Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Nissan segue apostando no sucesso dos elétricos

CEO da empresa, Carlos Ghosn não teme chegada de rivais

Por Vitor Matsubara, de Detroit (EUA) Atualizado em 9 nov 2016, 14h16 - Publicado em 12 jan 2015, 22h03
sustentabilidade

O CEO da Nissan, Carlos Ghosn, afirmou que a empresa não se preocupa com um possível aumento na concorrência no segmento de veículos elétricos – a Chevrolet, por exemplo, pretende lançar em breve um concorrente baseado no Bolt EV. A marca foi a primeira a lançar um automóvel elétrico em larga escala (o Leaf) e até hoje detém o posto de montadora mais popular entre os veículos movidos a eletricidade.

“Não estamos preocupados com o aumento no número de concorrentes, e isso não é arrogância. Na verdade, a chegada de novas montadoras no segmento de veículos 100% elétricos é positiva para nós, já que o aumento no número de marcas produzindo carros elétricos forçará o governo dos países a melhorar a infra-estrutura das cidades para receber este tipo de veículo”, declarou.

Questionado sobre os carros autônomos, Ghosn rechaçou qualquer semelhança com o veículo sem motorista projetado pelo Google.

“São carros totalmente diferentes, até porque o veículo autônomo oferece a possibilidade de o motorista dirigir quando quiser. Além disso, ele traz comodidades como procurar vagas e estacionar sem a intervenção do motorista. Já o carro sem motorista traz uma proposta completamente diferente. Ele não oferece prazer ao dirigir, nem outras virtudes que um carro autônomo possui. Ele foi feito apenas para ser uma vitrine de tecnologia de uma empresa em vez de ser funcional”, disse.

O executivo ainda aproveitou a ocasião para assegurar que a Nissan não deixará de fabricar modelos esportivos, mesmo diante da preocupação com a sustentabilidade.

“O fato de investirmos no desenvolvimento de veículos elétricos não significa que não nos preocupamos com o prazer ao dirigir. Posso garantir a vocês que continuaremos lançando produtos que sejam divertidos e emocionantes de se guiar nos próximos anos”, assegurou.

Continua após a publicidade

Publicidade