Clique e assine por apenas 8,90/mês

Híbrido mais barato do Brasil, novo Toyota Corolla parte de R$ 99.990

Sedã nunca mudou tanto quanto agora: plataforma, motorização, suspensão traseira independente e câmbio que simula dez marchas

Por Henrique Rodriguez - Atualizado em 3 set 2019, 20h10 - Publicado em 3 set 2019, 17h58
Sedã médio se modernizou por completo nesta nova geração Fernando Pires/Quatro Rodas

Em 27 anos de Brasil, o Toyota Corolla nunca passou por uma evolução tão grande em uma troca de geração como agora.

Ele poderia ficar marcado pela plataforma GA-C, pelo revolucionário câmbio CVT de dez marchas, sendo nove simuladas mais uma real, ou pelo novo motor 2.0 Dynamic Force.

Mas vai além: é o primeiro carro híbrido pleno fabricado no Brasil e o primeiro híbrido flex do mundo.

Frisos nas laterais são oferecidos como acessório pelo fabricante Fernando Pires/Quatro Rodas

Antes de começarmos a aprofundar nas novidades técnicas do sedã, melhor acabar com o mistério dos preços. Aí vão eles:

  • Corolla GLi 2.0  – R$ 99.990
  • Corolla XEi 2.0 – R$ 110.990
  • Corolla Altis 2.0 – R$ 124.990
  • Corolla Altis Hybrid Flex 1.8 – R$ 124.990
  • Corolla Altis Hybrid Flex Premium 1.8 – R$ 130.990
Plataforma é a mesma TNGA utilizada pelo Prius Fernando Pires/Quatro Rodas

Se você conhece bem o Corolla, já percebeu algumas boas mudanças só em ver a lista de versões e preços. Sim, o motor 1.8 Dual VVTi de 144 cv foi aposentado e agora a versão GLi usa o mesmo 2.0 das versões seguintes.

E sim, um Corolla Altis 2. 0 custa o mesmo que um Altis híbrido. Agora é hora de tentar explicar essa estratégia da Toyota.

Por trás de tantas novidades está a plataforma GA-C, baseada na arquitetura TNGA.

Com ela, o Corolla passa a ter chassi 60% mais rígido e seu centro de gravidade está 1 cm mais baixo, pois, motor e transmissão puderam ser alocados em posição mais baixa.

Versões Altis têm interior bicolor Fernando Pires/Quatro Rodas

Para aproveitar essa melhora, a Toyota instalou pela primeira vez suspensão independente no eixo traseiro.  O conjunto duplo A substitui o antigo, de eixo de torção.

O que não houve foi um grande aumento de dimensões.

São 4,63 m de comprimento (1 cm a mais) 1,78 m de largura ( ganho de 0,5 cm) e 1,45 m de altura (redução de 2 cm). Até o porta-malas segue com 470 litros de capacidade.

Túnel central forma um pequeno degrau no assoalho traseiro Fernando Pires/Quatro Rodas

A nova base vem acompanhada de design ainda menos conservador que o da geração passada. Tudo bem que não recebemos o sedã com o mesmo visual dos Estados Unidos, mas o visual europeu tem suas bossas.

Porta-malas do Corolla tem 470 litros de capacidade, como na geração passada Fernando Pires/Quatro Rodas

A tomada de ar dianteira ocupa boa parte da dianteira e é aparada por espécies de guelras para os faróis de neblina (que são de leds a partir da versão XEi).

Os faróis são mais estreitos que os do americano, com projetores e duas luzes diurnas de leds ou, no caso do Altis, dois J iluminados.

Nova central multimídia conversa com Android Auto e Apple Carplay Fernando Pires/Quatro Rodas

Atrás, as lanternas também estão mais estreitas e são interligadas por um friso cromado. Na lateral, chama atenção que há rodas aro 17 nas versões XEi e Altis, e aro 16 na GLi, mas o perfil nem parece tão diferente.

O próprio entre-eixos é o mesmo de antes: 2,70 m.

Híbrido flex

Logotipos com fundo azul identificam a versão híbrida Fernando Pires/Quatro Rodas

Se você acompanhou o teste de Longa Duração do Prius, conhece bem o conjunto híbrido do Corolla.

Ele também usa o motor 1.8 VVT-i Atkinson, mas agora convertido para também queimar etanol. Mantém os 98 cv com gasolina, mas a potência sobe para 101 cv com etanol. O torque é sempre de 14,5 mkgf.

Fernando Pires/Quatro Rodas

O auxílio elétrico vem de um conjunto com dois motores elétricos (MG1 e MG2) de 72 cv de potência e 16,6 mkgf de torque, alimentados pela bateria de níquel-hidreto metálico, instalada sob o banco traseiro.

A recarga é feita pelos próprios motores elétricos, que podem funcionar como freios regenerativos ao mesmo tempo que alimentam a bateria. O câmbio é CVT, mas em uma arquitetura com planetária e engrenagem.

Motor a combustão tem até 101 cv de potência com etanol Fernando Pires/Quatro Rodas

De acordo com os testes do Inmetro, o Corolla híbrido é capaz de rodar 14,5 km/l na estrada e 16,3 km/l na cidade quando com gasolina. Já com etanol as médias caem para 9,9 km/l na estrada e 10,9 km/l na cidade.

A boa notícia é que o etanol é muito mais limpo que a gasolina. Com o combustível vegetal, o Corolla se torna o veículo híbrido mais limpo do planeta.

A Toyota espera que o novo Corolla continue com sua média de 4.500 unidades vendidas por mês. Porém, 1.000 desses carros deverão ser das versões híbridas.

Continua após a publicidade

GLi com motor 2.0

Motor 2.0 Dynamic Force tem comando de válvulas comandado por motor elétrico Divulgação/Toyota

Mas quem realmente soa como novidade é o motor 2.0 Dynamic Force, com comando de válvulas variável inteligente VVT-iE – comandado por um motor elétrico na admissão e por pressão de óleo para as válvulas de escape.

Esse novo 2.0 também trabalha com sistemas de injeção direta e indireta, que se alternam de acordo com as exigências do motor.

Assim como o 1.8 da versão híbrida flex, ele simula o ciclo Atkinson, o que aumenta a duração do tempo de compressão e otimiza o consumo de combustível.

Caso funcionasse em ciclo Otto convencional, sua potência poderia chegar a 200 cv, segundo cálculo dos engenheiros da Toyota.

Versões com o motor convencional têm logotipos de fundo preto Divulgação/Toyota

Se o antigo motor tinha 154 cv e 20,7 mkgf com etanol e 143 cv e 19,4 mkgf com gasolina, o novo entrega 177 cv com etanol e 169 cv com gasolina. O torque é de 21,4 mkgf com os dois combustíveis.

O novo câmbio é igualmente sofisticado. O novo CVT Direct Shift tem 10 marchas, sendo que a primeira marcha funciona por engrenagem (quase como em uma transmissão manual), e não por meio das polias do CVT.

Além de deixar o carro mais ágil nas saídas, promete maior eficiência.

Corolla XEi Divulgação/Toyota

Enquanto o conjunto híbrido chega importado do Japão, o motor 2.0 Dynamic Force será fabricado na planta de motores da Toyota em Porto Feliz (SP).

Como é cada versão

Corolla GLi 2.0  – R$ 99.990

São de série central multimídia com tela de 8 polegadas com Android Auto, Apple CarPlay, câmera de ré ar-condicionado manual, banco do motorista com ajuste de altura manual, sete airbags, controles de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa, quadro de instrumentos com tela TFT 4,2″ colorida, interior preto e bancos parcialmente revestidos de couro, além de Isofix e cintos de três pontos.

Versões a gasolina tem quadro de instrumentos com tela de LCD de 4,2″ Divulgação/Toyota

Por fora, não tem faróis de neblina e seus faróis principais são halógenos com leds apenas para drl. As rodas são aro 16, há repetidores de setas nos retrovisores e as lanternas têm leds apenas nas luzes de freio, ré e de neblina.

Corolla XEi 2.0 – R$ 110.990

Versão XEi tem interior todo preto – não há sequer maçanetas cromadas Divulgação/Toyota

A versão intermediária XEi tende a continuar como a preferida dos compradores de Corolla.

Adiciona à lista do GLi ar-condicionado automático, bancos de couro, controle de velocidade de cruzeiro, modo Sport, borboletas para trocas de marcha manuais, partida sem chave, faróis de neblina dianteiros de leds e espelho retrovisor interno eletrocrômico.

