Clique e assine por apenas 8,90/mês

Impressões: VW T-Cross aposta em turbo e espaço para compensar o atraso

SUV quer chegar chegando no segmento que mais cresce em vendas no Brasil. Será que consegue? Veja como anda a versão Highline 250 TSI

Por Paulo Campo Grande - 18 mar 2019, 10h06
Na versão Highline, T-Cross tem grade preta com frisos e detalhes cromados Pedro Danthas/Quatro Rodas

Demorou, mas a VW finalmente está lançando aqui seu primeiro SUV compacto, feito no Brasil.

O pioneiro no segmento é o Ford EcoSport, em 2003. De lá para cá, surgiram Honda HR-V, Hyundai Creta, Jeep Renegade e Nissan Kicks, citando só os mais vendidos.

Agora, a VW quer recuperar o tempo perdido: “Nosso objetivo é ficar em primeiro ou segundo lugar no segmento”, diz o CEO da VW, Pablo Di Si.

O T-Cross chega em quatro versões: 200 1.0 TSI (R$ 84.990), 200 TSI 1.0 automático (R$ 94.490), Confortline 200 1.0 TSI (R$ 99.990) e Highline 250 1.4 TSI (R$ 109.990). Confira a lista completa de preços e versões. E também a dos opcionais.

O teto preto é opcional e ajuda a tornar o visual mais chamativo Pedro Danthas/Quatro Rodas

Na apresentação, a VW disponibilizou apenas a versão Highline 250 TSI, mais completa, para avaliação.

Entre os equipamentos de série, a Highline traz central multimídia, chave presencial, rodas de liga leve aro 17, câmera de ré e o sistema Connect que, através do aplicativo App Connect, permite ao usuário acessar informações do veículo, como gastos com combustível, histórico de viagens e agenda de manutenção.

Painel na cor Bronze Namíbia é opcional na Comfortline Pedro Danthas/Quatro Rodas

Ainda no caso da versão mostrada aqui, há também os opcionais como painel digital, central multimídia com GPS, tela touch e comandos de voz, seletor de modos de condução, assistente de estacionamento, faróis full-led, sistema de som Beats e teto solar panorâmico.

Continua após a publicidade

Com todos esses recursos, o preço vai a R$ 124.840.

A boa notícia para quem busca uma versão com quase tudo é que agora, no lançamento, a VW está oferecendo a série especial First Edition.

Ela acrescenta à Highline painel digital, seletor de modo de condução, central multimídia com GPS, tela touch e comandos de voz e sistema de som Beats, pelo mesmo preço básico de R$ 109.990. Serão produzidas 1.000 unidades.

Câmbio automático tem borboletas em todas as versões Pedro Danthas/Quatro Rodas

Dirigimos o T-Cross em um roteiro de cerca de 200 km, que partiu da fábrica da VW em São José dos Pinhais (PR), onde o carro será produzido, e foi até a Praia dos Amores, em Balneário Camboriú (SC).

Antes mesmo de entrar no carro, pudemos analisar seu design bastante trabalhado, cheio de vincos e superfícies com efeito de luz e sombra.

Por dentro, o visual segue a linguagem apresentada por Polo e Virtus, com linhas retas predominantemente horizontais, mas com a parte frontal retrabalhada que na versão Highline tem acabamento bicolor e aplique que imita alumínio.

Na traseira, o espaço é amplo Pedro Danthas/Quatro Rodas

Da mesma forma que na dupla Polo e Virtus, o acabamento do T-Cross é de boa qualidade no que diz respeito a confecção e encaixe das peças, mas, em relação aos materiais, predominam os plásticos duros.

Continua após a publicidade

A única superfície macia, na versão Highline, está no descanso de braço, nas laterais das portas, revestido de material que imita couro. Nesse aspecto, o Renegade, com seu painel emborrachado, é superior.

A posição de dirigir elevada, típica de SUV, é confortável. Porém, mesmo na versão Highline, os bancos só têm ajustes mecânicos e faltam alças de apoio no teto, tanto na dianteira quanto na traseira.

Os ocupantes de trás viajam com conforto: os joelhos ficam na mesma altura da bacia e a altura do teto é suficiente para pessoas de estatura mediana (até 1,75 m).

Versão First Edition traz sistema de som Beats Pedro Danthas/Quatro Rodas

Cinco pessoas se acomodam sem aperto a bordo do T-Cross.

Apesar de ser ligeiramente menor que seus pares nas medidas de comprimento, altura e largura, o VW é o dono da maior distância entre-eixos, dimensão que tem relação direta com o tamanho da cabine. O VW mede 2,65 m no entre-eixos, enquanto os concorrentes têm 2,57 m (Renegade), 2,59 m (Creta) e 2,61 m (Kicks e HR-V).

No que diz respeito ao porta-malas, o T-Cross conta com um recurso engenhoso na fixação do encosto do banco traseiro, que permite ajustar o espaço destinado à bagagem, aumentando a capacidade do porta-malas de 373 litros para 420 litros.

