Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Dipirona e paracetamol podem ter o efeito do álcool na direção

Analgésicos têm efeitos nocivos na concentração, na coordenação motora e no aumento da sonolência - danos similares aos ocasionados por bebida alcoólica

Por Isadora Carvalho Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
6 mar 2018, 18h06
(Christian Castanho/Quatro Rodas)

De repente, as linhas da estrada começam a entortar ou sumir. Você não consegue mais se concentrar na via e demora duas vezes mais para realizar uma simples troca de marcha.

Esses sintomas são bem comuns em condutores sob efeito do álcool ou de sono extremo – confira o nosso teste exclusivo de sono ao volante.

Porém, esses efeitos podem ser provocados pela ingestão de medicamentos facilmente encontrados em farmácias – e sem receita médica.

São remédios usados de forma corriqueira, como analgésicos (paracetamol, dipirona e ibuprofeno) e relaxantes musculares (Dorflex, Miosan e Mioflex).

De acordo com a Academia Brasileira de Neurologia, cerca de 20% dos acidentes são causados por motoristas com seus reflexos alterados. Não há dados no Brasil de colisões provocadas especificamente pelo efeito colateral de medicamentos.

Continua após a publicidade

Afinal, muitas vezes a vítima não acredita que um simples remédio para dor de cabeça pode ter provocado uma sonolência excessiva ou mesmo a perda de consciência.

Analgésicos e relaxantes musculares podem provocar sonolência ao volanteAnalgésicos e relaxantes musculares podem provocar sonolência ao volante

“Muitos medicamentos afetam três funções importantes para a direção: cognitiva, motora e perceptiva. O efeito muda de acordo com cada organismo e por isso a automedicação é tão perigosa”, diz Dr. Dirceu Alvez Rodriguez, diretor da Abramet (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego).

Segundo pesquisa realizada pelo Instituto de Ciência, Tecnologia e Qualidade (ICTQ), 72% dos brasileiros se automedicam. E o mesmo estudo aponta que 40% fazem seu diagnóstico pesquisando na internet.

De acordo com o diretor da Abramet, pedir uma orientação médica antes de consumir um remédio pode evitar acidentes.

Continua após a publicidade

“Um bom profissional de saúde poderá aconselhar qual o melhor tratamento e alertar se ele irá afetar a condução de um veículo”, diz Rodriguez.

Se tomar esse remédio não dirija

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) abriu consulta pública para que a mensagem “se tomar este remédio não dirija” viesse estampada na embalagem de todas as medicações que impõem risco à direção de veículos.

Porém, o projeto não andou. A Anvisa entendeu que a criação de pictogramas de alerta é uma atividade bastante complexa para o tempo disponível para a revisão da norma das embalagens.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.