Clique e assine por apenas 6,90/mês

Estas 11 dicas vão te ajudar a não cair em lábia de nenhum mecânico

Os segredos para você não ser enganado pelos maus profissionais

Por Fernando Miragaya - Atualizado em 19 dez 2019, 08h00 - Publicado em 19 dez 2019, 07h00
Ilustração Mauro Souza/Quatro Rodas

Levar o carro à oficina para muitos é um momento de terror. Muita gente tem medo de ser enrolada ou até mesmo enganada pelo mecânico.

Mas, além de buscar referências positivas e procurar por um estabelecimento de renome, é possível observar como o profissional age para saber se ele está de má-fé.

“O mecânico de confiança é muito importante para garantir a manutenção correta e dentro de um preço justo”, diz Márcio Azuma, da Associação de Engenharia Automotiva.

QUATRO RODAS ouviu mecânicos e engenheiros e traz dicas para você fugir das oficinas picaretas.

Corredor da morte

Sabe aquele mecânico que condena tudo? Pois é. Trata-se da primeira atitude para desconfiar. Fique atento a oficinas que detonam sistemas do carro, como motor, câmbio e suspensão, e sugerem trocar tudo.

Continua após a publicidade

Acompanhe

Principalmente em lojas de suspensão, fique colado na inspeção que o técnico fará. Um golpe muito comum é, na menor distração do cliente, alguém jogar óleo na haste do amortecedor e dizer que a peça está vazando.

Nos mínimos detalhes

Seja chato. Peça ao especialista responsável para te mostrar cada item que tem de ser trocado e explicar a razão. Pergunte o que não funciona nas peças e como isso se reflete no carro. Informe-se antes e questione diagnoses, pois isso mostra que você não é um total leigo.

Desconfie se o mecânico começar a dar argumentos muito superficiais e subjetivos, do tipo “tem que trocar o amortecedor porque seu carro está quicando quando passa numa valeta” ou “é necessário trocar as velas com menos de 5.000 km porque o combustível é muito ruim”.

Do you speak oficinês?

Continua após a publicidade

Fique atento quando o profissional começar a usar em excesso nomes de peças e termos difíceis. Muitos se valem disso para intimidar o cliente e fazer com que ele aceite o diagnóstico mais catastrófico.

Mais uma vez, tente se informar e peça ao técnico para explicar, de forma detalhada, o problema que o componente tem.

Ouvido de tuberculoso

Suspeite também do profissional que, de ouvido, já condena o seu motor. Alguns ruídos obviamente sugerem defeitos específicos, mas não é possível sugerir uma retífica só pela audição.

“Pelo barulho do motor, há defeitos que ele consegue identificar, como biela batendo ou folga de saia do pistão. Mas não dá para condenar o motor assim”, observa Álvaro Falcão, dono da Zune Mecânica de Competição, do Rio de Janeiro.

Freio

Continua após a publicidade

O mecânico falou que precisa trocar o freio porque está assobiando quando se freia leve ou trepidando na frenagem mais brusca? Corra que é cilada! Sujeira e resto de água podem provocar esse ruído mais agudo.

E, se tem ABS, a trepidação pode ser o sistema funcionando em paradas mais fortes. Atenção: troca de pastilha não requer necessariamente a troca de disco. Se o mecânico condenar os discos sem sequer medir sua espessura, está te enrolando.

“A espessura da pastilha e do disco tem valores mínimos definidos pelo fabricante, restando ao mecânico medir e substituí-los quando necessário”, avisa Azuma.

Orçamento grátis

Outra pegadinha: a oficina diz que faz o levantamento sem custo, mas, quando chega, o documento mais parece o rascunho da Bíblia. Leia com atenção o que será feito e que peças serão trocadas, de olho em itens desnecessários. Questione a quantidade de serviços e não aceite o orçamento logo de cara. Compare com outras lojas.

Caixa preta

Continua após a publicidade

Se o caso for grave e for preciso abrir o motor, solicite que a oficina primeiro dê uma previsão de gasto mínimo e máximo. É uma maneira de você se precaver de preços exorbitantes, já que o mecânico vai precisar olhar o conjunto para ter ideia do que é necessário fazer.

“Antes de abrir, é preciso deixar claro quanto o cliente deverá gastar. No mínimo R$ 3.000, e no máximo R$ 7.000, por exemplo. Só depois do aceite é que vai mexer no motor. É a maneira honesta, para pôr o cliente a par da situação antes de qualquer reparo”, sugere Falcão.

Limpeza de bico

Esse é um dos mitos das oficinas, mas é o termo usado para se “regular” os bicos injetores. Não necessariamente a oficina está querendo te enganar, mas é preciso que a loja tenha o equipamento específico para o serviço.

Se o mecânico sugerir limpar com gasolina e jogar um ar, corra para outro lugar. Os bicos devem ser colocados um a um em uma caixa. O equipamento mede a vazão de cada bico injetor.

Se tiver alguma diferença, a máquina “bate” por cerca de uma hora para equalizar a vazão de todos os componentes.

Continua após a publicidade

“A limpeza é recurso válido quando o veículo dá claros sinais de falha, como marcha lenta irregular, problemas de partida, falta de potência e consumo alto. Só não funciona para efeito preventivo”, explica Márcio Azuma, da AEA.

Preços

Desconfie de anúncios de peças, como pneus e amortecedores, com preços muito baratos. Em geral, essas ofertas trazem letras miúdas que obrigam a fazer o serviço no próprio local. E muitas dessas lojas vendem o amortecedor baratinho, mas condenam até a mola da suspensão.

Faça um teste

Quer testar a honestidade de um estabelecimento? Pegue o seu carro logo após um serviço: troca de pastilhas de freio por exemplo. Leve a uma outra oficina e reclame da frenagem do carro e veja qual vai ser o diagnóstico do mecânico.

Publicidade