Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

China tem “cemitério” com milhares de táxis elétricos abandonados

Imagens mostram os veículos da Pand-Auto abandonados em terreno, expostos ao tempo, após falência da empresa

Por Pedro Henrique Oliveira 29 jun 2021, 17h06
Unidades de Lifan 330 EV 01 abandonados
A Pand-Auto entrou com pedido de falência em fevereiro de 2021 e seus veículos ficaram abandonados Reprodução/Internet

Uma espécie de Uber chinês com sua própria frota, a Pand-Auto iniciou seus serviços na China em 2015, realizando o transporte de passageiros exclusivamente com veículos elétricos. Porém, apesar dos investimentos, a empresa declarou falência no início de 2021 e os seus veículos sumiram das ruas. 

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 8,90. 

Agora, um conjunto de imagens que viralizaram na web mostram um verdadeiro cemitério dos antigos modelos utilizados pela empresa. Não há informações sobre quantos carros estão no local, que também não foi revelado, mas é possível ver que os modelos, sujos e danificados, já sofrem com a exposição ao tempo.

As fotos mostram unidades do Lifan 330 EV 01, modelo que era amplamente utilizado pela Pand-Auto para oferecer o serviço eletrificado de táxis. O mar de veículos, que seguem caracterizados com as cores e os logos da empresa, impressiona e escancara os efeitos da falência como um problema econômico e ambiental. Além dos materiais de construção dos carros, também fica a preocupação com o descarte inadequado das baterias.

Veículos abandonados da Pand-Auto em cemitério de carros
As imagens começaram a circular pela internet, mas sem a localização exata do cemitério por questões de segurança Reprodução/Internet

Mas o que aconteceu para que a boa ideia da empresa, em uma época onde a eletrificação ainda parecia distante, fosse fadada ao fracasso? Simples: uma parceria que não deu certo. 

Continua após a publicidade

Até 2018, a Pand-Auto possuiu 20 mil veículos e atendeu cerca de quatro milhões de usuários em 12 cidades chinesas. Tudo indicava para o sucesso do negócio, mas, em 2018, a empresa se uniu à Lifan, fabricante responsável pelos modelos elétricos utilizados no transporte. 

Lifan 330 EV 01 com as cores da Pand-Auto
Os modelos utilizados pela empresa eram os 330 EV 01, da Lifan, que inclusive fez parceria com a Pand-Auto Reprodução/Internet

A intenção da parceria era lançar o primeiro serviço de viagens em carros autônomos na cidade de Xunquim, no sudoeste chinês, uma das cidades mais populosas do mundo com mais de 30 milhões de habitantes.

O teste teve um mês de duração e o resultado foi frustrante para as ambições dos parceiros. Com isso, o programa foi encerrado. Como se não bastasse o fracasso do programa de transporte autônomo, no final de 2020 a Lifan declarou uma dívida de mais de US$ 4 bilhões. A fabricante chinesa foi comprada por outra empresa mas, mesmo assim, acabou decretando falência.

Lifan 330 EV 01 visto de lado com as cores da Pand-Auto
A iniciativa de estabelecer uma frota de táxis autônomos junto a Lifan foi um dos motivos do pedido de falência Reprodução/Internet

Com isso, em fevereiro de 2021, foi a vez da Pand-Auto entrar em processo de recuperação por se declarar incapaz de pagar suas dívidas. Com o processo correndo na justiça, as mais de 20 mil unidades do Lifan 330 EV 01 ficaram sem utilidade. 

A operação tentou vender todos os elétricos, mas não conseguiu. O resultado disso é visto nas imagens.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital

Capa de QUATRO RODAS 746
A edição 746 de QUATRO RODAS já está nas bancas! Arte/Quatro Rodas
Continua após a publicidade
Publicidade