Grandes Brasileiros: Ford Galaxie LTD

Referência nacional de luxo, conforto e suavidade ao rodar, ele iniciou a era dos automáticos nacionais

Ford Galaxie LTD Com 5,40 metros, o LTD só ficava à vontade em garagem de mansão

Com 5,40 metros, o LTD só ficava à vontade em garagem de mansão (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Nos anos 60, era fácil importar um sedã de luxo. Difícil era mantê-lo, dada a carência de peças de reposição e falta de mão de obra qualificada.

Mas havia uma alternativa para esse público: num Brasil cheio de Fusca e DKW, luxo era ter espaço interno generoso, rodar macio e motor forte.

Mas ainda era pouco diante dos importados, por isso a Ford decidiu enfrentá-los com um Galaxie mais potente e requintado: o LTD (Limited) fazia sua primeira aparição na linha 1969.

Ele ganhou o motor V-Block de 4,8 litros (e 190 cv) e foi o primeiro nacional a oferecer o câmbio automático. No interior, direção hidráulica, ar-condicionado, banco traseiro com apoio de braço central e apliques de jacarandá-da-baía nas portas e painel. Por fora, teto de vinil preto, grade redesenhada, frisos e emblemas exclusivos.

Ford Galaxie LTD O teto revestido de vinil dava um toque de exclusividade ao velho Galaxie

O teto revestido de vinil dava um toque de exclusividade ao velho Galaxie (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Faltava apenas o aval dos especialistas: entre 1969 e 1971, o LTD passou pelo crivo dos pilotos Stirling Moss, Jackie Stewart, Colin Chapman e Emerson Fittipaldi, cujas avaliações foram publicadas na QUATRO RODAS.

Todos elogiaram conforto, silêncio e acabamento, mas não gostaram de freios, desempenho e estabilidade. O LTD não era feito para andar rápido, mas sim para ser curtido com calma, de preferência no banco de trás.

Ford Galaxie LTD Painel de instrumentos com velocímetro horizontal e um relógio logo acima do volante

Painel de instrumentos com velocímetro horizontal e um relógio logo acima do volante (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Mesmo sem rivais no Brasil, a Ford não se acomodou: o Galaxie tornou-se ainda mais exclusivo em 1971, quando o LTD virou LTD Landau.

O vidro traseiro foi substituído por outro menor e a coluna traseira recebia um adorno simulando a dobradiça da capota basculante das carruagens de mesmo nome. Os freios passavam a ser servoassistidos, recebendo discos dianteiros apenas no ano seguinte.

Uma leve reestilização veio na linha 1973: lanternas trapezoidais e piscas inseridos em painéis metálicos que ladeavam a grade. Em 1976, viria a última mudança: os quatro faróis agora estavam na horizontal, com os piscas deslocados para as extremidades.

A traseira recebia seis lanternas, com a ré no para-choque, e as calotas agora eram lisas, ostentando o logotipo da Lincoln americana. O mesmo logotipo, só que na horizontal, ressurgia sobre o capô, como uma mira. Abaixo dele, um V8 5.0 de 199 cv.

Ford Galaxie LTD Para dar conta dos 1.834 kg, os 199 cv do V8 eram escassos

Para dar conta dos 1.834 kg, os 199 cv do V8 eram escassos (Marco de Bari/Quatro Rodas)

A partir desse ano, o LTD passa a ser o Galaxie intermediário, desvinculado do Landau: perde o vidro traseiro menor, porém é o único a permitir a escolha da cor do vinil do teto, preto ou areia. É desse ano o carro das fotos.

“Dos LTD, este era o top, já que contava com todos os opcionais, opção interessante por ser mais barato que o Landau básico, que não oferecia ar-condicionado e câmbio automático”, diz o colecionador Luiz Henrique Mangolin.

Ford Galaxie LTD Como todo sedã de luxo da época, não faltavam cromados

Como todo sedã de luxo da época, não faltavam cromados (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Em 1979, o ar-condicionado era integrado ao painel, sem a enorme caixa evaporadora sob ele. Em 1980 estreava a versão a álcool: oferecia mais torque em baixa rotação e mais potência em alta, o que se traduziu em uma elasticidade ímpar.

Seu único problema era a autonomia, já que o consumo médio de 4,41 km/l secava logo o tanque de 107 litros.

Ford Galaxie LTD Capacidade de 700 litros no porta-malas, que só não era maior devido ao estepe

Capacidade de 700 litros no porta-malas, que só não era maior devido ao estepe (Marco de Bari/Quatro Rodas)

O LTD acabaria em 1981, logo após o fim do irmão pobre Galaxie 500. Todas as unidades produzidas naquele ano saíram da fábrica no bairro do Ipiranga, em São Paulo, com ar e câmbio automático. O irmão rico Landau permaneceria em linha até 1983, inigualado em maciez e espaço interno até hoje.

Veja também

Ficha técnica – Ford Galaxie LTD 1976

  • Motor: longitudinal, V8, 4.950 cm3, 2 válvulas por cilindro, comando de válvulas simples no bloco, alimentação por carburador de corpo duplo
  • Potência: 199 cv a 4.000 rpm
  • Torque: 30,6 mkgf a 2.800 rpm
  • Câmbio: automático de 3 marchas, tração traseira
  • Dimensões: comprimento, 541,3 cm; largura, 199,9 cm; altura, 141,2 cm; entre-eixos, 302 cm; peso, 1834 kg
  • Suspensão: Dianteira: independente, com molas helicoidais. / Traseira: eixo rígido, molas helicoidais
  • Pneus: 7,75 x 15, diagonais

Teste QUATRO RODAS – julho de 1972

  • Aceleração 0 a 100 km/h: 14,4 s
  • Velocidade máxima: 156,87 km/h
  • Frenagem 80 km/h a 0: 30,55 m
  • Consumo: 3,5 km/l (cidade) e 5,2 km/l (estrada, vazio)
  • Preço (novembro de 1970): Cr$ 40.375
  • Atualizado (IGP-DI/FGV): R$ 214.466
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s