Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Abrasileirado, Taos robô da VW tem autorização militar e usa 16 satélites

Para a Volkswagen, compensa mais desenvolver tecnologia com detalhes inéditos do que confiar no fator humano

Por Eduardo Passos Atualizado em 20 jun 2021, 23h24 - Publicado em 20 jun 2021, 18h24
Volkswagen Taos Robô
Um dos Volkswagen Taos controlados por robôs Eduardo Passos/Quatro Rodas

Recursos de automação veicular impressionam à primeira vista. Sejam funções avançadas ou itens de segurança mais simples, é difícil não tratar com misto de fantasia e ficção científica a primeira vez que nosso automóvel reage sozinho às condições externas, se tornando o guia da viagem.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 8,90. 

No lugar da aparente magia, entretanto, há muita programação e centenas de testes. Em modelos como o Volkswagen Taos, lançado globalmente neste mês, a calibração é ainda mais necessária, a fim de adaptar o veículo a cada tipo de sinalização, ambiente, estradas e peculiaridades dos países onde começa a ser vendido.

Para isso, a Volks brasileira segue investindo em unidades mecanizadas de seus novos modelos, capazes de realizar extensivos ensaios com a alta precisão necessária para que tudo chegue redondo às ruas. Além de testes internos, os carros fizeram algumas exibições para convidados.

Menos argila, mais silício

Maquete em clay tem tamanho real do Polo
Maquete em argila do Volkswagen Polo Henrique Rodriguez/Quatro Rodas

Esqueça tempos românticos das gigantescas maquetes de argila, nas quais designers e engenheiros literalmente esculpiam um novo carro. A rotina da Volkswagen é praticamente toda virtual, com projetos ao exemplo do Nivus sendo inteiramente construídos via computador.

Por mais que pranchetas já sejam coisa retrô, o digital aumentou sua importância com a popularização de softwares como o Siemens NX, que serve do desenho à manufatura.

Nesses programas toda informação é parametrizada. Uma longarina alterada no projeto, por exemplo, carregará dados de condutividade térmica, dilatação, tensão de flexão e qualquer outra informação importante automaticamente, conforme o composto e formas são inseridos pelo usuário.

Mais do que uma maquete, esse Gêmeo Virtual simula as diversas interações do mundo real além do que se vê.

Mas a realidade segue incomparável e, enquanto a tecnologia evolui, os testes físicos seguem bem-vindos, seja pelo custo menor em relação a computadores muito avançados ou pela natureza irreplicável digitalmente do experimento.

É aí que entra o Taos robô: por mais que seus controle de cruzeiro adaptativo (ACC) e frenagem autônoma de emergência (AEB) sejam configuráveis em qualquer fábrica da VW no mundo, as peculiaridades das ruas brasileiras continuam sem imitação.

“Percebemos que os primeiros veículos tinham problemas com tampas de bueiros e obras na via. Tanto as tampas quanto as placas de aço usadas para cobrir reformas na pista geravam falsos positivos. Foi o caso de refinar nossos ajustes para que o radar não interpretasse como objetos que exigiam frenagem”, explica Paulo Morassi, gerente de engenharia de produtos da marca.

Além disso, a calibração do sistema para que sua operação tenha confiança elevada exige infindáveis procedimentos, minuciosamente descritos. Alguns até podem ser realizados por humanos, muito mais lentos. Outros já cobram repetibilidade com precisão que só a mecânica (combinada com a eletrônica) consegue garantir.

Kit completo

Volkswagen Taos Robô
Ordenado por um engenheiro que vai apertado no banco do motorista, computador comanda precisamente pedais e volante Pedro Danthas/Volkswagen/Divulgação

Para comandar um SUV com precisão de laboratório, o fator humano deve ser eliminado dos comandos de esterçamento e frenagem. Para tanto, o Taos conta com atuadores hidráulicos que controlam pedais e volante sob ordens de um engenheiro que vai apertado no banco do motorista.

No lado do passageiro, ainda há telas, processadores e baterias, que alimentam software e hardware e, via cabos, se conectam ao trem-de-força do veículo. Na segunda fileira e no porta-malas também vão acelerômetros e aparelhos GPS, com antenas e câmeras espalhadas pela carroceria.

Volkswagen Taos Robô
Todo tipo de informação é importante para os projetistas Eduardo Passos/Quatro Rodas

Mas o teste vai muito além do carro e a equipe técnica dedica atenção especial à base móvel de geolocalização, que acompanha o SUV onde quer que ele vá.

Ainda que o GPS precise, teoricamente, de três satélites para funcionar, os projetistas recorrem a dezenas deles, elevando a precisão normal de alguns metros para poucos centímetros. 

Volkswagen Taos Robô
Interface do GPS mostra que 16 satélites fornecem latitude, longitude e altitude ao carro e cada um de seus alvos Eduardo Passos/Quatro Rodas

No dia da reportagem, havia 16 satélites garantindo latitude, longitude e altitude com excelente margem de erro, tanto do carro quanto do boneco inflável. A comunicação entre as partes é feita por Wi-Fi e quando ocorre da margem superar um metro, automaticamente o procedimento é abortado. 

Principal receptor do Taos fica em seu porta-malas
Principal receptor do Taos fica em seu porta-malas Pedro Danthas/Divulgação/Volkswagen

Simultaneamente, uma pequena estação meteorológica capta dados de temperatura, vento e pressão que são considerados na calibração e, curiosamente, a elevada frequência do radar do carro (75 GHz) torna necessária a liberação da atividade pelas Forças Armadas, a fim de não haver interferência em equipamentos militares.

