Clássicos: Gurgel X-15, o jipão militar com alma de Kombi e sem tração 4×4

Destinado ao transporte de soldados e armamentos, modelo foi aclamado democraticamente por uma multidão de entusiastas

Ângulo de ataque é de 50 graus, melhor que o de muitos 4×4

Ângulo de ataque é de 50 graus, melhor que o de muitos 4×4 (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A década de 70 foi um dos períodos mais felizes para o engenheiro João Augusto Conrado do Amaral Gurgel. Além do jipinho Xavante X-12, o industrial diversificou sua linha com o X-20 em 1977, uma picape de dimensões consideravelmente maiores.

Um ano depois, a empresa sediada em Rio Claro (SP) apresentou um novo conceito de utilitário: o jipão X-15.

Originalmente desenvolvido para uso militar, era caracterizado pelo desenho rústico e abrutalhado, com linhas retas e angulares muito semelhantes às de um veículo blindado.

O elemento de estilo mais marcante era o enorme para-choque com faróis embutidos, com altura suficiente para encarar os barrancos mais íngremes.

A capacidade off-road era típica da marca, evidenciada pelos bons ângulos de entrada e saída (50 e 45 graus, respectivamente), entre-eixos curto (223 cm) e elevado vão livre do solo (35 cm).

A ausência da tração 4×4 era compensada em parte pelo sistema Selectraction, atuando como bloqueio seletivo das rodas traseiras acionado por duas alavancas entre os bancos dianteiros.

A versão civil do Gurgel X-15 vinha sempre com o quadro do para-brisa fixo

A versão civil do Gurgel X-15 vinha sempre com o quadro do para-brisa fixo (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Ambos eram impulsionados pelo tradicional motor VW 1600 a ar, trabalhando em conjunto com o câmbio de quatro marchas e relação de diferencial intermediária (4,125:1).

A longeva parceria com a Volks decorreu de um relacionamento pessoal de João Gurgel com Bobby Schultz-Wenk, primeiro presidente da filial brasileira.

Da Kombi vinham rodas, freios, caixa de direção, suspensão dianteira por barras de torção e caixas de redução nas rodas traseiras.

Como no Xavante X-12, a suspensão traseira usava molas helicoidais e a estrutura era composta por chassi tubular revestido de plástico reforçado com fibra de vidro chamada Plasteel, com garantia de 100.000 km.

Apresentada no Salão do Auto-móvel de 1978, a primeira série foi oferecida com ou sem capota de lona.

A versão civil foi oferecida apenas com para-brisa fixo com dois vidros planos assimétricos, o maior deles frente ao campo de visão do motorista. O acesso dos sete passageiros era feito por uma porta do lado esquerdo e duas do lado direito.

A espuma dos bancos era o único luxo oferecido aos sete passageiros

A espuma dos bancos era o único luxo oferecido aos sete passageiros (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Um de seus itens mais interessantes era o guincho dianteiro de acionamento manual, muito útil em atoleiros.

Os destaques visuais da traseira eram as lanternas horizontais (também da Kombi), o estepe e o galão auxiliar de combustível com 20 litros. Os mais atentos não demoravam para notar o robusto protetor de cárter.

O interior seguia o mesmo padrão espartano de funcionalidade: alavanca do câmbio, do freio de mão, maçanetas, cintos de segurança, instrumentos do painel e miolo de ignição eram os mesmos utilizados na linha VW.

A visibilidade do motorista era favorecida pela sua posição, exatamente em cima do eixo dianteiro.

Excelente visibilidade para o motorista

Excelente visibilidade para o motorista (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Em 1979, foi apresentada a picape G-15, com cabine simples fechada e uma caçamba semelhante à do X-20.

O aspecto civil era reforçado pelo para-brisa composto por dois vidros planos de dimensões iguais, que seria utilizado também no X-15 TR (teto rígido), completamente fechado e com quatro portas iguais para diminuir o custo de produção.

Boa parte dos itens vinha da Kombi

Boa parte dos itens vinha da Kombi (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Ambos receberam juntas homocinéticas em 1981. O G-15 ficou maior, com 10 cm a mais entre os eixos e mais 10 cm no balanço traseiro, e ganhou opção da cabine dupla com quatro portas.

Foram desenvolvidas também versões especiais destinadas a polícia e corpo de bombeiros: baseado no X-15 TR, o motorhome Van-Guard não saiu da fase de protótipo.

Como todos os Gurgel, o motor era VW 1.6 a ar

Como todos os Gurgel, o motor era VW 1.6 a ar (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Integrados às forças militares e exportados para vários países, X-15 e G-15 saíram de linha em 1982, quando foram substituídos pelos utilitários da série G800.

Ainda hoje é possível ver alguns exemplares rodando pelas ruas, quase sempre conduzidos por entusiastas saudosos da época em que a Gurgel se intitulava um fabricante “muito nacional”.

Desempenho (dados de fábrica)

  • Aceleração: não divulgada
  • Velocidade máxima: 115 km/h
  • Consumo: 7 km/l (urbano) e 10 km/l (rodoviário)

Ficha técnica

Gurgel X-15 1979

  • Motor: longitudinal, 4 cilindros opostos, 1.584 cm3, comando de válvulas no bloco, alimentação por dois carburadores; 60 cv (SAE) a 4.600 rpm; 11,4 mkgf a 2.600 rpm
  • Câmbio: manual de 4 marchas, tração traseira
  • Dimensões: comprimento, 372 cm; largura, 190 cm; altura,188 cm; entre-eixos, 223 cm; peso, 1.050kg
  • Pneus: 7.35×15
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s