Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Estas 11 dicas vão te ajudar a não cair em lábia de nenhum mecânico

Os segredos para você não ser enganado pelos maus profissionais

Por Fernando Miragaya
Atualizado em 19 dez 2019, 08h00 - Publicado em 19 dez 2019, 07h00
(Ilustração Mauro Souza/Quatro Rodas)

Levar o carro à oficina para muitos é um momento de terror. Muita gente tem medo de ser enrolada ou até mesmo enganada pelo mecânico.

Mas, além de buscar referências positivas e procurar por um estabelecimento de renome, é possível observar como o profissional age para saber se ele está de má-fé.

“O mecânico de confiança é muito importante para garantir a manutenção correta e dentro de um preço justo”, diz Márcio Azuma, da Associação de Engenharia Automotiva.

QUATRO RODAS ouviu mecânicos e engenheiros e traz dicas para você fugir das oficinas picaretas.

Corredor da morte

Sabe aquele mecânico que condena tudo? Pois é. Trata-se da primeira atitude para desconfiar. Fique atento a oficinas que detonam sistemas do carro, como motor, câmbio e suspensão, e sugerem trocar tudo.

Continua após a publicidade

Acompanhe

Principalmente em lojas de suspensão, fique colado na inspeção que o técnico fará. Um golpe muito comum é, na menor distração do cliente, alguém jogar óleo na haste do amortecedor e dizer que a peça está vazando.

Nos mínimos detalhes

Seja chato. Peça ao especialista responsável para te mostrar cada item que tem de ser trocado e explicar a razão. Pergunte o que não funciona nas peças e como isso se reflete no carro. Informe-se antes e questione diagnoses, pois isso mostra que você não é um total leigo.

Desconfie se o mecânico começar a dar argumentos muito superficiais e subjetivos, do tipo “tem que trocar o amortecedor porque seu carro está quicando quando passa numa valeta” ou “é necessário trocar as velas com menos de 5.000 km porque o combustível é muito ruim”.

Continua após a publicidade

Do you speak oficinês?

Fique atento quando o profissional começar a usar em excesso nomes de peças e termos difíceis. Muitos se valem disso para intimidar o cliente e fazer com que ele aceite o diagnóstico mais catastrófico.

Mais uma vez, tente se informar e peça ao técnico para explicar, de forma detalhada, o problema que o componente tem.

Ouvido de tuberculoso

Suspeite também do profissional que, de ouvido, já condena o seu motor. Alguns ruídos obviamente sugerem defeitos específicos, mas não é possível sugerir uma retífica só pela audição.

Continua após a publicidade

“Pelo barulho do motor, há defeitos que ele consegue identificar, como biela batendo ou folga de saia do pistão. Mas não dá para condenar o motor assim”, observa Álvaro Falcão, dono da Zune Mecânica de Competição, do Rio de Janeiro.

Freio

O mecânico falou que precisa trocar o freio porque está assobiando quando se freia leve ou trepidando na frenagem mais brusca? Corra que é cilada! Sujeira e resto de água podem provocar esse ruído mais agudo.

E, se tem ABS, a trepidação pode ser o sistema funcionando em paradas mais fortes. Atenção: troca de pastilha não requer necessariamente a troca de disco. Se o mecânico condenar os discos sem sequer medir sua espessura, está te enrolando.

“A espessura da pastilha e do disco tem valores mínimos definidos pelo fabricante, restando ao mecânico medir e substituí-los quando necessário”, avisa Azuma.

Continua após a publicidade

Orçamento grátis

Outra pegadinha: a oficina diz que faz o levantamento sem custo, mas, quando chega, o documento mais parece o rascunho da Bíblia. Leia com atenção o que será feito e que peças serão trocadas, de olho em itens desnecessários. Questione a quantidade de serviços e não aceite o orçamento logo de cara. Compare com outras lojas.

Caixa preta

Se o caso for grave e for preciso abrir o motor, solicite que a oficina primeiro dê uma previsão de gasto mínimo e máximo. É uma maneira de você se precaver de preços exorbitantes, já que o mecânico vai precisar olhar o conjunto para ter ideia do que é necessário fazer.

“Antes de abrir, é preciso deixar claro quanto o cliente deverá gastar. No mínimo R$ 3.000, e no máximo R$ 7.000, por exemplo. Só depois do aceite é que vai mexer no motor. É a maneira honesta, para pôr o cliente a par da situação antes de qualquer reparo”, sugere Falcão.

Continua após a publicidade

Limpeza de bico

Esse é um dos mitos das oficinas, mas é o termo usado para se “regular” os bicos injetores. Não necessariamente a oficina está querendo te enganar, mas é preciso que a loja tenha o equipamento específico para o serviço.

Se o mecânico sugerir limpar com gasolina e jogar um ar, corra para outro lugar. Os bicos devem ser colocados um a um em uma caixa. O equipamento mede a vazão de cada bico injetor.

Se tiver alguma diferença, a máquina “bate” por cerca de uma hora para equalizar a vazão de todos os componentes.

“A limpeza é recurso válido quando o veículo dá claros sinais de falha, como marcha lenta irregular, problemas de partida, falta de potência e consumo alto. Só não funciona para efeito preventivo”, explica Márcio Azuma, da AEA.

Preços

Desconfie de anúncios de peças, como pneus e amortecedores, com preços muito baratos. Em geral, essas ofertas trazem letras miúdas que obrigam a fazer o serviço no próprio local. E muitas dessas lojas vendem o amortecedor baratinho, mas condenam até a mola da suspensão.

Faça um teste

Quer testar a honestidade de um estabelecimento? Pegue o seu carro logo após um serviço: troca de pastilhas de freio por exemplo. Leve a uma outra oficina e reclame da frenagem do carro e veja qual vai ser o diagnóstico do mecânico.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.