normal em automóveis.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 7,90

Para identificar o que é novo é preciso atentar para o para-choque dianteiro mais volumoso, para as novas rodas aro 19 com acabamento bicolor e para o para-choque traseiro com novo difusor. Por fora, é só isso mesmo.

Foi na mecânica e no interior do Model S que a empresa de Elon Musk gastou mais horas de trabalho. Se agora há versões com até 1.100 cv, o painel foi quase que completamente redesenhado.

Tesla Model S 2021
Divulgação/Tesla

A enorme tela vertical agora tem disposição horizontal, o que pode vir a favorecer o uso de funções de entretenimento, como a reprodução de filmes na Netflix. O tamanho, porém, ainda é de 17 polegadas.

  • Tesla Model S 2021
    Divulgação/Tesla

    O que mais chama atenção, porém, é o volante cortado, que lembra manches de aviões para uns ou o volante dos carros de Fórmula 1 para outros. E é só o volante com dois botões giratórios, mesmo, que se alternam entre as inúmeras funções do carro e para os comandos da central multimídia.

    Cadê a alavanca de câmbio?

    Tesla Model S 2021
    Divulgação/Tesla

    Se por um lado mantiveram o quadro de instrumentos (que não existe nos Model 3 e Model Y), o mesmo não aconteceu com a alavanca de câmbio, que era uma haste emprestada pelos Mercedes.

    Continua após a publicidade

    Não há seletor, alavanca ou botão giratório. De acordo com Elon Musk, o Model S simplesmente saberá o que o motorista quer fazer, de acordo com a forma como  o carro interpreta o que está acontecendo ao redor. E se o carro errar será necessário acessar um submenu na central multimídia.

    Tesla Model S 2021
    Divulgação/Tesla

    Musk diz que esse poder de vidência poderá ser desligado. E aí o único jeito de mudar o sentido para onde o carro irá seria na tela. Tanto isso como o volante podem dificultar a homologação do Model S em alguns mercados. Não à toa, o volante convencional é opcional.

    Tesla Model S 2021
    Divulgação/Tesla

    Se tudo isso parece ser mais uma estratégia de marketing do que algo mais efetivo, vale dizer que agora quem viajar no banco traseiro terá a disposição uma tela independente capaz de rodar os jogos mais recentes.

    A Tesla fala em uma capacidade de processamento de 10 teraflops, o equivalente ao que se tem em um PlayStation 5. Duas portas USB tipo C e porta-objetos também são novidades para quem viaja lá atrás.

    Tesla Model S 2021
    Divulgação/Tesla

    Mais potente que carro da F1

    Um carro da Mercedes para a temporada 2020 da Fórmula 1 tinha aproximadamente 1.030 cv. O novo Tesla Model S Plaid+ tem 1.100 cv e sua autonomia chega a impressionantes 840 km. Para efeito de comparação, a antiga versão Performance foi substituída pela Plaid, com 1.020 cv e 628 km de autonomia. E mesmo ela é capaz de alcançar os 100 km/h em 2,1 segundos.

    A Tesla não diz quanto, mas o Model S Plaid+ é ainda mais rápido. Mas para isso ele precisará seguir na direção certa.

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    Quatro Rodas capa 741

    Continua após a publicidade
    Publicidade