Grandes Brasileiros: Chevrolet Opala Diplomata SE

Potente e luxuoso, ele chegou aos anos 90 entre os mais caros nacionais, sempre mascarando a idade do projeto

Chevrolet Opala Diplomata SE O Dilpomata SE representava o máximo em luxo da sua época

O Dilpomata SE representava o máximo em luxo da sua época  (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Os anos 80 começaram com um cenário bem pessimista para os brasileiros: com a segunda crise mundial do petróleo, a inflação disparou e a preferência por sedãs grandes e potentes despencou.

Velhos ícones de luxo e requinte, Dodge Dart e Ford Galaxie sucumbiram em um mercado incapaz de ignorar a sede voraz de seus motores V8: desde então, quase todos os sedãs passariam a ter quatro cilindros e tração dianteira. Menos o Opala Diplomata.

O sedã reinava sozinho na preferência de famosos, autoridades e famílias abastadas que apreciavam a tradição da tração traseira, o rodar macio e a força do motor de seis cilindros em linha. Completando 20 anos de produção, o modelo 1988 trouxe aperfeiçoamentos para justificar o posto de automóvel nacional mais caro, com atributos capazes de satisfazer sua clientela fiel.

Por fora, modificações estéticas: a frente era inspirada no Monza, mais baixa e com faróis trapezoidais integrando as luzes auxiliares. A placa traseira voltava a ficar abaixo do para-choque (como era até 1979) e no lugar surgiu um acrílico vermelho ligando as lanternas.

Chevrolet Opala Diplomata SE Rodar macio, tração traseira, seis-em-linha: trio em extinção

Rodar macio, tração traseira, seis-em-linha: trio em extinção  (/)

Para coroar a fase, o Diplomata ganhou rodas exclusivas e a sigla SE (Special Edition). No interior, a nova coluna de direção melhorou a ergonomia com regulagem de altura em sete posições e o ar-condicionado ganhou difusores para o banco traseiro, atrás do console central. Vidros elétricos, faróis e luzes internas contavam com a praticidade dos temporizadores e o eixo cardã passava a ser bipartido para eliminar vibrações e ruídos indesejados em altas velocidades.

Para melhorar a estabilidade sem comprometer o conforto, a suspensão foi modificada: recebeu amortecedores pressurizados com batentes de poliuretano, molas recalibradas e barra estabilizadora dianteira de maior diâmetro, além do sistema de direção redimensionado. Quase em vão: projeto dos anos 60, o Diplomata não acompanhava o moderno Monza em curvas e frenagens. A tração traseira proporcionava diversão, mas exigia cautela redobrada.

Nenhuma novidade, porém, causou tanto impacto quanto o câmbio automático alemão 4HP22. Fornecido pela ZF, era o mesmo do BMW 735i e do Jaguar XJS. Com quatro marchas e bloqueio do conversor de torque, proporcionava maior velocidade máxima e silêncio nota 10: baixíssimos 68 decibéis a 100 km/h. Mas o consumo ainda pesava: 3,87 km/l de álcool na cidade e 6,61 km/l na estrada.

Chevrolet Opala Diplomata SE Série final trazia nome Collectors no volante e emblemas dourados no carro

Série final trazia nome Collectors no volante e emblemas dourados no carro  (/)

Marcas melhores viriam em 1990: a taxa de compressão aumentou de 7,5:1 para 8:1 e o carburador de corpo duplo (semelhante ao do Monza) tinha segundo estágio acionado a vácuo. Com gasolina, já chegava a 7 km/l na cidade e 9,5 km/l na estrada, marcas notáveis para seu porte e peso. A capacidade do novo tanque de plástico subiu de 84 para 91 litros e as lanternas traseiras fumê eram primazia nacional.

O ano de 1991 trouxe os últimos retoques: grade e retrovisores novos, para-choques envolventes de plástico, fm dos quebra-ventos e rodas aro 15 com pneus 196/65. No interior, mudavam o acabamento das portas e o volante, ligado à direção hidráulica ZF Servotronic com assistência controlada eletronicamente. Os freios eram a disco nas quatro rodas, e no fim do ano viria o câmbio manual Clark CL-2205 de cinco marchas.

O último Opala deixou a linha de montagem em 16 de abril de 1992: ele e as 99 unidades anteriores constituíram a série SE Collectors, como este que integra o acervo da loja paulistana Private Collections. Ele trazia um certificado, fita de vídeo VHS com a história do Opala e chave banhada a ouro. Disponível em preto Memphis, azul Milos ou vermelho Ciprius, tinha emblemas dourados e a derradeira inscrição Collectors no volante.

Teste – abril de 1988
Aceleração de 0 a 100 km/h 11,22 s
Velocidade máxima 166,4 km/h
Consumo urbano 3,87 km/l (álcool)
Consumo rodoviáro 6,61 km/l (álcool)
Preço (maio de 1992) Cr$ 60.210.000
Preço (atualizado IPC-A/IBGE) R$ 141.572
Ficha Técnica – Opala Diplomata SE Collectors 1992
Motor longitudinal, 6 cilindros em linha
Cilindrada 4 093 cm3, 2 válvulas por cilindro, comando de válvulas simples no bloco, alimentação por carburador de corpo duplo
Potência 121 cv a 3 800 rpm
Torque 29 mkgf a 2 000 rpm
Câmbio automático de 4 marchas, tração traseira
Dimensões comprimento, 484,7 cm; largura, 192 cm; altura, 138,4 cm; entre-eixos, 288,7 cm
Peso 1 376 kg
Pneus 195/65 15 radiais
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. bruno fagundes

    Top