Clique e assine por apenas 8,90/mês

Nissan Frontier vai ‘herdar’ plataforma melhor da Mercedes Classe X

Mercedes-Benz fez várias alterações no projeto da picape para criar Classe X. Reforços estruturais serão aproveitados em mudança próxima da Frontier

Por Igor Macário - Atualizado em 27 jul 2020, 21h36 - Publicado em 27 jul 2020, 16h02
Frontier passará por mudanças para linha 2022 Divulgação/Nissan

Ao que tudo indica, a Nissan Frontier poderá ganhar algumas mudanças estruturais ainda na geração atual. As melhorias vêm da estrutura usada pela Mercedes-Benz Classe X, que embora deva ser descontinuada, deixará de “herança” sua carroceria reforçada.

Embora tenha usado a mesma plataforma e estrutura básica, a Mercedes fez várias alterações no projeto, para que sua picape fosse melhor que as “irmãs”. O modelo deveria atender a parâmetros mais rígidos de rigidez e segurança estabelecidos pela Mercedes-Benz.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

As mudanças deverão aparecer na linha 2022 da Frontier fabricada na Argentina e que chegará ao Brasil em seguida. As diferenças de projeto entre Frontier e Classe X eram tão significativas que renderam até um código diferente para o projeto da alemã. A Frontier sai com a plataforma H60A, enquanto a Classe X era HB60B.

Junto da nova estrutura, a Frontier 2022 passará por uma sutil renovação visual. A picape deverá ganhar novos conjuntos ópticos e um interior melhorado.

Continua após a publicidade
Baixo desempenho nas vendas custaram a vida da picape média da Mercedes Divulgação/Mercedes-Benz

Além da estrutura mais rígida, as tecnologias incorporadas da picape Mercedes poderão permitir a instalação de um interior mais luxuoso e moderno na Frontier, bem como motores maiores. A Classe X usava um V6 diesel de 3,5 litros não disponível na Nissan.

É um desfecho curioso para a história da Classe X. O modelo, considerado um dos maiores fiascos automotivos recentes, estava pronto para ser produzido na Argentina na fábrica da Nissan.

No entanto, a Mercedes-Benz não aprovou os custos da empreitada na Argentina, saindo totalmente do projeto. A Classe X já estava sendo produzida na Espanha, onde também deixou de ser feita.

Por enquanto, as melhorias vêm sendo apontadas apenas para a picape da Nissan. A outra “irmã” do projeto, a Renault Alaskan, também já é produzida na Argentina, mas poderá não receber as melhorias.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da edição de maio da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Arte/Quatro Rodas
Continua após a publicidade
Publicidade