Grandes Brasileiros: Fiat Panorama

Ideia certa na hora certa, ela chegou para carregar famílias, mas não deu conta da concorrência

Fiat Panorama Baseada no Fiat 147, a perua foi desenvolvida no Brasil

Baseada no Fiat 147, a perua foi desenvolvida no Brasil  (/)

Os anos 70 foram um período especial para as famílias brasileiras: o milagre econômico trouxe a TV colorida e os toca-fitas de gaveta, de onde saíam as vozes de Abba e Bee Gees. Parecia até que ia acabar com chave de ouro, mas na virada para a década de 80 a vida ficou mais cara: a inflação disparava e a gasolina ficava cada vez mais cara, e mesmo as viagens curtas abriam um rombo nos orçamentos domésticos. Cenário pessimista, mas ideal para a Fiat Panorama.

Apresentada em março de 1980, a primeira perua da Fiat cumpria direitinho a lição de casa definida pelo designer italiano Dante Giacosa. Seus 3,9 metros cabiam nas menores vagas, mas o aproveitamento do interior era fora do comum. Era um banho de racionalidade em cima da VW Brasília (que nem era uma perua de fato) e seu espaço interno não ficava muito longe das grandalhonas Ford Belina e Chevrolet Caravan.

Até o estepe no cofre do motor ajudava, mas a herança do pequeno 147 terminava na coluna central: dali para trás, tudo era criação brasileira. Na lateral, um enorme sulco vertical denunciava o enxerto de chapas de aço e o teto em dois níveis era outra marca de nascença, que melhorava o espaço interno e aumentava a rigidez torcional, sempre crítica em peruas. A única coisa importada era o nome, emprestado de uma prima italiana.

Fiat Panorama Ela levava impressionantes 669 litros de bagagem

Ela levava impressionantes 669 litros de bagagem  (/)

Esteticamente, o resultado não era dos melhores, mas era muito funcional. Gastando pouco, a Fiat manteve a economia e a agilidade do 147. O sonoro Fiasa 1.3 de 61 cv dava conta dos 30 kg a mais, com grande disposição para altas rotações. Com suspensão independente nas quatro rodas, de acerto firme, a estabilidade era irrepreensível sem prejudicar o conforto. Um carro pequeno, espaçoso, gostoso de guiar e econômico, com um tanque de 52 litros que garantia autonomia superior a 650 km.

Fiat Panorama INterior funcional, mas sem preocupação com a estética

INterior funcional, mas sem preocupação com a estética  (/)

Acontece que a perua também tinha seus caprichos: a correia dentada exigia cuidados especiais na montagem, nem sempre observados por nossos mecânicos. E o câmbio de quatro marchas, duro e impreciso, exigia força e habilidade, mas mesmo assim uma ou outra arranhada era inevitável. É o caso da Panorama das fotos, um modelo 1980 que pertence ao paulistano Felipe Olivani.

A primeira rival direta foi a Chevrolet Marajó, derivada do Chevette. Com motor longitudinal e tração traseira, ela até chegava perto da Panorama em estabilidade, mas perdia em consumo e desempenho. A pedra no sapato da Fiat surgiria apenas em 1982, com o lançamento da VW Parati: de linhas modernas, desempenho superior e estabilidade quase igual, ela se tornou a queridinha do mercado.

Fiat Panorama Banco com apoio de cabeça integrado era coisa rara no segmento

Banco com apoio de cabeça integrado era coisa rara no segmento  (/)

A resposta veio em 1983: reestilização dianteira, com adição de apliques de poliuretano nas laterais e para-lamas, isolamento acústico reforçado, câmbio de cinco marchas e mais equipamentos. Era tanto plástico pendurado que a Panorama perdeu a harmonia original de suas linhas.

A queda nas vendas foi gradativa, mas a produção era sustentada pelas exportações, já que ela chegou a ser enviada a Turim com o motor convertido para o diesel. A Panorama apenas cumpriu tabela até 1986, quando cedeu seu lugar para outra perua ligeiramente maior e igualmente racional: a Fiat Elba.

Teste QUATRO RODAS – abril de 1980
Aceleração de 0 a 100 km/h 17,6 s
Velocidade máxima 140,35 km/h
Frenagem de 80 km/h a 0 32,73 m
Consumo médio 13,13 km/l
Preço (novembro de 1980) Cr$ 224.030
Preço (atualizado IGP-DI/FGV) R$ 43.089
Ficha Técnica – Fiat Panorama 1980
Motor transversal, 4 cilindros em linha, 2 válvulas por cilindro, comando de válvulas simples no cabeçote, alimentação por carburador de corpo simples
Cilindrada 1 297 cm³
Potência 61 cv a 5 400 rpm
Torque 9,9 mkgf a 3 000 rpm
Câmbio manual de 4 marchas, tração dianteira
Dimensões comprimento, 391,5cm; largura, 154,5cm; altura, 142,4cm; entre-eixos, 222,5cm
Peso 840 kg
Porta-malas/caçamba 669 litros
Pneus 145 SR13, radiais
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Tranqueira.