Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Dez utilitários que fracassaram porque não são tão utilitários assim

Esses utilitários tentaram se aventurar na sorte, mas acabaram no lamaçal do azar

Por Da Redação Atualizado em 19 nov 2020, 17h51 - Publicado em 18 dez 2018, 11h40

Tração sem atração

reprodução/Internet

A Ford lançou na linha 1985 a tração 4×4 para Pampa e Belina, mas a versão afundou na lama com a fragilidade do sistema – o diferencial traseiro da Belina da nossa frota de Longa Duração quebrou tantas vezes que nossos jornalistas decidiram não usar mais o 4×4. Deixou de ser oferecida na linha 1987.

Racha de picapes

reprodução/Internet

A cearense Troller tinha como plano vender 1.200 picapes Pantanal em 2006, mas só emplacou 77 veículos em dois anos. Ao comprar a marca, a Ford descobriu trincas no chassi e decidiu recolher as unidades já vendidas e indenizar seus compradores.

Diferencial negativo

reprodução/Internet

Se nos EUA a Silverado é muito popular até hoje, no Brasil a picape pegou a contramão. Estreou em 1997 e logo acabou derrapando por problemas do diferencial. Assim, a GM interrompeu em 2001 a importação do utilitário, que nunca mais voltou ao país.

Tentando sem parar

reprodução/Internet

Não é fácil fazer um jipe no Brasil: o Stark, da TAC (Tecnologia Automotiva Catarinense), nasceu como protótipo em 2006, a produção veio em 2009 e as vendas, só em 2012. Sem sucesso, a marca mudou para Sobral (CE), ficou parada até 2014 e agora tenta voltar à ativa.

Chevrolet Fajuto

reprodução/Internet

Clone do Suzuki Grand Vitara, o primeiro Tracker veio da Argentina em 2001. Com um fraco motor diesel e sem identidade própria, ele literalmente não emplacou muito: 750 carros em 2003. Saiu duas vezes do mercado e só deu certo agora, que usa a base do Cruze.

Continua após a publicidade

Francês tropical

reprodução/Internet

Projetada apenas para o mercado brasileiro, a Peugeot Hoggar foi apresentada em 2009, porém nunca decolou nas vendas – perdia até para a ultrapassada Ford Courier. Com a estreia do hatch 208, ela (que tinha base do 207) acabou se aposentando em 2014.

Lugar certo, hora errada

reprodução/Internet

Ao chegar aqui, em 2007, a indiana Mahindra tinha tudo para crescer no mercado de SUVs. Mas economia lenta, alteração nas leis e alta do dólar afetaram sua curta passagem por aqui, onde as vendas totais não chegaram a 4.000 utilitários no acumulado até 2015.

Só de passagem

reprodução/Internet

A Dodge Dakota estreou no Brasil em 1998 com direito a fábrica própria em Campo Largo (PR). Após sete meses, a Chrysler se uniu à Mercedes e houve mudança de rota na estratégia do grupo. O resultado foi o fim da unidade fabril e da picape em 2001.

Escondido na Amazônia

reprodução/Internet

Ver um Cross Lander nacional é missão quase impossível. Da romena Auto Romania (ARO), era montado em Manaus (AM) em 2002 com um 2.8 turbodiesel e tração 4×4. Vendeu só 200 unidades até 2006 em razão da falta de investimento na rede e do fraco pós-venda.

  • Eco do passado

    reprodução/Internet

    O EcoSport inaugurou o sucesso dos SUVs compactos no Brasil em 2003. A exceção, porém, foi a versão 1.0 Supercharger. A meta era que fosse uma opção mais barata, já que pagava menos imposto, mas só pagou mico. Fraco e beberrão, saiu de cena em 2006.

    Continua após a publicidade
    Publicidade