Clique e assine por apenas 5,90/mês

Caminhoneiros pedem pedágio livre para evitar transmissão do coronavírus

Especialista afirma que covid-19 pode, sim, ser transmitida pelo dinheiro, mas apenas liberar catracas não será suficiente no combate à doença

Por Guilherme Silva - 21 abr 2020, 07h00

Além de decretar medidas de distanciamento social, alguns países da Europa liberaram as catracas do transporte público e até os pedágios de rodovias para reduzir a propagação da Covid-19.

Autoridades de saúde locais afirmam que o dinheiro utilizado no pagamento das tarifas favorece a disseminação do coronavírus entre as pessoas.

No Brasil, empresários do setor de transportes e políticos usaram o exemplo dos europeus para tentar a liberação dos pedágios no país durante a pandemia, mas a reivindicação não foi acolhida pelo Ministério da Infraestrutura.

Apesar das medidas anunciadas recentemente pelo governo, como a suspensão de pontos de pesagem em rodovias federais e a prorrogação do vencimento do Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas (RNTRC), a categoria diz que outras ações são necessárias para que os profissionais possam garantir o abastecimento no país.

Um grupo de transportadoras, liderado pela plataforma digital FreteBras, chegou a enviar uma carta ao Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, solicitando a liberação dos pedágios aos veículos de carga nas rodovias federais por 90 dias.

O documento diz que “a iniciativa é um movimento mobilizado pela FreteBras a fim de garantir melhores condições aos caminhoneiros em atividade neste período de quarentena”.

O texto argumenta que a medida resultaria na redução dos custos dos transportadores, uma vez que o valor gasto com pedágios pode representar até 45% do valor do frete em determinadas rotas.

Questionada por QUATRO RODAS sobre a proposta da FreteBras, a ABCR (Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias) enviou a seguinte resposta:

Continua após a publicidade

“As rodovias são infraestruturas consideradas serviços essenciais (MP 926), sendo fundamentais neste momento para o trânsito de todas as frentes de saúde e de segurança pública, além do transporte de cargas e pessoas, que tenham de acessar áreas ameaçadas pela pandemia do novo coronavírus.”

A entidade acrescenta que a “concessão de rodovia é a extensão do serviço oferecido pelo poder público, que depende do pedágio para a manutenção dos níveis operacionais exigidos em contrato”.

Segundo a ABCR, o setor sofreu queda de 18,4% na arrecadação em apenas dez dias de quarentena, provocada pela redução do fluxo de veículos durante a pandemia, mais do que a perda registrada durante a greve dos caminhoneiros de 2018.

A associação diz que concessionárias estão distribuindo kits com álcool em gel, máscaras e luvas a caminhoneiros,  além de oferecer marmitas, avaliação médica nos pontos de apoio e até distribuição de tags de cobrança de pedágio com a isenção de taxa de adesão e a gratuidade das primeiras mensalidades.

Dinheiro pode transmitir o coronavírus?

Troca de notas e moedas entre cobrador e motorista podem transmitir coronavírus Reprodução/Internet

Sim. Segundo a médica intensivista Natália Ferreira, que tem atendido diariamente em dois hospitais particulares de São Paulo (SP) pacientes infectados pela Covid-19, o dinheiro pode servir como agente transmissor do vírus.

“O dinheiro, tanto cédulas quanto moedas, sempre foi um ambiente propício para a proliferação de bactérias e vírus, e com o coronavírus não é diferente”.

A médica explica que o vírus pode sobreviver até por alguns dias em determinadas superfícies antes de contaminar um organismo, “por isso a importância de sempre lavar bem as mãos com água e sabão, higienizar objetos pessoais, além de evitar tocar o rosto, boca, nariz e olhos”.

No entanto, ela ressalta a importância do isolamento social devido à facilidade de contágio do coronavírus – inclusive por partículas de saliva contaminada que podem ficar suspensas no ar durante algumas horas.

“Não adianta liberar pedágio e adotar medidas de higienização se as pessoas continuarem se aglomerando ou saindo de casa sem necessidade”, completa.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da edição de abril da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Continua após a publicidade
Publicidade