Corolla Altis 2.0 – R$ 124.990

Soma faróis dianteiros de leds e o pacote de segurança Toyota Safety Sense. Ele engloba o alerta de mudança de faixa involuntária, o controle de velocidade de cruzeiro adaptativo, o farol alto automático e o assistente pré-colisão que avisa da iminência do choque e também é capaz de frear o veículo.

Teto solar é novidade no Corolla Fernando Pires/Quatro Rodas

No Altis com motor a combustão, o pacote Premium é padrão. Ele inclui ar-condicionado automático Dual Zone, banco do motorista com oito regulagens elétricas para oito ajustes, espelhos retrovisores externos com rebatimento elétrico, teto solar, sensor de chuva e faróis, lanternas traseiras com todas as luzes de leds e interior com couro bege e marrom

Corolla Altis Hybrid Flex 1.8 – R$ 124.990

Versões híbridas têm quadro de instrumentos com tela de 7″ Divulgação/Toyota

Custa exatamente o mesmo que o Corolla Altis com mecânica convencional, mas não tem nenhum dos itens do pacote Premium. Por outro lado, o conjunto híbrido garante o quadro de instrumentos diferenciado com tela de 7 polegadas colorida, semelhante a usada pelo novo RAV4. Contudo, não tem borboletas para trocas manuais.

Corolla Altis Hybrid Flex Premium 1.8 – R$ 130.990

Seus R$ 6.000 de diferença representam a inclusão dos itens do pacote Premium. Na prática, só o Altis Hybrid Premium tem os mesmos equipamentos do Altis 2.0.

Garantia mais longa

A Toyota ainda mudou o plano de garantia do Corolla, que passa de três anos para cinco tanto para as versões 2.0 como para as híbridas – que têm garantia de oito anos apenas para o conjunto híbrido.

Outra novidade é a possibilidade de comprar o carro já com blindagem, que será feita por meio de duas empresas certificadas (Inbra e Evolution) e não afetará a garantia. A proteção será sempre Nível III A.

Cor cinza celestial foi escolhida para o lançamento Fernando Pires/Quatro Rodas

O Toyota Corolla está disponível nas cores Branco Polar (sólido), Branco Perolizado, além das cores metálicas: preto Eclipse, prata Supernova, vermelho Granada, marrom Urban e a nova cinza Celestial.

Ficha técnica

Corolla Altis Hybrid Flex Premium

  • Motor: flex, dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, , DOHC, 1.798 cm3; 16V, 80,5 x 88,3 mm, 13,0:1, 101/98 cv a 5.200 rpm, 14,5/14,5 mkgf a 3.600 rpm
  • Motor elétrico: 72 cv e 16,6 mkgf
  • Câmbio: automático, CVT planetário, tração dianteira
  • Suspensão: McPherson (dianteira), Duplo A (traseira)
  • Freios: disco ventilado (dianteira) e disco sólido (traseira)
  • Direção: elétrica, diâmetro de giro de 10,8 m
  • Rodas e pneus: liga leve, 225/45 R17
  • Dimensões:comprimento, 463 cm; largura, 177,5 cm; altura, 145,5 cm; entre-eixos, 270 cm; peso, 1.445 kg; tanque, 43 l; porta-malas, 470 litros

Corolla XEi 2.0

  • Motor: flex, dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, injeção direta e indireta, 1.986 cm³, 16V, 80,5 x 97,6 mm, 177/169 cv a 6.600 rpm, 21,4/21,4 mkgf a 4.400 rpm
  • Câmbio: automático CVT com 10 marchas (9 simuladas), tração dianteira
  • Suspensão: McPherson (dianteira), Duplo A (traseira)
  • Freios: disco ventilado (dianteira) e disco sólido (traseira)
  • Direção: elétrica, diâmetro de giro de 10,8 m
  • Rodas e pneus: liga leve, 225/45 R17
  • Peso: 1.405 kg
  • Peso/potência: 7,94/8,31 kg/cv
  • Peso/torque: 65,65/65,65 kg/mkgf
  • Dimensões: comprimento, 463,0 cm; largura, 178,0 cm; altura, 145,5 cm; entre-eixos, 270,0 cm; porta-malas, 470 litros, tanque de combustível, 50 litros
Continua após a publicidade
Publicidade