Clique e assine por apenas 5,90/mês

Audi pode abandonar fábrica no Brasil por calote milionário do governo

Estado promete restituição de R$ 289 milhões às marcas alemãs desde 2012, quando passou a valer o programa Inovar-Auto

Por Redação - Atualizado em 16 out 2020, 16h41 - Publicado em 25 set 2020, 09h50
Audi A3 Sedan
A3 Sedan deixará de ser fabricado no Brasil em dezembro deste ano Marco de Bari/Quatro Rodas

A Audi pode abandonar a fábrica de São José dos Pinhais (PR) – que deixará de produzir o A3 Sedan em dezembro deste ano – caso o governo brasileiro não pague a dívida que já tem há cerca de oito anos, quando começou a valer o programa Inovar-Auto.

Em entrevista ao Automotive Business, o CEO da empresa, Johannes Roscheck, garantiu que o pagamento “é simbólico”, mas essencial para garantir novos investimentos no país junto à matriz e trazer a produção de um novo projeto à unidade paranaense.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine por apenas R$ 8.90

Na reportagem, Antonio Calcagnotto, diretor de relações institucionais e sustentabilidade da Audi do Brasil, afirmou que, nos dias atuais, o calote do Estado com as marcas alemãs (considerando também as rivais BMW e Mercedes-Benz) é de R$ 289 milhões.

Esse valor diz respeito à tributação adicional recolhida de veículos importados dos países fora do Mercosul – com sobretaxa de 30%, foi apelidado de Super IPI. Naquela época, a promessa era devolver a diferença às empresas que nacionalizassem a produção.

A unidade de São José dos Pinhas (PR) produz modelos da Audi e da VW Divulgação/Volkswagen

“Esse tem sido o nosso principal tema de negociação. Não queremos nenhum incentivo, só que esses recursos sejam restituídos. Mesmo que em dez anos. Seria um compromisso importante para mostrar à matriz”, afirma Cacagnotto ao Automotive Business.

Continua após a publicidade

No caso da Audi, os modelos A3 Sedan e Q3 passaram a ser fabricados aqui em 2015, na unidade compartilhada com a Volkswagen no Paraná, após investimentos de 175 milhões de euros. Vale lembrar que o SUV deixou de ser feito no país no início de 2019.

Versão nacional do SUV Q3 estreou em 2017, mas já saiu de linha Leo Sposito/Quatro Rodas

E, por enquanto, não há previsão de pagamento para a dívida, já que o Inovar-Auto parou de valer em 2017 e, no programa atual Rota 2030, instituído durante o governo de Michel Temer, não nenhuma citação à devolução prometida às marcas anteriormente.

De acordo reportagem do Estadão, o ex-presidente enviou ao Congresso um projeto de lei que estabelecia o pagamento da dívida com prazo máximo de cinco anos. Entretanto, esse projeto segue parado até agora na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Já o ministro da Economia, Paulo Guedes – que, durante a gestão do atual presidente Jair Bolsonaro, afirmou que não pagaria dívidas de governos anteriores –, chegou a prometer a restituição em uma década. Mas, há pelo menos um ano, não retoma o assunto.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Continua após a publicidade
Publicidade