Clique e assine por apenas 8,90/mês

Fake news do hodômetro: como escapar de carro com quilometragem adulterada

Estimativas apontam que 30% dos seminovos negociados têm a quilometragem adulterada. Descubra quando você deve desconfiar dos números que estão no painel

Por Fernando Miragaya - Atualizado em 29 jan 2020, 15h39 - Publicado em 29 jan 2020, 07h00
Mauro Souza/Quatro Rodas

A desconfiança é comum no mercado de usados. E costuma recair naqueles seis dígitos no quadro de instrumentos. Então vem a dúvida: a quilometragem exibida no hodômetro é real ou fake news?

Para ter certeza do crime (está previsto no Artigo 171 do Código Penal), precisaríamos de um equipamento que se conectasse à central eletrônica, como as concessionárias têm.

Mas você pode ter uma ideia só com a inspeção visual. Afinal, com os hodômetros digitais ficou mais fácil burlar esses números – no analógico, era preciso desmontar a peça.

Estima-se que três em cada dez usados à venda tenham quilometragem falsa. Veja, então, como fugir desses seminovos “pouco rodados”.

Faça as contas

O brasileiro roda em média 15.000 km por ano. Na nota fiscal, confira a data da compra do carro quando zero-km e faça a conta. Se estiver muito abaixo dessa média, investigue. 

Mas lembre que motoristas de aplicativos rodam cerca de 10.000 km por mês.

“É uma média nacional e, claro, há casos em que se roda mais ou menos. Mas tudo que foge muito disso já é passível de desconfiança”, explica Bruno Daibert, dono da Peritos Automotivos, que faz avaliação e vistoria de compra e venda de carros em diferentes estados.

Revisões

É quase praxe os fabricantes indicarem as revisões obrigatórias a cada 10.000 km ou um ano. Então, confira o registro das manutenções que vêm com o Manual do Proprietário.

Se ele já fez três revisões e o hodômetro aponta 15.000 km, há algo errado.

Na concessionária

Se o vendedor alegar que perdeu o registro das revisões, faça amizade com alguém da concessionária da mesma marca.

Isso porque a rede autorizada é interligada e, pelo número do chassi, é possível checar o histórico de manutenção: data, qual loja, o que foi trocado etc.

“O concessionário acessa quantas revisões foram feitas, pois os dados são integrados. Pelo chassi, ele checa as revisões e faz uma média de quanto o modelo rodou”, diz o engenheiro Erwin Franieck, da SAE Brasil.

Silvio Goia/Quatro Rodas

Pneus

É um termômetro do usado. Bateu o olho no pneu, é fácil avaliar o tempo de rodagem do automóvel. Pneus originais duram em média até 30.000 km. Importante descobrir quais eram os pneus que equipavam o modelo quando zero-km.

“Olhe a data dos pneus e cheque se são os originais ou  se foram trocados. Se um carro registrar 20.000 km, mas já trocou pneu, é motivo de questionamento”, diz Daibert.

Na cabine

Dê aquela conferida em partes muito gastas no interior. Carros com 20.000 ou 30.000 km rodados não podem apresentar desgaste em certas peças.

Continua após a publicidade

Volante e alavanca descascados, bancos com tecido puído e soleiras e pedais surrados podem ser indícios de que o veículo é muito rodado.

Olho no carona

Pergunte sobre o cotidiano do dono do carro. Se for solteiro ou casado com um só filho e falar que roda sozinho, fique atento ao estado dos apoiadores de braço e assentos do carona e ao banco traseiro.

Se estiverem desgastados como o do motorista, podem indicar carro utilizado para o trabalho ou que roda por aplicativo, que costuma ter um entra e sai constante.

Sob o capô

No motor, verifique as mangueiras e borrachas aparentes. Caso estejam esbranquiçadas, com fissuras e muito desgastadas, abra o olho: são sinais de que o automóvel já rodou bastante.

Fernando Pires/Quatro Rodas

Mecânico amigo

Se tiver um mecânico de confiança, peça para pôr o carro no elevador. O bom profissional vai lhe dar os alertas, mas até você pode fazer a inspeção visual.

Bucha da suspensão, correia, pastilha de freios e parte do escapamento devem ter desgaste compatível com o que o carro rodou.

“O escapamento como um todo não apresenta uma mudança muito grande. Mas as conexões da peça, com o tempo, acumulam muito mais detrito e sujeira. E ninguém consegue lavar bem essas partes do veículo”, sugere Franieck.

Portas

O simples abrir e fechar das portas indica desgaste acentuado. Veja se há folga de portas e maçanetas, e se é preciso força para fechar bem a porta.

“Na dobradiça, com a porta aberta, veja o ferro onde o dente da trava encaixa. A cada abertura e fechamento, a peça vai ficando marcada. Dá para ver se o metal está desgastado demais, o que pode indicar veículo muito usado”, observa Franieck.

Itens elétricos

Verifique você mesmo os principais comandos elétricos: travas das portas, vidros e retrovisores. São itens que começam a apresentar falhas de funcionamento após os 60.000 km.

Test-drive

Ao volante, veja se a direção e o câmbio apresentam folgas. Passe por trechos de paralelepípedos e lombadas para ver se a suspensão faz barulhos ou dá fim de curso. Verifique também se os pedais estão baixos demais. São sintomas de veículos com quilometragem alta e falta de manutenção.

Histórico e vistoria

Há vários sites que levantam a procedência do usado. Com a nota fiscal de compra do veículo, dá para saber o histórico do modelo. Inclusive se já sofreu sinistro ou pertenceu a locadora ou frota.

Existem também empresas especializadas em vistoria cautelar. É um serviço feito por peritos treinados que custam de R$ 200 a R$ 500. Eles fazem uma pesquisa detalhada e emitem um laudo.

Verificam não só o estado de conservação e se a quilometragem confere como informam procedência, histórico, registro de sinistros, se é carro de leilão e até se foi adulterado ou clonado.

Continua após a publicidade
Publicidade