Continua após a publicidade

Volkswagen Taos Robô
Estação meteorológica em primeiro plano, com alvo inflável em forma de carro ao fundo Eduardo Passos/Quatro Rodas

Por se tratar de tecnologias recentes, há pouco material disponível para quem deseja desenvolver um sistema de automação veicular. Desse modo, a Volkswagen fez um intercâmbio interno e enviou funcionários às sedes de seus fornecedores, na Inglaterra e Áustria, e à matriz alemã, onde a tecnologia é desenvolvida há mais tempo. 

Mesmo assim, a equipe ressalta, existem coisas que só se pegam na prática. Isso ocorreu na relação entre Nivus e Taos e, por mais que o SUV cupê tenha fornecido valiosas informações para o projeto seguinte, diferenças de tamanho, peso e, principalmente, filosofias impediram que o reaproveitamento fosse pleno.

Volkswagen Taos Robô
Manequim também tem suas antenas de GPS Eduardo Passos/Quatro Rodas

“No caso do Nivus, o foco principal era a frenagem em situações urbanas, de até 50 km/h, ou inter-urban, de até 80 km/h na estrada. Na Taos, além dessas funções, há a função Pedestre”, explica Morassi.

O teste

Volkswagen Taos Robô
“Pés” hidráulicos vêm do Reino Unido Pedro Danthas/Divulgação/Volkswagen

Obviamente nenhum ser humano foi atropelado durante o desenvolvimento do Taos. A ingrata missão é do manequim inflável, que se move sobre uma corrente e atravessa a pista logo antes do veículo se aproximar. 

Como os sistemas de prevenção ativa ainda são bem falíveis e apenas ajudam o motorista, é necessário pensar nos atropelamentos que seguirão ocorrendo. Por isso, o boneco também carrega sensores que dimensionam lesões sofridas por pedestres na vida real, contribuindo para desenhos mais seguros.

Frenagem automática efetuada com sucesso
Frenagem automática efetuada com sucesso Pedro Danthas/Divulgação/Volkswagen

Além do boneco, mas sem uso durante nossa exibição pública, também há um carro inflável, chamado de Global Vehicle Target (GVT). É com ele que são feitos parte dos ensaios, já qualificados a legislações futuras cada vez mais restritivas, além de parâmetros de qualidade internos.

No caso do padrão Euro NCAP, há dezenas de páginas que relatam a precisão desses testes: para que ele seja validado, é necessário atender limites de temperatura do ambiente (de 5ºC a 40ºC), inclinação da pista (1%) e aderência máxima do pneu com o pavimento (0,9).

Entre vários detalhes, o carro em testes (VUT) deve estar abastecido com ao menos 90% do tanque, trazer estepe e ferramentas para sua instalação no compartimento designado. 

Dependendo do teste, até dimensões de postes são especificadas
Dependendo do teste, até dimensões de postes são especificadas Reprodução/Euro NCAP

Antes de medições oficiais, a precisão mecânica é extremamente importante para calibrar os freios e, para deixar o SUV em condições parecidas com o dia a dia, são realizadas 20 frenagens a 56 km/h, com desaceleração média de 0,55 g. Em seguida, mais três frenagens a 72 km/h, com os atuadores pisando fundo até que o ABS entre em ação durante a maioria do trajeto. Por fim, é necessário rodar por cinco minutos aos mesmos 72 km/h para que os discos esfriem.

Caso os pneus sejam novos, também é necessário amaciá-los dirigindo o carro em trajeto de círculo de 30 m de diâmetro, com velocidade suficiente para gerar aceleração lateral de 0,5 a 0,6g num total de três voltas no sentido horário e três no anti-horário.

“Imediatamente a seguir”, basta realizar quatro passagens a 56 km/h, performando dez ciclos de comandos sinoidais em cada uma, com frequência de 1Hz e amplitude suficiente para a mesma aceleração do preparo anterior.

É só garantir que o último ciclo de todos tenha amplitude do volante multiplicada em 100% e acabou: a borracha está no ponto.

Clichê, mas verdade

VW TAOS
Futuras evoluções pedirão ensaios ainda mais rígidos Fernando Pires/Quatro Rodas

O detalhismo se repete em uma vastidão de aspectos, e até a força necessária no pedal do freio para que o curso varie determinada distância é precisamente especificada. São exageros como esse que garantem veículos cada vez mais confiáveis e duráveis, por mais que a produção automotiva seja cada vez maior e mais rápida.

Novos limites de seguranças e recursos cada vez mais complexos são o preço da melhoria constante, e nesse contexto a automatização de processos economiza tempo. Apesar do clichê, ele continua sendo dinheiro.

Pintura do novo Fiesta.
Quando você se preocupou com ferrugem pela última vez? Antonio Milena/Veja

Mais do que isso, a precisão sobre-humana amplia o horizonte de recursos, trazendo às ruas mecanismos que necessitam, por segurança, de calibração extrema, nos aproximando da cobiçada automação veicular plena.

Ela ainda está longe. E outros problemas, mais imediatos, incluem o aumento de acidentes causados por condutores que delegam às máquinas algo além de suas capacidades. Com base em novos estudos sobre o assunto, as exigências de alertas visuais e sonoros vêm sendo atualizadas.

No futuro, explicar a peculiaridade de um SUV robô envolverá aulas de História para relembrar que, no anos 2020, os carros eram “manuais”. Enquanto isso, as máquinas seguem delegadas ao “trabalho sujo” (mas importantíssimo) da Pesquisa e Desenvolvimento e, a base de muitos testes, o avanço continua.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital

QUATRO RODAS de junho já está nas bancas!
A edição 746 de QUATRO RODAS já está nas bancas! Arte/Quatro Rodas
Continua após a publicidade

Publicidade