Clique e assine por apenas 8,90/mês

Grandes Brasileiros: Ford Galaxie iniciou era dos nacionais automáticos

Grandalhão era referência de luxo, conforto e suavidade ao rodar

Por Felipe Bitu - Atualizado em 31 jan 2020, 12h28 - Publicado em 20 abr 2018, 17h22
Ford Galaxie LTD
Com 5,40 metros, o LTD só ficava à vontade em garagem de mansão Marco de Bari/Quatro Rodas

Nos anos 60, era fácil importar um sedã de luxo. Difícil era mantê-lo, dada a carência de peças de reposição e falta de mão de obra qualificada.

Mas havia uma alternativa para esse público: num Brasil cheio de Fusca e DKW, luxo era ter espaço interno generoso, rodar macio e motor forte.

Mas ainda era pouco diante dos importados, por isso a Ford decidiu enfrentá-los com um Galaxie mais potente e requintado: o LTD (Limited) fazia sua primeira aparição na linha 1969.

Ele ganhou o motor V-Block de 4,8 litros (e 190 cv) e foi o primeiro nacional a oferecer o câmbio automático.

Continua após a publicidade

No interior, direção hidráulica, ar-condicionado, banco traseiro com apoio de braço central e apliques de jacarandá-da-baía nas portas e painel. Por fora, teto de vinil preto, grade redesenhada, frisos e emblemas exclusivos.

Ford Galaxie LTD
O teto revestido de vinil dava um toque de exclusividade ao velho Galaxie Marco de Bari/Quatro Rodas

Faltava apenas o aval dos especialistas: entre 1969 e 1971, o LTD passou pelo crivo dos pilotos Stirling Moss, Jackie Stewart, Colin Chapman e Emerson Fittipaldi, cujas avaliações foram publicadas na QUATRO RODAS.

Todos elogiaram conforto, silêncio e acabamento, mas não gostaram de freios, desempenho e estabilidade. O LTD não era feito para andar rápido, mas sim para ser curtido com calma, de preferência no banco de trás.

Ford Galaxie LTD
Painel de instrumentos com velocímetro horizontal e um relógio logo acima do volante Marco de Bari/Quatro Rodas

Mesmo sem rivais no Brasil, a Ford não se acomodou: o Galaxie tornou-se ainda mais exclusivo em 1971, quando o LTD virou LTD Landau.

Continua após a publicidade

O vidro traseiro foi substituído por outro menor e a coluna traseira recebia um adorno simulando a dobradiça da capota basculante das carruagens de mesmo nome. Os freios passavam a ser servoassistidos, recebendo discos dianteiros apenas no ano seguinte.

Uma leve reestilização veio na linha 1973: lanternas trapezoidais e piscas inseridos em painéis metálicos que ladeavam a grade. Em 1976, viria a última mudança: os quatro faróis agora estavam na horizontal, com os piscas deslocados para as extremidades.

A traseira recebia seis lanternas, com a ré no para-choque, e as calotas agora eram lisas, ostentando o logotipo da Lincoln americana. O mesmo logotipo, só que na horizontal, ressurgia sobre o capô, como uma mira. Abaixo dele, um V8 5.0 de 199 cv.

Ford Galaxie LTD
Para dar conta dos 1.834 kg, os 199 cv do V8 eram escassos Marco de Bari/Quatro Rodas

A partir desse ano, o LTD passa a ser o Galaxie intermediário, desvinculado do Landau: perde o vidro traseiro menor, porém é o único a permitir a escolha da cor do vinil do teto, preto ou areia. É desse ano o carro das fotos.

Continua após a publicidade

“Dos LTD, este era o top, já que contava com todos os opcionais, opção interessante por ser mais barato que o Landau básico, que não oferecia ar-condicionado e câmbio automático”, diz o colecionador Luiz Henrique Mangolin.

Ford Galaxie LTD
Como todo sedã de luxo da época, não faltavam cromados Marco de Bari/Quatro Rodas

Em 1979, o ar-condicionado era integrado ao painel, sem a enorme caixa evaporadora sob ele. Em 1980 estreava a versão a álcool: oferecia mais torque em baixa rotação e mais potência em alta, o que se traduziu em uma elasticidade ímpar.

Seu único problema era a autonomia, já que o consumo médio de 4,41 km/l secava logo o tanque de 107 litros.

Ford Galaxie LTD
Capacidade de 700 litros no porta-malas, que só não era maior devido ao estepe Marco de Bari/Quatro Rodas

O LTD acabaria em 1981, logo após o fim do irmão pobre Galaxie 500. Todas as unidades produzidas naquele ano saíram da fábrica no bairro do Ipiranga, em São Paulo, com ar e câmbio automático. O irmão rico Landau permaneceria em linha até 1983, inigualado em maciez e espaço interno até hoje.

Ficha técnica – Ford Galaxie LTD 1976

  • Motor: longitudinal, V8, 4.950 cm3, 2 válvulas por cilindro, comando de válvulas simples no bloco, alimentação por carburador de corpo duplo
  • Potência: 199 cv a 4.000 rpm
  • Torque: 30,6 mkgf a 2.800 rpm
  • Câmbio: automático de 3 marchas, tração traseira
  • Dimensões: comprimento, 541,3 cm; largura, 199,9 cm; altura, 141,2 cm; entre-eixos, 302 cm; peso, 1834 kg
  • Suspensão: Dianteira: independente, com molas helicoidais. / Traseira: eixo rígido, molas helicoidais
  • Pneus: 7,75 x 15, diagonais

Teste QUATRO RODAS – julho de 1972

  • Aceleração 0 a 100 km/h: 14,4 s
  • Velocidade máxima: 156,87 km/h
  • Frenagem 80 km/h a 0: 30,55 m
  • Consumo: 3,5 km/l (cidade) e 5,2 km/l (estrada, vazio)
  • Preço (novembro de 1970): Cr$ 40.375
  • Atualizado (IGP-DI/FGV): R$ 214.466
Publicidade