Clique e assine com até 75% de desconto

Clássicos: Simca Chambord, o V8 francês que conquistou o Brasil

Ao volante de um deles, ninguém chamava carro nacional de carroça

Por Sérgio Berezovsky Atualizado em 25 ago 2020, 15h02 - Publicado em 23 ago 2020, 08h00

Os motoristas do Expresso Luxo, uma frota de carros que fazia a ligação entre São Paulo e o litoral, desciam e subiam a serra várias vezes por dia. E qual era o carro preferido por eles nos anos 60? O Simca Chambord, quando a alternativa era o Aero Willys.

“A suspensão era macia, e a direção, muito leve, além de fazer mais de 200.000 km sem mexer no motor”, diz Eloi Barufa, com mais de 40 anos trabalhados no Expressinho.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

Mas a verdade é que, no começo, pouca gente colocava a mão no fogo por ele. Seu apelido era Maestro, “um conserto (com `s”) a cada esquina”. Na verdade, o Simca Chambord, lançado em 1959, vinha da França e era praticamente apenas montado aqui.

Logo porém foi sendo tropicalizado, ganhando a confiança e a simpatia do público.

Marco de Bari/Quatro Rodas

Apesar do V8 sob o capô, o Simca Chambord não tinha um desempenho eletrizante. No início, seu motor de 2.351 cm3 desenvolvia modestos 84 cv. E o torque só aparecia nas rotações mais altas. Por isso dava para saber com quarteirões de distância que um deles se aproximava.

Para seus fãs, poucas sinfonias equivalem ao prazer de ouvir o inconfundível grito do V8 acelerando, característico devido à sequência de explosões de um cilindro de cada lado.

Marco de Bari/Quatro Rodas

As versões seguintes foram ficando mais potentes. Mas o Simca só ganharia massa muscular de fato em 1966, com a adoção do motor EmiSul com 130 cv e comando de válvulas no cabeçote.

Sua sofisticação incluía faróis de neblina incorporados à grade dianteira, um painel completíssimo com hodômetro parcial e um curioso sistema que fazia o retorno da alavanca do pisca, quando uma resistência aquecia depois de 3 segundos.

Continua após a publicidade

Outra novidade do Simca, nos modelos entre 1964 e 1966, era o comando de avanço do distribuidor, recurso do qual poucos motoristas sabiam tirar partido. Mas excêntrico mesmo era o nome de algumas cores do catálogo, como Ketchup Metálico, para designar um vermelho-cereja.

Fizeram parte da família uma adaptação esportiva, o Simca Rally, o luxuoso Presidence (versão top de linha que tinha como opcional o estepe que ficava exposto atrás do porta-malas) e no outro extremo o Alvorada, uma versão pé-de-boi muito usada como táxi. No entanto, nenhum deles batia o charme da Jangada, a primeira station-wagon nacional e que na França se chamava Marly.

Marco de Bari/Quatro Rodas

Hoje, é difícil quem não vire a cabeça para ver um Simca passar. Com o modelo da foto, um Simca Tufão 1966, não foi diferente. E ao volante, a confirmação das qualidades que fizeram sua fama: a maciez e o conforto dão prazer de dirigir. Passar sobre os paralelepípedos, mais do que alimentar a nostalgia, serviu para apreciar o bom trabalho da suspensão.

O câmbio na coluna de direção, de três marchas, tem engates fáceis e é preciso manter o regime de rotações mais alto para não perder potência nas trocas de marcha. A boa visibilidade em todos os sentidos torna a condução mais confortável, assim como os bancos, para seis pessoas, revestidos de curvin.

Marco de Bari/Quatro Rodas

O modelo Tufão, já com motor de 100 cv, passou pelo teste de QUATRO RODAS em setembro de 64, quando foi apresentado. Seus números: 135,4 km/h de máxima e 23,3 segundos na prova de aceleração de 0 a 100 – uma eternidade.

O Simca desapareceu no início de 1967, quando a Chrysler assumiu o controle da fábrica. Foram fabricados 50.833 carros e hoje é difícil encontrar modelos em bom estado, o que faz com que seu preço entre os colecionadores seja elevado às alturas. Mas difícil mesmo é encontrar quem queira vender.

Publicado em abril de 2001

  • Teste QUATRO RODAS – setembro de 1964

    Aceleração 0 a 100 km/h – 23,3 s
    Velocidade máxima – 135,4 km/h
    Frenagem 80 km/h a 0 – 25,4 m
    Consumo – 5,5 km/l (média)

    Preço

    Outubro de 1964 – Cr$ 6 829 988
    Atualizado – R$   212.850 (IGP-DI/FGV, julho de 2020)

    Ficha técnica
    Motor: dianteiro, V8, 2 414 cm3 Diâmetro x curso: 66,1 x 88 mm Taxa de compressão: 8:1 Potência: 100 cv a 4 800 rpm Torque máximo: 16,5 mkgf a 2 750 rpm
    Câmbio: manual de 3 marchas
    Dimensões: comprimento, 472 cm; largura, 177 cm; altura, 145 cm; entre-eixos, 269 cm

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    Continua após a publicidade
    Publicidade