Clique e assine por apenas 8,90/mês

Anfavea projeta queda de 10% na produção em 2014

Desempenho do setor pode ser o pior desde 1998

Por Vitor Matsubara - Atualizado em 9 nov 2016, 13h49 - Publicado em 7 jul 2014, 17h35
sustentabilidade

A indústria automotiva brasileira já viveu dias melhores. Antes confiando em uma alta de até 1,4% na produção de veículos para este ano, agora as montadoras já projetam uma queda de até 10% em relação aos números de 2013, chegando a 3,339 milhões de unidades produzidas de janeiro a dezembro deste ano. Os números foram divulgados no balanço mensal da Anfavea (Associação Nacional das Fabricantes de Veículos Automotores) nesta segunda-feira, 7 de julho.

A expectativa de licenciamentos também sofreu mudanças, passando de crescimento de 1,1% para queda de 5,4%, chegando a 3,564 milhões de unidades. Caso este número se confirme, será o segundo ano seguido de queda nos licenciamentos de veículos, após nove anos consecutivos de resultados positivos. A produção de veículos no primeiro semestre teve queda de 16,8% em relação a igual período do ano passado. De janeiro a junho foram produzidos 1,66 milhão de unidades.

Vários acontecimentos contribuíram para o fraco desempenho da indústria. Entre eles, a queda nas exportações (o declínio foi de 35,4% entre janeiro e junho deste ano, frente ao mesmo período de 2013) e o fato de muitas empresas terem dado férias coletivas a seus funcionários.

Apesar do clima pessimista, o presidente da Anfavea, Luiz Moan, afirmou que espera uma ligeira melhora nos números do setor nos próximos meses.

Continua após a publicidade

“As turbulências que pairaram sobre o setor neste primeiro semestre estão sendo superadas e o viés agora é de crescimento. As questões de financiamento pelo PSI, que travaram a comercialização de veículos pesados e máquinas autopropulsadas no início do ano, foram resolvidas. O acordo com a Argentina foi assinado e já está em vigor. As alíquotas do IPI foram mantidas até o fim do ano. São fatores que nos fazem ter a convicção que o segundo semestre será melhor que o primeiro”, declarou.

Publicidade