Clique e assine por apenas 5,90/mês

Como os carros são transportados em navios de exportação?

Proteção garante até que os veículos fiquem (quase) intactos em acidentes no mar

Por Rodrigo Ribeiro e Fabio Paiva - Atualizado em 10 out 2020, 00h14 - Publicado em 10 jan 2019, 20h11
O procedimento de embarque ocorre por uma entrada e envolve dezenas de funcionários Arquivo/Quatro Rodas

A resposta curta é: com muito cuidado e doses enormes de logística.

Boa parte do transporte de automóveis (e de quase toda mercadoria) por longas distâncias é feito por um navio. A diferença, no caso dos veículos, é que boa parte deles é levado de um país para outro em barcos que são, basicamente, estacionamentos gigantes.

O desembarque, porém, pode usar duas saídas para ser mais ágil Divulgação/Ford

Nesses navios especiais a carga entre e sai rodando da embarcação — em inglês, “Roll in, Roll Out“, o que deu origem ao apelido desses barcos, RoRo.

Acidentes com RoRo não são tão raros. Recentemente um barco que levava 3.500 modelos da Nissan pegou fogo e ficou à deriva no oceano Pacífico.

Os carros são estacionados próximos para aproveitar o máximo de espaço na embarcação Reprodução/Internet

Outro acidente envolveu o barco Hoegh Osaka, que tombou próximo da Europa com 1.400 carros da Jaguar, Land Rover, Mini e Rolls-Royce. Neste último acidente, porém, boa parte dos veículos transportados se mantiveram intactos.

Isso aconteceu principalmente por conta do severo processo de fixação dos veículos. Eles são presos ao navio com diversas cintas de náilon capazes de suportar até 5 toneladas.

Continua após a publicidade
O Hoegh Osaka tombou em 2015 após o capitão propositalmente encalhá-lo, evitando que o navio afundasse Arte/Quatro Rodas

Como os carros são estacionados próximos (com folga de 30 cm nas laterais e 10 cm na traseira e dianteira), esse cuidado evita que as carrocerias se encostem mesmo quando o navio está em mares agitados.

Cada cinta de náilon usada para fixar os veículos pode aguentar de uma a cinco toneladas K Line/Divulgação

As fábricas também tomam uma série de cuidados com os modelos antes que eles encarem sua viagem, muitas vezes tão longas que podem durar mais de 40 dias.

A pintura recebe uma cera grossa, feita para aguentar dias a fio com o carro exposto no pátio e também para reduzir chances de riscos. Em alguns casos adesivos também são colados para proteger o veículo.

Os pisos do navio podem mudar de altura de acordo com a carga Wallenius Wilhelmsen/Divulgação

Calotas e a palheta do lado do passageiro são removidas e rodas, bancos e volante recebem capas de proteção.

Oficina flutuante

Os navios RoRo são peça essencial na logística de transporte de veículos em massa Wallenius Wilhelmsen/Divulgação

A área dos RoRo é ajustável para permitir o transporte de carros pequenos até tratores, máquinas agrícolas e trens. Isso é possível por causa dos pisos ajustáveis, que podem variar de altura.

Algumas empresas também já aproveitaram o tempo do carro no mar para fazer ajustes específicos para o mercado onde o veículo será vendido.

A operação pode incluir troca de emblemas, lanternas e reconfiguração do motor. Os procedimentos, porém, dependem de águas calmas, pois os funcionários não podem circular em meio à carga durante tempestades ou mares agitados.

Continua após a publicidade
Publicidade