Clique e assine por apenas 8,90/mês

Novo BMW Série 1 chega ao Brasil mais racional, menos potente e mais caro

Oferecido em versão única, hatch com tração dianteira e virá da Alemanha por R$ 174.950. E acelerando menos que um Renault Sandero RS

Por Gabriel Aguiar - 19 nov 2019, 17h15
Novo Série 1 tem base de X1, X2 e carros da Mini Divulgação/BMW

O novo BMW Série 1 chegou ao Brasil, mas isso não é necessariamente bom. Você quer tração traseira, 44 cv a mais e ainda pagar menos? É melhor correr em busca de uma unidade zero-quilômetro do modelo antigo.

Isso porque o hatch virá da Alemanha com base de X1 – o que rompe com a tradição do motor transversal à tração dianteira – na versão 118i Sport GP, por R$ 174.950.

Modelo virá importado da Alemanha mais caro que o hatch atual Divulgação/BMW

Para ter ideia, a geração anterior custava R$ 165.950 na opção Sport e R$ 176.950 na Sport GP. Se você prefere esportividade, sentirá falta do 2.0 turbo com 184 cv de potência.

Por outro lado, o Série 1 ficou mais racional: há mais espaço interno, apesar de 5 mm mais curto, e o porta-malas cresceu 20 litros, chegando à capacidade total de 380 l.

Continua após a publicidade
Motor 1.5 turbo tem 140 cv de potência Divulgação/BMW

O motor 1.5 turbo a gasolina é o mesmo utilizado pela versão mais barata do X2 e também pela Mini no Brasil. São 140 cv e 22,4 mkgf, com promessa de que ele chegue aos 100 km/h em 8,5 segundos.

É mais do que os 8 segundos declarados pela Renault para o 0-100 km/h do Sandero RS.

O modelo será vendido em versão única 118i Sport GP Divulgação/BMW

Na lista de itens há ar-condicionado digital bizona, revestimento que imita couro, rodas aro 17, central multimídia com tela de 8,8 polegadas e assistente de estacionamento.

A BMW ainda oferece um plano de manutenção por 3 anos ou 40.000 km (o que vier primeiro) para os clientes que comprarem o hatch com financiamento da própria marca.

Continua após a publicidade

E haverá produção nacional? De acordo com a própria empresa, a fabricação em Araquari (SC) está descartada por conta do baixo volume de vendas do segmento no Brasil.

Publicidade