Grandes Brasileiros: Volkswagen Santana Sport

As versões mais agressivas do Santana reforçaram o caráter esportivo de um sedã rápido e de boa dirigibilidade

Nascida no túnel de vento, segunda geração era 11% mais aerodinâmica Nascida no túnel de vento, segunda geração era 11% mais aerodinâmica

Nascida no túnel de vento, segunda geração era 11% mais aerodinâmica (Xico Buny/Quatro Rodas)

Na edição de novembro de 1988, QUATRO RODAS definiu o Santana GL: “Com força de jovem”. Na ocasião, o mais sofisticado automóvel produzido pela VW no Brasil recebia um motor de 2 litros.

Com 112 cv e 17,3 mkgf, o novo propulsor estava à altura do conjunto formado pela direção hidráulica progressiva, suspensões bem acertadas e carroceria de duas portas, exclusiva para o mercado brasileiro.

O motor também era uma resposta à General Motors, que havia equipado o Monza com um quatro cilindros de mesma cilindrada no ano anterior.

O generoso torque em baixas rotações e o câmbio de relações curtas deixavam o Santana imbatível nas retomadas. A dirigibilidade dócil tornava-se arisca à menor pisada no acelerador.

De todas as versões, a intermediária GL era a mais esportiva: posicionada entre a CL (de entrada) e a GLS (topo), trazia as rodas do Passat GTS Pointer com acabamento diamantado, pneus de perfil 60 e opcionais como ar-condicionado, vidros e travas elétricas e até um teto solar alemão.

Aerofólio, lanternas fumê, rodas do Gol GTS; a versão Sport era um Santana de alma jovem Aerofólio, lanternas fumê, rodas do Gol GTS; a versão Sport era um Santana de alma jovem

Aerofólio, lanternas fumê, rodas do Gol GTS; a versão Sport era um Santana de alma jovem (Xico Buny/Quatro Rodas)

A despedida anunciada do Passat fez com que o Santana GL assumisse o posto de esportivo familiar, embora de forma discreta.

Essa sobriedade seria quebrada um ano depois, com a linha 1990. Oferecido nas cores vermelho, branco e preto, o Santana Sport destacou-se pelos frisos vermelhos nos para-choques, lanternas fumê, faixas laterais, retrovisores na cor da carroceria e ponteira de escape oval. Os faróis eram os mesmos da versão GLS.

O detalhe mais exótico da decoração era o acabamento das rodas: face diamantada com fundo prata, totalmente prata ou face diamantada e fundo branco, sempre de acordo com a tonalidade da carroceria.

O interior seguia a mesma receita: vermelho nos frisos do painel, nas laterais de porta, na instrumentação e na padronagem dos bancos Recaro.

Volante revestido de couro e bancos Recaro eram de série Volante revestido de couro e bancos Recaro eram de série

Volante revestido de couro e bancos Recaro eram de série (Xico Bunny/)

O sucesso da carroceria duas portas era tão grande que foi escolhida para estrear a segunda geração, em 1991. Completamente remodelado, o Santana incorporava elementos de estilo dos VW e Audi alemães. Desenvolvida em túnel de vento, a carroceria era 11% mais aerodinâmica que o modelo anterior, algo perceptível no desenho arredondado e na supressão das calhas de teto.

Bem-sucedida, a segunda geração recebeu injeção eletrônica e freios ABS para conter o avanço do Monza, dos importados e de novos concorrentes (Fiat Tempra e Ford Versailles).

A linha parecia completa, mas faltava o apelo de esportividade tão presente no anterior. Para alegria dos entusiastas, o Santana Sport foi reeditado em 1993: a cor vermelha foi suprimida, mas eram mantidos o preto Gótico e o branco Star. As rodas de liga vinham do Gol GTS (conhecidas como Orbital) e o porta-malas recebia um discreto aerofólio com a terceira luz de freio integrada.

Na traseira, as inscrições “Sport” e “2000i” indicavam o uso do motor 2 litros com injeção eletrônica Bosch LE-Jetronic. Seus 112 cv e 17,5 kgfm faziam bonito no Gol GTI, mas já não davam conta de enfrentar o Fiat Tempra 16V e o Chevrolet Vectra.

O modelo já conta com rádio com display digital O modelo conta com rádio com display digital

O modelo conta com rádio com display digital (Xico Buny/Quatro Rodas)

A lista de itens de série era generosa: ar-condicionado, vidros, travas e espelhos elétricos, moldura da placa traseira com extensão das lanternas, faróis de neblina, volante e manopla de câmbio em couro, bancos Recaro, para-choques na cor da carroceria, antena no teto e chave com iluminação. Apenas o ABS era opcional.

Restaram poucas unidades do Sport de segunda geração: uma delas é este exemplar das fotos, do colecionador Kauê de Carvalho. Preterido pelo público, o Santana de duas portas foi fabricado até 1995 em uma versão denominada Série Única: o apelo esportivo se resumia ao acabamento e opcionais da versão GLi e ao mesmo aerofólio do Sport.

Ficha técnica – VW Santana Sport 1993

  • Motor: longitudinal, 4 cilindros em linha, 1.984 cm3, comando de válvulas simples no cabeçote, 112 cv a 5.600 rpm, 17,5 mkgf a 3.400 rpm, injeção eletrônica
  • Câmbio: manual de 5 marchas, tração dianteira
  • Dimensões: comprimento, 457 cm; largura, 142 cm; altura, 168 cm; entre-eixos, 255 cm; peso, 1.160 kg
  • Pneus: 195/60 HR 14

Teste QUATRO RODAS – abril de 1991

  • Aceleração 0 a 100 km/h: 11,4 segundos
  • Velocidade máxima: 170 km/h
  • Consumo: 9 km/l (urbano), 13,1 km/l (estrada)
  • Preço: n/d
Veja também
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Dax Consultoria Automotiva

    Uma pena esse visual e acabamento terem saído apenas com a injeção LE-Jetronic. Teria sido uma bela oportunidade para a VW ter ousado com um motor turbo, um cabeçote 16V, ou até mesmo a versão 5 cilindros (propulsor que o Passat alemão B2, equivalente ao nosso primeiro Santana, teve). Tenho uma Quantum GLSi preto gótico, saudades desse tempo onde fabricantes nacionais tentavam se esmerar no acabamento e propiciar aos motoristas experiências prazerosas ao volante de seus modelos.

  2. joznildo cipriano

    Bancos recaro… imbatíveis.