Mas isso projeta demais o encosto para a frente, comprometendo a postura dos ocupantes. Na comparação com os rivais, o porta-malas do T-Cross, ganha do Renegade (320 litros), mas perde para os demais: HR-V (437), Kicks (432) e Creta (431).

Continua após a publicidade
Há saídas de ar-condicionado e duas entradas USB Pedro Danthas/Quatro Rodas

Ao volante, o T-Cross é um carro dócil e fácil de manobrar. A direção é leve e um pouco indireta. E a suspensão é macia na medida do possível.

Mesmo no asfalto liso, o T-Cross apresenta uma certa aspereza ao rodar, mas isso, segundo os engenheiros, se deve à calibragem feita em função das características de peso e altura do carro, que exigem maior firmeza ao conjunto para tornar o SUV mais estável.

A direção é leve, mas o T-Cross ficou bem assentado. Para os que apreciam maior interação com o carro, quando existe o seletor de modos de condução, é possível regular a assistência (elétrica) da direção para deixar o volante mais firme.

Motor 1.4 TSI gera 128 cv Pedro Danthas/Quatro Rodas

O desempenho do T-Cross equipado com o motor 1.4 TSI turbo flex de 150 cv é bem interessante. Em nosso roteiro, o SUV desenvolveu boa velocidade na estrada, fez ultrapassagens com folga e nos trechos urbanos se comportou bem no trânsito.

De acordo com a fábrica, o T-Cross 250 TSI acelera de 0 a 100 em 8,7 segundos e chega a 198 km/h de velocidade.

O consumo, segundo a fábrica, é de 11 km/l, na cidade, e 13,2 km/l, na estrada, rodando com gasolina. Na hora de parar, vindo a 100 km/h, ele freia em 37,8 metros.

Com preços entre R$ 84.990 e R$ 109.990, o T-Cross tem opções para vários gostos e bolsos.

Continua após a publicidade

200 TSI: a compra racional

Mas, levando em conta a relação custo/benefício, a melhor opção é a versão 200 TSI automática, com propulsor 1.0 também turbo flex de 128 cv.

Ela tem conteúdo mais que suficiente: seis airbags, ESP, auxiliar de partidas em rampa, ar-condicionado, App Connect, trocas de marchas no modo manual no volante e sensor de estacionamento.

Só não conta com recursos tão sofisticados como teto solar e som Beats, que não fazem lá muita diferença na segurança e na dirigibilidade do SUV.

Roda de liga leve tem aro 17 Pedro Danthas/Quatro Rodas

Em relação aos rivais, o T-Cross desafia todos os principais competidores do segmento, do Renegade Sport (R$ 83.990) a HR-V ELX (R$ 108.500) e, pelo que apresentou no test-drive, deverá dar trabalho à concorrência.

À primeira vista, o T-Cross leva vantagem simplesmente por ser um lançamento diante dos rivais, que estão em meio de ciclo de vida, já com mais de três anos no mercado.

E não é só a jovialidade o ponto forte do VW: ele chega com recursos tecnológicos inovadores, como o App Connect, assistente de estacionamento, painel digital e seletor de modos de condução.

Como a VW não permitiu que fizéssemos medições em pista, o veredicto exato de quem é quem no segmento só será possível nas próximas edições, quando vamos alinhar todos eles num comparativo. Antes de começar a faturar o carro para a rede, a VW abriu uma pré-venda online.

Continua após a publicidade

A empresa disponibilizou 800 unidades (400 Comfortline e 400 Highline) aos consumidores com uma série de vantagens, como taxa de 0,99% no financiamento e brindes como cooler e bicicleta dobrável.

Nas primeiras 24 horas foram vendidas 480 unidades, sendo a totalidade de versões Highline disponíveis e 80 Comfortline. Ou seja: mesmo com tantas opções de SUVs compactos no mercado, o consumidor também ansiava por essa novidade.   

Veredicto

O T-Cross vem renovar a oferta de SUVs compactos. Ele é bem equipado, tem estilo, espaço interno confortável e bom desempenho.

Ficha Técnica

VW T-Cross Highline 250 TSI – R$ 109.990

  • Motor: flex, dianteira, transversal, 4 cil., 16V, 1.395 cm3, 74,5 x 80 mm, 150 cv a 5.000 rpm, (G/E) 25,5 mkgf a 1.500 rpm (G/E)
  • Câmbio: automático, 6 marchas, tração dianteira
  • Suspensão: McPherson (dianteira)/eixo de torção (traseira)
  • Freios: disco ventilado (dianteira) e sólido (traseira)
  • Direção: elétrica
  • Rodas e pneus: liga leve, 205/55 R17
  • Dimensões: comprimento, 419,9 cm; largura, 175,1 cm; altura, 156,8 cm; entre-eixos, 265,1 cm; peso, n/d; tanque, 50 l; porta-malas, 373 l
Publicidade