Clique e assine por apenas 8,90/mês

Jeremy Clarkson: Ford Mustang deveria ser tratado como cão de estimação

Rodar na configuração conversível me fez lembrar do tempo em que cruzar a Europa de carro era uma coisa romântica

Por Jeremy Clarkson - Atualizado em 28 jan 2020, 08h00 - Publicado em 28 jan 2020, 07h00
Você pode até travar as rodas dianteiras para girar as traseiras em falso. Isso é brilhante, se você tiver 10 anos de idade ou banda de rodagem de sobra nos pneus Divulgação/Ford

Para as férias da família deste ano, aluguei uma casa na Dordonha (França) e decidimos todos ir de carro. Não foi tão mau para meu filho, que tem um Fiat 124 Spider, nem para minha filha mais velha, cujo carro é um Ford Fiesta ST.

Mas a caçula tem um VW Polo básico, de 9 cv. Sua passageira ligou quando elas estavam a meia hora de Calais.

“Esse limite de 150 milhas por hora (210 km/h) é ridículo”, reclamou ela. “Estamos tentando desde que entramos na rodovia e simplesmente não conseguimos ir tão rápido.”

Depois  que expliquei que a França usa o método Católico Romano de medir velocidade e que os policiais rodoviários locais não têm mais senso de humor em relação aos britânicos que resolvem ultrapassar seus limites de velocidade de 150 km/h, todos decidimos respeitá-los durante a jornada de 850 km.

As pessoas que escrevem para aquelas revistas de automóveis que costumam existir nas salas de visitas de dentistas frequentemente se referem à “habilidade de devorar continentes” de um carro potente.

Continua após a publicidade

Todos têm na cabeça que as pessoas compram um Bentley Continental GT ou uma Ferrari GTC4Lusso porque precisam de alguma coisa que as leve de Londres a Milão da maneira mais rápida e confortável possível.

Eu mesmo tenho minha culpa nisso. Na TV, várias vezes organizei corridas entre carros e aviões, para mostrar que os carros são mais rápidos.

Mas a verdade é que, quando as pessoas que têm Bentley e Ferrari querem ir à Toscana, Cannes ou Gstaad, elas vão de avião. Frequentemente, em um jato particular. E se quiserem ir a Paris, tomam o trem.

As pessoas que de fato cruzam o continente de carro para ir ao seu destino de férias têm todas elas desanimadores Hyundai com bagageiros de teto e desnecessários adesivos GB (Grã-Bretanha).

Um cara até pintou seus faróis de amarelo, como se ainda fosse 1968.

Continua após a publicidade

E nenhuma delas tem a menor ideia sobre o que significa se manter na faixa. Sim, eu sei que a faixa da direita de uma autoestrada francesa no verão é uma esteira transportadora de holandeses com seus trailers, mas só os britânicos veem isso como desculpa para dirigir no baixo limite de velocidade usado no Reino Unido pela faixa da esquerda. Para sempre.

Não existe mais muito romantismo em dirigir através da França. Eu ouso dizer que nunca houve. Eu me lembro com afeição daquelas longas viagens com meus pais, mas aposto que o meu pai, ao volante do seu Austin 1100 nos dias de mapas rodoviários e termostatos vacilantes, nunca pensou “Oooooh, eu me sinto como o ator David Niven”.

Este muscle car V8 bonito tem um custo/benefício extraordinário Divulgação/Ford

No entanto, você pode levar brinquedos de praia infláveis em um carro. Em um avião, é mais difícil. Ninguém toca no seu pênis na fronteira. E você pode parar sempre que quiser.

Passamos a noite em Orleans, que é uma daquelas cidades que fazem você parar e pensar: “Por que diabos eu nunca estive aqui antes?” Ela é es-pe-ta-cu-lar.

Também é bom ter seu carro nas férias. Porque, desse modo, você não precisa entregar metade do seu orçamento para taxistas ou perder metade do tempo no balcão de uma empresa de aluguel de carros observando aquela mulher do filme Antes Só do que Mal Acompanhado escrever Guerra e Paz no computador dela. “Você tem o carro e eu tenho o dinheiro, então entregue as chaves.”

Continua após a publicidade

O único problema é que você sabe que, quando voltar à Grã-Bretanha, terá que rastejar pela rodovia a 80 km/h, porque estão instalando um sistema que tornará o limite de 80 km/h permanente.

Você sabe quantos trechos de rodovia fechados com cones eu vi na minha viagem de 1.800 km pela França? Nenhum!

Eu faria essa viagem de novo. Sem dúvida. Mas eu faria de novo no carro que eu usei da última vez? A encarnação mais recente do Ford Mustang V8 de 5 litros conversível?

Meu Deus, ele é infantil. Tem um desnecessário câmbio de dez marchas, ventilação interna com sete velocidades e um sistema que permite escolher se você quer que o escapamento acorde os vizinhos quando você dá a partida no motor.

Você pode até travar as rodas dianteiras para girar as traseiras em falso. Isso é brilhante, se você tiver 10 anos de idade ou tiver banda de rodagem de sobra nos seus pneus Bridgestone.

Continua após a publicidade

Mas não há como fugir ao fato de que este verdadeiro muscle car conversível V8 grande e bonito, com todos os penduricalhos com que você sonhava – e mais uma centena que nem imaginava – custa só 46.545 libras (R$ 240.000) na versão de seis marchas. É um custo/benefício extraordinário.

Sim, você pode ver onde o dinheiro não foi gasto. A carroceria apresenta uma significativa torção quando a capota está aberta, mas como ele não é vendido como um esportivo puro, não importa.

Além disso, algum tipo de fluido frequentemente gotejava nos meus pés, mas no calor do verão francês, fiquei grato por isso.

Ah, e ele tem um diâmetro de giro de uns 2 km e, por isso, em uma cidade antiga como Bergerac, foi um pouco incômodo. Mas você não vive em uma cidade antiga. Então relaxe.

Você provavelmente está tendo a impressão de que eu perdoaria qualquer coisa no Mustang. E em certa medida sim, porque – caramba! – ele tem um grande coração. Esse é um automóvel que você trata como um cachorro de estimação.

Continua após a publicidade

Eu quero fazer cócegas atrás dos seus espelhos retrovisores e sentar junto ao fogo com ele em noites frias. E, quando ele desenvolver uma oscilação na marcha lenta, você não fica irritado com ele: fica preocupado.

E, no entanto, ele realmente funciona como um carro também.  Depois de uma viagem de volta de 11 horas até Londres, saí dele sem nenhuma dor.

Eu ouvi música em um sistema de som brilhante, gastei muito menos do que esperava em combustível, tinha vento nos meus cabelos quando estava ensolarado e um ar-condicionado gelado quando não estava.

Eu não quero um muscle car americano – eu me sentiria um traidor da causa da boa engenharia – e não preciso de um Mustang. Mas eu sinto tantas saudades do carro que me levou pela França que chega a doer um pouquinho.

Clarksômetro  Ford Mustang 5.0 V8 GT conversível
Motor: V8, 5.038 cm3, 24V, injeção direta e indireta, 450 cv a 7.000 rpm; 53,9 mkgf a 4.600 rpm
Câmbio: Automático, 10 marchas, tração traseira
Peso: 1.818 kg
Desempenho: 0 a 100 km/h em 4,5 s; veloc. máx., 249 km/h
Preço: 48.545 libras (R$ 250.000)
Nota: 4 estrelas

Jeremy Clarkson: É jornalista, apresentador do programa The Grand Tour e celebridade amada pelos fãs e odiada por algumas marcas.

Publicidade