Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Estudante cria transmissão automatizada sem embreagem

Transmissão mais leve promete trocas rápidas sem desperdício de energia

Por Henrique Rodriguez Atualizado em 22 out 2020, 15h51 - Publicado em 17 Maio 2017, 17h50
Transmissão usa dois motores elétricos para eliminar a necessidade de embreagem Reprodução/Youtube

O câmbio manual corre sério risco de desaparecer, principalmente em esportivos. Buscar a máxima eficiência de um conjunto mecânico é o grande desafio dos engenheiros. E a embreagem é uma fonte de desperdício de energia enorme.

Mesmo os rápidos câmbios automáticos de dupla embreagem deixam de aproveitar parte da força gerada pelo motor no momento que a embreagem é acoplada. É isso que a tecnologia criada por Dan Dorch, doutorando do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) quer eliminar.

Dan é doutorando em engenharia mecânica e venceu o concurso “Drive it!”, que valoriza ideias que podem trazer benefícios sociais, econômicos e ambientais. Seu projeto é uma transmissão híbrida que substitui a embreagem tradicional – ou o conversor de torque, no caso dos automáticos.

Funciona assim: em vez de usar o atrito, o acoplamento do motor ao câmbio é feito ao travar os dentes de um conjunto de engrenagens. Esta concepção ajuda a reduzir o peso do conjunto. O mais importante, porém, é que ela reduz drasticamente as perdas por atrito. 

Continua após a publicidade

Para funcionar, a transmissão de Dan precisa estar acoplada a dois motores elétricos. O maior faz o carro arrancar, eliminando a necessidade da primeira marcha e da ré, que são as que mais consomem combustível – ao receber essa transmissão, portanto, um veículo à combustão torna-se um híbrido

O motor elétrico menor tem outras funções. Mantém o câmbio sincronizado com as rotações do motor principal para que as trocas de marcha sejam feitas (algo como um punta-tacco elétrico). Mas também pode funcionar como motor de partida e como gerador de eletricidade quando o propulsor a combustão passa a mover o carro.

O engenheiro garante que controles suficientemente precisos poderiam eliminar até mesmo os cones de atrito dos sincronizadores. Na teoria, este câmbio teria trocas de marcha perfeitamente sincronizadas e sem queda de torque e potência durante as trocas. A redução do peso da transmissão chegaria aos 20%. É o sonho de todos fabricantes de superesportivos. 

Mas se por um lado o sistema projetado por Dan dinamiza o potencial de uma caixa de marchas, por outro ele só poderia ser aplicado em veículos híbridos (preferencialmente com um sistema elétrico de 48 V), de mecânica mais complexa que os a combustão com transmissões convencionais.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.


a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo de QUATRO RODAS. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês