Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Nah Opaleira fez fama na internet e criou grupo de mulheres fãs de Opala

Paulistana Natalia Moraes se tornou a Nah Opaleira após comprar um Opala Standard 1976 e atualmente tem quase 100.000 seguidores nas redes sociais

Por Isadora Carvalho Atualizado em 13 out 2021, 18h49 - Publicado em 13 out 2021, 18h43
Nah Opaleira
Nah Opaleira/Acervo pessoal

A paixão de Natalia Moraes pelo Chevrolet Opala veio antes mesmo dela nascer. Uma obra do destino, acredita a paulistana de 26 anos.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 8,90

“Minha mãe entrou em trabalho de parto no Opala do meu avô e eu quase nasci lá dentro e a minha conexão com esse modelo sempre foi muito forte”, diz Natalia, que é conhecida nas redes sociais como Nah Opaleira e já tem mais 70.000 seguidores no Instagram e 22.000 no canal do Youtube.

O avô de Nah tinha um Opala luxo 1974 na cor bordô, e era o carro que o aproximava da neta. Quando ele faleceu, o pai da Opaleira, que também é um apaixonado pelo modelo, acabou deixando de cuidar do carro e ele ficou abandonado na garagem.

Nah Opaleira
Opala 1974 do avô que está abandonado na garagem Nah Opaleira/Acervo pessoal

“Eu resolvi ir em busca do meu próprio Opala. Após testar seis modelos, acompanhada pelo olhar atento do meu pai, que é funileiro, encontrei o meu carro dos sonhos: um Opala Standard ano 1976, com motor original seis-cilindros”, conta.

Nah Opaleira
Nah Opaleira/Acervo pessoal

Nah, porém, quase vendeu seu sonho logo após finalmente realizá-lo. “O meu carro tem uma cor bem chamativa, laranja bronze metálico, e muitos diziam que eu ia ser assaltada ou coisa pior por andar por aí dirigindo sozinha”. Seu pai era um dos que mais se preocupava e Nah conta que muitas vezes saía escondida da garagem com o motor desligado, confessando que o medo quase a fez vender seu exemplar.

  • O começo da influencer

    A estranheza que causava em todos por gostar de carros antigos — o Opala, especialmente — impulsionou Natalia a a produzir conteúdo como a “menina do Opala”, apelido que carrega desde os tempos da escola. “A minha intenção era incentivar uma maior representação feminina nos encontros de carros antigos e também ajudar mulheres na compra e manutenção do tão sonhado Opala.”

    Continua após a publicidade
    nah opaleira
    Reprodução/Internet

    Nah assegura que foi a primeira “Opaleira” do YouTube, e que graças ao seu canal e sua conta no Instagram pode ajudar muita gente a comprar o seu primeiro Opala. “Sou muito abordada nos encontros por muitas que alegam que compraram o carro por minha causa e não se arrependem. Isso faz todo o meu esforço valer a pena”, diz orgulhosa.

    Nah opaleira YT
    Reprodução/Internet

    Essa popularidade entre as mulheres a motivou a criar um grupo de “opaleiras” no WhatsApp e acaba produzindo conteúdo em parceria com elas. 

    Mas mesmo com toda essa atividade nas redes sociais, Nah não leva o “cargo” de influencer como profissão e atua em um ramo completamente diferente.  “Sou instrumentadora cirúrgica e amo o que eu faço, mas confesso que entre passar um bisturi e outro me pego planejando quais serão os próximos vídeos do canal da Nah Opaleira”, brinca. 

    Nah Opaleira
    Nah Opaleira/Acervo pessoal

    Se pudesse, a jovem utilizaria o Opala no dia a dia para ir e voltar do trabalho, mas ela acaba se rendendo a um modelo mais moderno para cumprir essa tarefa. “Eu brinco que uso o Sandero 1.0, que é bem econômico, no dia a dia pra ter o direito e a condição de gastar mais gasolina com o Opala no fim de semana.”

    Nah Opaleira
    Nah Opaleira/Acervo pessoal

    Antonio, como foi batizado o Chevrolet Opala 1976, além de estar com o tanque sempre cheio recebeu uma série de melhorias. Foram mais de R$ 15.000 gastos em novas rodas, tapeçarias e incrementos estéticos.

    Nah Opaleira
    Nah Opaleira/Acervo pessoal

    Natalia já prevê que terá que fazer um novo investimento na repintura do modelo. Segundo a Opaleira, toda dedicação vale a pena quando se pisa no acelerador e se escuta e sente o barulho e a vibração do motor 4.1 de seis cilindros, que rende até 130 cv.

    “O ronco é único e a sensação de liberdade também, não consigo não sorrir quando acelero o meu Opala e isso não tem preço,” finaliza.

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    Capa 749

    Continua após a publicidade
    Publicidade