Clique e assine por apenas 5,90/mês

Conheça os verdadeiros (e inusitados) donos das marcas mais vendidas

De bancos estrangeiros a seguradoras, há até famílias que controlam as marcas há anos e fabricantes com participação nas ações dos concorrentes

Por Guilherme Silva - Atualizado em 19 mar 2020, 16h51 - Publicado em 18 mar 2020, 07h00
Divulgação/Chevrolet

Você sabia que Honda e Toyota são controladas por bancos? E, como assim, uma mesma família é dona de Fiat e Jeep – que têm relação até com o clube de futebol italiano Juventus?

Veja abaixo quem manda nas marcas de automóveis mais vendidas no Brasil:

Chevrolet

Christian Castanho/Quatro Rodas

O atual líder do mercado brasileiro foi adquirido definitivamente pela General Motors em 1918. A marca da gravata dourada está no Brasil desde 1925, quando começou a montar veículos comerciais com peças importadas dos Estados Unidos.

Somente no final da década de 1960 a General Motors do Brasil iniciou a produção de automóveis com o Chevrolet Opala.

Acervo/Quatro Rodas

Depois disso, a marca fez história por aqui ao consagrar modelos projetados pela alemã Opel (atualmente sob comando do grupo francês PSA) – como Chevette, Monza, Kadett, Omega, Corsa, Vectra e Astra – antes de voltar a dominar as vendas nacionais com o Onix, a partir de 2015.

Volkswagen

A segunda marca mais vendida no Brasil nasceu na Alemanha no final da década de 1930 por meio de uma organização corporativa do regime nazista.

Atualmente, a Volkswagen faz parte do conglomerado cujas ações são divididas entre a Porsche (quase 51% de participação), o governo do estado da Baixa Saxônia (20%), um fundo estatal de investimentos do Catar (17%), entre outras empresas e acionistas.

Fiat (e Jeep… e Ram… e Chrysler… e Dodge…)

A marca italiana faz parte do conglomerado FCA (Fiat Chrysler Automóveis), formado pela compatriota Alfa Romeo e as norte-americanas Chrysler, Dodge, Jeep e Ram.

Cerca de 30% da FCA pertence à Exor, holding controlada pela família de Giovanni Agnelli (fundador da Fiat) e que detém ações de diversas empresas, entre elas a Ferrari e o clube italiano de futebol Juventus.

Divulgação/Jeep

O fabricante de utilitários esportivos foi adquirido pela Chrysler em 1987 e, atualmente, é a marca mais valorizada da FCA. A Jeep cresceu consideravelmente nos últimos anos com a alta demanda por SUVs e a boa aceitação de Compass e Renegade – especialmente no Brasil, onde lidera o segmento.

Renault

Reprodução/Renault

A multinacional francesa tem a maior parte de suas ações nas mãos de acionistas (62%), enquanto o governo da França detém cerca de 15% da empresa.

Outros 15% da Renault foram transferidos à Nissan após a formação da aliança com a fabricante japonesa. A Daimler, dona da Mercedes-Benz, tem uma participação de 3%.

Ford

Atualmente, as suas ações da empresa estão divididas entre os fundos de investimentos The Vanguard Group (5,82%) e Evercore (5,58%), entre outros acionistas.

A família do fundador Henry Ford tem 2% de participação, mas é maioria nas votações do conselho. Além da própria marca, a Ford é dona da norte-americana Lincoln e da brasileira Troller.

Continua após a publicidade

O T4 topa qualquer parada sem abrir o bico

A empresa ainda detém 8% da britânica Aston Martin, 32% da chinesa Jiangling Motors, sem contar as joint ventures na China, Rússia, Tailândia, Taiwan e Turquia.

Toyota

Nos últimos anos, a gigante japonesa vem disputando com o Grupo Volkswagen o título de maior fabricante de automóveis do mundo. Cerca de 10% das suas ações pertencem ao Japan Trustee Services Bank, uma joint venture formada por dois grandes bancos japoneses.

Outras instituições financeiras, além de acionistas e da família Toyoda, também têm participações na empresa.

A Toyota também é dona das marcas Daihatsu, Lexus, Hino e Ranz, além de ter partes menores da Fuji Heavy Industries (16%), Isuzu (6%), Yamaha (3,5%) e Tesla Motors (0,3%).

Hyundai

A marca pertence ao conglomerado sul-coreano homônimo que atua em diversos segmentos (construção civil, naval, tecnologia, entre outros), além do automotivo. A Hyundai também é dona da Kia Motors, representada no Brasil pelo Grupo Gandini.

Honda

Faróis passam a ser totalmente em LEDs; sensores de estacionamento usam sonares aparentes

Como a conterrânea Toyota, a Honda também é comandada pela Japan Trustee Services Bank (6,5%), entre outras instituições bancárias. As seguradoras Meiji Yasuda (2,8%) e Tokio Marine (2,35%) também têm participações na marca japonesa, além de diversos acionistas.

Nissan

A terceira maior fabricante japonesa de automóveis faz parte da aliança formada com a Renault, dona de 43% de suas ações. Há 10 anos, a Daimler adquiriu 3% da Nissan para estabelecer uma parceria.

O restante das ações pertencem ou são negociadas por outros acionistas.

Caoa Chery

A estatal chinesa chegou ao Brasil em 2009 e até produziu um pequeno volume dos modelos QQ e Celer na fábrica de Jacareí (SP) a partir de 2014.

Três anos mais tarde, o Grupo Caoa (responsável pela comercialização da linha de importados da Hyundai) adquiriu mais da metade das operações da Chery no país para investir na produção nacional dos SUVs da família Tiggo e do sedã Arrizo 5.

Continua após a publicidade
Publicidade