Clique e assine por apenas 8,90/mês

Honda CG 125: relembre a trajetória da icônica moto recém-aposentada

Modelo chegou ao fim de linha após 42 anos e 7 milhões de unidades. Foi a primeira motocicleta a álcool do mundo e conquistou até o Rei Pelé

Por Thais Villaça - 5 fev 2019, 14h07
Rei Pelé foi o garoto-propaganda da primeira geração da CG 125 Divulgação/Honda

Muitos motociclistas no país aprenderam a pilotar em uma Honda CG 125. Tanto que ela se tornou o veículo mais vendido no mercado brasileiro, com cerca de 7 milhões de unidades.

Em 31 de janeiro, a Honda anunciou sua “morte” – a produção do modelo foi encerrada no final do ano passado devido à obrigatoriedade da adoção de freios ABS ou CBS (freios combinados) a todas as motos zero-km até o fim de 2019.

A marca entendeu que não havia sentido investir em um produto que representa menos de 10% da família CG, dominado pela “irmã maior” CG 160.

Por ser uma moto tão emblemática no mercado nacional, reunimos aqui os fatos mais marcantes de sua trajetória em 42 anos de existência.

Continua após a publicidade
Primeira moto da Honda fabricada no Brasil foi a CG 125 conhecida como Bolinha Divulgação/Honda

1976 – A primeira geração da CG 125, também conhecida como Bolinha, estreou a linha de produção da fábrica da Honda em Manaus (AM). Tinha motor de 125 cm³ com 10,4 cv de potência. O Rei Pelé foi chamado para ser o garoto-propaganda da moto.

Versão Ecco tinha sistema de economia de combustível Divulgação/Honda

1978 – A versão Ecco tinha uma profusão de cromados, câmbio rotativo de quatro marchas e sistema de economia de combustível. O motor de quatro tempos era um diferencial por ser menos poluente que os motores de dois tempos.

Primeira moto do mundo movida a álcool Divulgação/Honda

1981 – O modelo foi o primeiro no mundo a receber um motor a álcool, além de contar com câmbio de cinco marchas – oferecido na versão a gasolina apenas dois anos depois.

Apesar de o preço ser o mesmo, o consumo da novidade era 18% maior, fato compensado pelo preço mais baixo do etanol.

Continua após a publicidade
Câmbio de cinco marchas e design atualizado eram novidades do modelo 1983 Divulgação/Honda

1983 – Versão a gasolina recebe o câmbio de cinco marchas. O design também foi atualizado, com linhas mais retas, novos piscas, lanternas e comandos no guidão, além de para-lama traseiro na cor da moto.

A balança traseira ficou mais longa, o guidão, mais alto tanque, os pneus aumentaram e o modelo passava a contar com 12 litros.

Cargo tinha banco individual e bagageiro reforçado Divulgação/Honda

1989 – A versão Today era apresentada com 74 alterações no chassi e 70 no motor de 124 cm3 de cilindrada e 12,5 cv, incluindo sistema de ignição mais moderno CDI (ignição de descarga do capacitor).

No mesmo ano chegava a versão Cargo para uso comercial, com assento individual e bagageiro cromado reforçado. Também recebia todas as alterações da Today.

Continua após a publicidade
CG 125 Titan passou por diversas mudanças estéticas Divulgação/Honda

1994 – A moto passa a se chamar CG 125 Titan após passar por diversas mudanças estéticas, como tanque mais arredondado para melhorar o encaixe das pernas e com capacidade aumentada para 13 litros. A garupa ganhava duas alças laterais, nova rabeta e tampas laterais.

Modelo desenvolvido para exportação aos países França, Inglaterra e Portugal Divulgação/Honda

1995 – Uma versão feita exclusivamente para importação tinha características diferenciadas para atender às legislações locais como capa de corrente integral, piscas exclusivos e farol redondo com lâmpada amarela. O modelo foi exportado para França, Inglaterra e Portugal.

Titan KS trazia novidades no design e tecnologia que retardava esvaziamento do pneu Divulgação/Honda

2001 – A CG Titan recebeu a nomenclatura KS e passou a contar com conjunto óptico com lentes de policarbonato, novo design do painel, traseira com rabeta e lanterna integradas, assento mais largo, guidão mais alto e melhor encaixe das pernas do piloto.

Também trazia tecnologia Tuff-up no pneu traseiro, que retardava o esvaziamento em caso de furo.

Continua após a publicidade
Pintura dourada comemorava as 5 milhões de unidades produzidas Divulgação/Honda

2003 – Para comemorar as cinco milhões de unidades produzidas no Brasil, a CG 125 ganhava pintura dourada exclusiva.

Versão 125 Fan recebia novidades no motor Divulgação/Honda

2006 – Chega a versão CG 125 Fan, que trazia uma novidade no motor: a válvula Pair, que injetava oxigênio próximo da válvula de escapamento para diminuir as emissões de gases poluentes.

Modelo mais recente da CG 125, cuja produção foi encerrada em dezembro Divulgação/Honda

2018 – Chega ao fim a produção da icônica CG 125. O modelo continua à venda em 2019 até o fim dos estoques.

Publicidade