Clássicos: Dodge Dart ficou menor a cada geração e conquistou americanos

Sedã da Dodge foi diminuindo ao longo do tempo, mas sem perder a classe e seu séquito de admiradores

O Dart 1975 era compacto nos EUA, mas gigante no Brasil

O Dart 1975 era compacto nos EUA, mas gigante no Brasil (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Novidade para 1960, o Dodge Dart (dardo em inglês) era um modelo ligeiramente menor e mais barato que os grandalhões Matador e Polara. Baseado na linha Plymouth (divisão mais acessível da Chrysler Corporation), tinha 5,34 metros e estrutura monobloco, avanço notável sobre os rivais Ford e Chevrolet.

A versão básica, Seneca, trazia as carrocerias sedã (de 2 e 4 portas) e a perua (4 portas). A intermediária, Pioneer, agregava o cupê hardtop (sem coluna central) e ambas traziam o seis cilindros de 3,7 litros e 147 cv e o opcional V8 de 5,2 litros e 233 cv. O V8 era de série na topo de linha, Phoenix, com o conversível e o sedã hardtop.

Toques de classe: pneus faixa branca e calotas na cor da carroceria

Toques de classe: pneus faixa branca e calotas na cor da carroceria (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Introduzida em 1962, a segunda geração do Dart foi redesenhada às pressas. Em um encontro com um executivo da GM, o presidente da Chrysler soube que a Chevrolet pretendia diminuir drasticamente seus automóveis, mas não imaginava que o colega falava do compacto Chevy II.

Agora intermediário, o Dart 1962 era 19 cm mais curto e tinha 5,5 cm a menos entre os eixos. O estilo sem harmonia teve impacto negativo, pois os consumidores perceberam que era só uma versão maior do compacto Lancer. Também viram que pelo preço do Dart levava-se o Ford Galaxie ou o Chevrolet Biscayne: as vendas caíram 20%.

Mas nem tudo estava acabado: ele havia perdido cerca de 160 kg e ganhado um V8 de 6,8 litros e 420 cv. Tornou-se o rei das arrancadas: ia de 0 a 96 km/h em 5,8 s e fazia o quarto de milha em 14,4 s.

O acabamento interno impressiona pela qualidade. Piloto automático era opcional raro

O acabamento interno impressiona pela qualidade. Piloto automático era opcional raro (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O modelo 1963 marcou o ponto mais baixo de sua carreira. Rebaixado à categoria dos compactos, o Dart de terceira geração era só uma variação do Plymouth Valiant. Contava apenas com dois motores de seis cilindros: 2,8 litros com 102 cv e 3,7 litros com 147 cavalos. O V8 retornaria apenas em 1964, com 4,5 litros e 182 cv.

Ornamento do SE era o mesmo do Charger

Ornamento do SE era o mesmo do Charger (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A terceira geração veio em 1967 e teve como destaque o cupê hardtop, caracterizado pelo vidro traseiro côncavo. Ele e o sedã de quatro portas foram produzidos pela Chrysler do Brasil entre 1969 e 1981. O sedã de duas portas e o conversível ficaram restritos ao mercado americano.

A maior novidade ficou para 1968, quando o V8 de 5,2 litros e 230 cv substituiu o V8 de 4,5 litros como motor de entrada. Além do esportivo GT havia o GTS com V8 de bloco pequeno (5,6 litros/279 cv) e V8 de bloco grande (6,3 litros/304 cv). A escalada de performance voltaria ao nível de 1962.

Velocímetro só vai a 100 milhas/hora (160 km/h)

Velocímetro só vai a 100 milhas/hora (160 km/h) (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Limitada a 80 unidades, o Hemi Dart desenvolvido pela Hurst Performance era destinado às pistas de arrancada. Não havia garantia para o motor Hemi de 7 litros e 425 cv e o peso caiu para cerca de 1.350 kg com peças da carroceria de fibra de vidro: fazia o quarto de milha abaixo de 10 s.

Considerado como o rei das ruas, o V8 de 7,2 litros e 380 cv foi oferecido em 1969. Reestilizado em 1970, o Dart perdeu as versões mais potentes para não brigar com o Challenger, o caçula dos Dodge. O Dart mais potente em 1971 foi o Demon, um semi-fastback com V8 de 5,6 litros e 279 cv.

Ao ser reclinado, o encosto do sexto passageiro vira apoio de braço para o motorista

Ao ser reclinado, o encosto do sexto passageiro vira apoio de braço para o motorista (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A gasolina cara reforçou o interesse do público em 1973, quando vieram os enormes para-choques resistentes a pequenos impactos. Reestilizado em 1974, o Dart recebeu bancos de veludo e interior acarpetado na versão Special Edition, como este sedã 1975 aos cuidados da De Gennaro Classics.

Temporizador é acessório de época

Temporizador é acessório de época (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Ao todo, mais de 2,73 milhões de Dart foram fabricados em Windsor (Canadá), Los Angeles, Hamtramck, Newark, Belvidere e St. Louis (EUA). Também foi produzido na Argentina, Colômbia e Espanha e teve seu nome reeditado entre 2013 e 2016 no Fiat Viaggio produzido nos EUA.

Ficha técnica – Dodge Dart Special Edition 1975

Motor: V8 de 5,2 litros; 142 cv a 4.000 rpm; 34,5 mkgf a 1.600 rpm;
Câmbio: automático de 3 marchas
Carroceria: fechada, 4 portas, 6 lugares;
Dimensões: comprimento, 516 cm; largura, 177 cm; altura, 137 cm; entre-eixos, 282 cm; peso, 1.591 kg;
Desempenho: 0 a 100 km/h em 12,6 segundos; velocidade máxima de 177 km/h.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s